Blog do Dresch

1 de abril de 2016

Mortes precisam ser esclarecidas

         O Ministério Público de Alagoas resolveu cobrar o esclarecimento das mortes dos irmãos Josenildo e Josivaldo Ferreira, além do pedreiro Reinaldo da Silva, todos mortos por uma guarnição do 5º Batalhão na noite na última sexta feira, no conjunto Village Campestre. O promotor Flávio Gomes da Costa solicitou ainda cópia dos inquéritos dos confrontos policiais com vitimas fatais em 2015 e 2016. Os militares envolvidos na ocorrência disseram que foram recebidos a bala pelos irmãos, que eram deficientes mentais, e reagiram eliminando a ambos. Já o pedreiro teria sido vitima de uma bala perdia durante o confronto. Familiares das vitimas desmentiram a informação e com base em declarações de testemunhas, disseram que as três vitimas foram mortas sem reagir á abordagem policial.

MP quer esclarecer 2

                   O próprio Conselho Estadual de Segurança resolveu intervir na questão e decidiu afastar das ruas a guarnição envolvida no fato criminoso. Eles ocuparão outras funções internas no quartel, enquanto o inquérito for elaborado. A peça esta sob a responsabilidade do delegado da Polícia Civil, Egivaldo Lopes de Messias. A Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Alagoas, também cobrou uma apuração rigorosa por parte da Polícia Civil e também da Corregedoria da Polícia Militar, principalmente pela falta de consistência nas informações da guarnição militar.

Corporativismo europeu

                   Eles acham que a superioridade do primeiro mundo se demonstra assim. Coisa feia! A Corte Europeia de Direitos Humanos decidiu, por 13 votos a quatro, que não cabe processar nenhum policial, individualmente, envolvidos no cruel assassinato do brasileiro Jean Charles de Menezes, morto há cerca de 11 anos por agentes da Scotland Yard, em um vagão do metrô de Londres. A Corte considerou que não houve violação da Convenção Europeia de Direitos Humanos, como questionou a família do brasileiro. Essa Corte é composta por representantes de 28 países europeus. O jovem eletricista Jean Charles de 27 anos foi morto na manhã do dia 22 de Julho de 2005, confundido com um terrorista árabe, e baleado com oito tiros pelas costas, sendo sete na cabeça e um no ombro; O bárbaro assassinato levou 30 horas para ser oficialmente comunicado pela Divisão de Inteligência da polícia londrina. Jean Charles era mineiro, estudava e trabalhava em Londres. Na época, a capital britânica estava em estado de alerta por causa de atentados terroristas. 50 pessoas haviam sido mortas e mais de 700 feridas em atentados no metrô da cidade. Em 2009, o Ministério Público da Grã Bretanha decidiu que nenhum agente seria acusado, por não haver provas suficientes… O assassinato de Jean Charles virou filme e um memorial espontâneo criado por artistas ingleses na estação de Stockwell, onde o crime aconteceu.

 

“Transparece um golpe”

                   O ministro o Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, afirmou que o afastamento da presidente Dilma Rousseff “não irá resolver a crise política do país” na sua avaliação. Ele conversou com jornalistas que cobrem o STF e disse que o processo de impeachment “pode até parecer um golpe, se não houver fato jurídico para justificar o impedimento”. O comentário do ministro foi uma repercussão ás afirmativas da presidente de que o processo aberto contra ela na Câmara é golpe porque não esta embasado em crime de responsabilidade.

“Transparece um golpe” 2

                   O ministro explicou seu ponto de vista: “Acertada a premissa, ela tem toda razão. Se não houver fato jurídico que respalde o processo de impedimento, esse processo não se enquadra em figurino legal e transparece como golpe. Agora, precisamos aguardar o funcionamento das instituições. Precisamos nessa hora é de temperança. Precisamos guardar princípios e valores e precisamos ter uma visão prognóstica” disse. Para ele, o caso pode acabar sendo decidido no STF. “Se o Congresso decidir, durante o processo de impeachment, que a presidente cometeu crime de responsabilidade, o STF poderá discutir o caso”, concluiu Marco Aurélio.

Crise? Só para alguns

                   Reportagem da Folha de São Paulo mostrou que o Grupo Globo obteve no ano passado uma receita de R$ 16 bilhões, o que representa uma estabilidade em relação a 2014, descontando a inflação. O lucro líquido teve aumento real (descontada a inflação) de 3%, fechando o ano em R$ 3 bilhões. Segundo o balanço, do final de 2014 até o final do ano passado, as receitas aumentaram de R$ 918 milhões para R$ 2,1 bilhões. Esse resultado ainda exclui a Infoglobo que edita os jornais “O Globo” e “Extra” e a Agência Globo. O grupo ainda fechou o ano com R$ 4,6 bilhões em caixa, contra R$ 2,5 bilhões registrados em 2014.

Crise? Só para alguns 2

                   A TV aberta continuou sendo o carro-chefe no faturamento do grupo. Foram 17 milhões de comerciais na grade comercial da Rede Globo produzidos por mais de 30 mil anunciantes. Também esta ampliado sua oferta com o aplicativo Globo Play, que permite aos espectadores assistirem a programação da Globo. Segundo o grupo já são cinco milhões de usuários no sistema. Na Olímpiada, a emissora pretende acelerar o processo e disponibilizar uma grade diferente com 16 canais esportivos em alta definição na TV fechada e outros 50 canais na internet. A intenção da emissora é cobrir todos os eventos esportivos da competição.

 

  • Uma blitz com direcionamento específico para cargas perigosas foi realizada pela Polícia Rodoviária Federal na BR 101, na altura do município de São Miguel dos Campos.
  • Além dos agentes rodoviários, também participaram da operação, militares do Corpo de Bombeiros e fiscais da Vigilância Sanitária e do Instituto do Meio Ambiente (IMA).
  • O objetivo da ação é a fiscalização no transporte de cargas perigosas em geral, observado o trabalho do motorista, as condições gerais do veículo e ainda o manuseio da carga e os cuidados com o acondicionamento e descarga da mesma.
  • Foi exigido o certificado do Curso de Movimentação Operacional de Produtos Perigosos do motorista, Certificado de Inspeção de Produtos Perigosos, kit de emergência, e simbologia adequada para transporte do produto, além dos equipamentos de proteção individual.
  • Ao todo, 40 veículos transportadores de cargas perigosas foram abordados, sendo que 20 condutores foram autuados, por algum tipo de irregularidade detectada.