Blog do Dresch

24 de março de 2016

Chico desculpa diretor teatral

                 O ator e diretor teatral Claudio Botelho pediu desculpas formais ao compositor Chico Buarque de Holanda, pelo comentário político que inseriu no espetáculo “Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 minutos”, baseado nas obras do compositor e escritor. Na terça (22) ele publicou em seu Facebook um texto em que se diz “envergonhado” pelos acontecimentos após a encenação do espetáculo no último Domingo (19) em Belo Horizonte, quando usou uma das falas de seu personagem para criticar a presidente Dilma Rousseff e Lula. O “caco” desagradou Chico Buarque, que afirmou que Botelho não poderia mais usar suas obras em outras produções.

Desculpas a Chico 2

                   A assessoria de imprensa do compositor afirmou que ele “recebeu e aceitou o pedido de desculpas” e “caso venha ocorrer algum pedido de liberação de uso de suas musicas pelo ator, isso (a retratação) certamente será levada em consideração”. Além de se desculpar pelas alusões a Dilma e Lula (“Ele é o autor, e estou trabalhando com sua obra. Reconheço sua soberania e respeito tudo o que envolve seu nome e sua criação”), Botelho se retratou por ter comparado as vaias que recebeu durante o espetáculo à censura da peça “Roda Viva”, de Chico, nos anos 60. “Citei episódios de repressão pelos quais ele passou, assuntos que não são da minha alçada e não têm qualquer ligação com o incidente de Sábado”.

Desculpas a Chico 3

                   O personagem de Botelho, dono de uma companhia teatral, critica a população de uma cidade pequena, que não havia ido à apresentação de sua trupe: “Era a noite do último capítulo da novela das oito. Era também à noite em que um ladrão ex-presidente talvez tenha sido preso. Ou uma presidente ladra recebeu o impeachment?”. A fala foi mal recebida por parte da plateia, que vaiou a apresentação e gritou “não vai ter golpe”. O elenco tentou retomar a apresentação, mas não conseguiu e os ingressos foram reembolsados. Depois no camarim, Botelho desabafou: “Um ator que esta em cena é um rei, não pode ser peitado por neofascistas, escrotos, petistas e o que há de pior no Brasil. Não pode ser peitado por um nêgo filho da puta da plateia”. Depois desculpou-se por sua “descompostura”.

Redução da pobreza

                   O mais recente relatório sobre a pobreza na América Latina, divulgado esta semana pela Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), registrou uma redução importante nas taxas de pobreza no Brasil. Segundo Laís Abramo, diretora da Divisão de Desenvolvimento Social da instituição, mais de 2 milhões e 750 mil brasileiros saíram das linhas de pobreza e extrema pobreza em 2014. “Essa diminuição foi mais acentuada entre os indigentes, e isso mostra, justamente, a eficácia e a importância dos programas de combate à extrema pobreza que existem atualmente no Brasil. Sabemos que há uma crise importante, com diminuição do crescimento econômico, com recessão e aumento do desemprego. É muito provável que haja impactos negativos sobre os níveis de pobreza e indigência. Mas vai depender da eficiência da rede de proteção social que existe no país, dos programas de transferência de renda e de instrumentos como o seguro-desemprego” afirmou Laís. Em toda a América Latina, entre 2014 e 1015, o numero de pessoas em situação de pobreza cresceu de 168 milhões para 175 milhões, o que representa 29,2% das pessoas. Já o numero de pessoas em situação de indigência, ou extrema pobreza, passou de 70 para 75 milhões (12,4%).

 

A Paixão de Cristo

                   Um espetáculo que supera os limites da religiosidade, da história da humanidade e do amor de Cristo por todos nós. A encenação dos últimos dias de Jesus na Terra, seu sofrimento, sua morte e sua redenção por amor aos homens, pode ser acompanhada neste final de semana (dias 26 e 27 de Março), na Cidade de Maria, no município de Craíbas, no agreste de Alagoas. A encenação acontecerá em um complexo teatral de 300 mil m2, com capacidade para 20 mil pessoas, que acompanharão as cenas desenroladas em 12 palcos elevados, no maior espaço teatral ao ar livre do mundo.

A Paixão de Cristo 2

                   O acesso é facilitado a todos, uma vez que a estrutura local dispõe de condições de receber dois mil ônibus, 5 mil carros e 10 mil motocicletas. O trabalho é todo elaborado por atores e figurantes locais, com usarão o texto adaptado por Alberto do Carmo e com a produção executiva de Marcos Cordeiro. Na opinião de seus organizadores, o espetáculo abre os caminhos em Alagoas, para o turismo cultural com conteúdo histórico/religioso na região. O acesso é gratuito a todos, e os organizadores solicitam somente a doação de dois quilos de alimentos para serem distribuídos às 32 comunidades acolhedoras de dependentes químicos do Estado.

Refinanciar a dívida

                   Ficou mesmo para a próxima semana a aprovação do projeto de lei que estabelece o refinanciamento da dívida dos estados para com a União. Alguns detalhes ainda precisam ser devidamente “costurados” porque atendem aos interesses de alguns estados e não de outros.  O Ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, quer que os estados mais endividados e em situação mais difícil, assumam compromissos de austeridade, em relação á contratação de pessoal e redução de custos. Não é o caso de Alagoas, que apesar de dever mais de R$ 6 bilhões, tem uma situação fiscal estável e vem aplicando uma economia de guerra em seus gastos.

 

 

  • Alagoas e em especial o jornalismo alagoano se despediu ontem de Carivaldo Brandão, primeiro presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas, seu fundador, e com muito orgulho portador da carteira numero 001 do seu Sindicato, que ele ostentava até os dias atuais.
  • Carivaldo foi jornalista até falecer. Brincalhão, contador de histórias e sempre ofertando uma palavra amiga a quem quer que fosse, Carivaldo também tinha um lado de luta em favor da sua categoria.
  • Aposentou-se como funcionário público federal e então descobriu no pedestrianismo uma fonte de vitalidade, de novos amigos e de companhia no dia a dia. Fundou inclusive a Associação dos Corredores de Rua de Alagoas.
  • Conviveu nos últimos anos com um severo Alzheimer, que muitas vezes o fazia confundir as histórias que vivenciou desde quando saiu de São Miguel dos Campos para viver em Maceió.
  • Em 2014, gravei uma entrevista, juntamente com o companheiro Mário Lima, para o projeto denominado “Memórias do Jornalismo Alagoano” onde Carivaldo ainda faz registros do seu tempo de líder sindical.
  • Orgulhava-me de ser seu amigo e de ter com ele, aprendido a viver o jornalismo todos os dias.