Ailton Villanova

17 de março de 2016

Vela poderosa

     Contam os mais velhos que, certo dia de tempos idos, padre Obdúlio Perdigão, um coroa grisalho muito bondoso, caminhava pela praça central da cidade onde era pároco e mantinha o seu rebanho sempre unido e cumpridor dos deveres e obrigações cristãs, quando, de repente, deparou-se com um jovem casal. Cumprimentou o rapaz e a moça, com a alegria de sempre:

     – Olá, vocês! Como vão, meus filhos?

     – Vamos mais ou menos bem, padre. – respondeu a moça do casal.

     E o reverendo, puxando pela massa cinzenta:

     – Parece que foi ontem, mas já faz mais de três anos que casei vocês. Já têm filhos?

     A moça respondeu, algo triste:

     – Infelizmente não, padre.

     – Ah, mas Deus haverá de abençoá-los, meus filhos. Semana que vem, quando eu for ao Vaticano, acenderei uma vela para que vocês tenham muitos filhos…

     O reverendo viajou, passaram-se três anos e, bela manhã de domingo, eis que ele voltou a rever aquela jovem senhora. Fez a maior festa!

      – Como vai, minha filha? Deus já abençoou o lar de vocês?

      – Abençoou até demais, padre! Logo que o senhor voltou do Vaticano, eu engravidei e tive trigêmeos. Assim que eles nasceram, fiquei grávida novamente de trigêmeos e no ano seguinte a mesma coisa!

     – Nove filhos, minha filha???!!!

     – Exatamente, padre. Nove!

     – E seu marido, onde está?

     – Ele foi ao Vaticano…

     – Ao Vaticano?! Fazer o quê?

     – Ele foi apagar aquela bendita vela que o senhor acendeu, padre!

 

 

E haja fotos!

 

     Um guarda rodoviário procurou a delegacia de policia mais próxima do seu posto de serviço, e falou para o delegado José Rangel Athaíde Wanderley:

     – Doutor, eu trago pro senhor notícias boas e ruins…

     – Comece pela ruim. Qual é?

     – Assaltaram um ônibus de turistas na entrada da cidade!

     – E qual é a notícia boa?

     – Temos mais de mil fotos dos assaltantes!

 

 

Deduziu muito mal!

 

     A velhinha dos seus 80 anos era interrogada pelo delegado Carlomano de Gusmão Miranda:

     – Vamos reproduzir a ocorrência delituosa, certo? A senhora havia viajado para passar uns dias no Recife com uma de suas filhas, certo?

     – Certo.

     – Mas voltou mais cedo, confere?

     – Confere.

     – Então, a senhora chegou ao seu apartamento, que fica no décimo andar, e flagrou o seu marido na cama com uma jovem, em pleno ato sexual, certo?

     – Exatamente. – confirmou a velhota.

     – Tomada de fúria, a senhora então puxou o seu marido da cama, empurrou-o até a janela e o atirou lá de cima com o claro propósito de matá-lo, não foi isso?

     – Não foi essa a minha intenção.

     – Como não?

     –  Veja bem, doutor delegado… se ele era capaz de fazer amor aos 92 anos, pensei que também fosse capaz de voar!

 

 

Venceu pela insistência

 

     O delegado Antônio Rosalvo Cardoso, o proverbial Mamão, é um caboco que sempre vence pelo cansaço. Outro dia ele tinha sob sua custódia um sujeito acusado de ter invadido uma residência para furtar, e começou a interrogá-lo:

     – E aí, cara, conhece esta chave?

     – Conheço não, doutor.

     No dia seguinte, ele voltou a interrogar o cara:

     – Conhece esta chave?

     – Não, doutor.

     E assim foi durante três dias. Até que o cara confirmou:

     – Conheço sim, senhor.

     – E por que não confessou logo, rapaz?

     – Só pode, né, doutor? Faz quatro dias que o senhor vem me apresentando pra ela!

 

 

Por dentro da Verdade

 

     Festejado como magistrado corajoso, enérgico e gente boa, doutor Antônio Sapucaia estava estreando na judicatura alagoana, isso há mais de 30 anos. Diante de sua pessoa, se achava um caboco acusado de haver praticado um delito cabeludo.

     Antes da tomada da oitiva, ele achou por bem advertir o cara:

     – Sr. Leobaldo, o senhor sabe o que lhe acontecerá se jurar em falso?

     – Sei, sim senhor, excelência. Quando eu morrer, vou pro inferno com alma e tudo, e ficarei me queimando no meio das chamas eternas…

     – Muito bem. E sabe também o que lhe acontecerá se disser a verdade, não sabe?

     – Sei também, excelência. Vou pra cadeia!

 

 

Visão quadruplicada

 

     O bêbado entra no bar e se aproxima de uma mesa onde estão sentados dois rapazes idênticos:

     – Putaquipariu! Será que eu estou vendo demais?

     – De jeito nenhum – respondeu um dos rapazes. – Nós somos gêmeos mesmo!

    Incrédulo, o bêbado retrucou:

    – Os quatro? 

 

 

Difícil de perder

 

     Na aula de Conhecimentos Gerais, dona Alfabértia, a exigente mestra, sabatinava a classe sob sua responsabilidade. Em dado momento, ela parou diante do Cacá e indagou:

     – Onde são encontrados os elefantes, menino?

     Cacá pensou um pouco e mandou:

     – Olha, dona Alfabértia, os elefantes são uns bichos tão grandes, que acho difícil alguém perder um deles…