Blog do Dresch

29 de janeiro de 2016

Rebelo declara guerra ao Aedes

              O governo federal vai utilizar 220 mil militares das Forças Armadas para auxiliar no combate ao Aedes aegypti, segundo garantiu ontem, em Brasília, o Ministro da Defesa, o alagoano Aldo Rebelo. “As Forças Armadas já exercem essa função auxiliar desde o primeiro momento de combate ao mosquito transmissor da dengue, Zika e chikungunya, e agora vamos intensificar esta mobilização” afirmou. Os militares vão centralizar sua atuação em 356 municípios, dos quais, 115 concentram a maior parte dos casos de microcefalia, que podem ter sido provocados pelo vírus Zika. A atuação das Forças Armadas vai complementar as ações desenvolvidas pelo Ministério da Saúde, estados e municípios.

Aedes na mira do canhão 2

                   A ação militar será dividida em quatro etapas distintas. Na primeira, a partir do dia 4 de Fevereiro, os militares farão um mutirão para erradicar criadouros do mosquito nas instalações das Forças Armadas em todo o país. No dia 13 de Fevereiro, na segunda etapa, 220 mil homens e mulheres do Exército, Marinha e Aeronáutica, farão uma ação de conscientização para orientar a população, com a distribuição de panfletos com números de telefones e outras orientações para denúncias de locais onde haja proliferação do mosquito. O panfleto será distribuído, pelo menos, em três milhões de imóveis residenciais. Entre os dias 15 e 18 um contingente de 50 mil militares fará nova visita, em conjunto com o Ministério da Saúde e forças estaduais para inspecionar possíveis focos de proliferação.

Aedes na mira do canhão 3

                   A partir de então os 50 mil militares continuarão mobilizados, e atuarão quando solicitados pelas autoridades locais. Segundo Aldo Rebelo “vou falar com os governadores e prefeitos das capitais para que a nossa mobilização possa ser acolhida e reforçada em todos os estados” afirmou. A última etapa, que ainda esta sendo discutida com o Ministério da Educação, prevê a mobilização dos militares no trabalho de conscientização nas escolas da rede pública e privada. “Isso vai depender do calendário escolar de cada escola, mas estaremos à disposição do MEC para apoiar a ação de esclarecimento para prevenção e combate ao mosquito nas escolas” revelou o Ministro alagoano.

 

Corrupção versus economia

                   O combate á corrupção é indispensável e o trabalho deve ser feito com total autonomia, mas isso não pode trazer prejuízo a economia do país. A afirmação         é do Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, durante uma entrevista coletiva em Brasília. Segundo ele é possível investigar e punir empresas envolvidas em casos de corrupção, sem que isso tenha reflexos no crescimento do país. Segundo Cardozo o governo tenta impedir que a sociedade “pague a conta” dos atos criminosos. Para o Ministro o país deve seguir o exemplo de outras nações, onde a economia não é afetada. “Temos clareza que a sociedade não deve ser penalizada do ponto de vista econômico. Não é justo que a sociedade pague a conta pelos atos de alguns que devem ser punidos” defendeu. Disse também que o governo tem uma posição clara para que se evite que essas empresas, que podem continuar atuando e podem ser importantes para a economia do país, tenham suas atividades atingidas. Ainda sobre o assunto o Ministro da Justiça voltou a comparar a corrupção como um tumor. “Os governos Lula e Dilma não agiram para esconder o tumor, mas para expô-lo. Esse é um ônus que todos correm quando a corrupção é descoberta. Ou seja, aumenta-se a percepção da corrupção quando ela é combatida. Quando ela é acobertada, a percepção é de que ela não exista. A corrupção é percebida porque o governo não se acumplicia com ela” explicou José Eduardo Cardozo

 

Mamãe aplaude ATA

                   Os 60 anos de existência da Associação Teatral das Alagoas (ATA) serão festejados e comemorados nesta sexta feira, no bloco mais animado da prévia carnavalesca de Maceió, o Filhinhos da Mamãe. Além da ATA, a Mamãe faz uma homenagem especial ao Rei Momo Sanduarte, figura popular do carnaval da capital nos anos 60. “A comissão organizadora do bloco resolveu homenagear estes dois destaques da cultura alagoana, dedicando a eles o desfile de 2016 e toda a alegria que couber no coração dos seus integrantes” explica um dos coordenadores, Ronaldo de Andrade.

Mamãe aplaude a ATA 2

                   Neste ano, em função da retirada do apoio da Prefeitura às prévias carnavalescas, o Filhinhos da Mamãe também entra na avenida controlando os gastos. Por isso mesmo, a fantasia de Mamãe será um apanhado das fantasias de carnavais passados, e a camiseta do bloco custará R$ 50 para auxílio das despesas. A concentração esta marcada para começar às 20h no pátio do Museu Théo Brandão, na Avenida e a saída por volta da meia noite.” Os custos diminuem, mas a folia e a alegria do bloco só aumentam. Por isso todos estão convidados a se divertirem conosco na abertura do carnaval” reforça Ronaldo de Andrade.

Ninguém respeita a meia

                   O Campeonato alagoano 2016 começa do mesmo jeito que terminou em 2015. Com total e absoluto desrespeito ao torcedor, infringindo a lei da meia entrada e sob o olhar complacente e omisso do Ministério Público e de outros orgãos de defesa do consumidor. Nos dois jogos realizados no Estádio Rei Pelé, nas duas primeiras rodadas, não houve ingressos para estudante ou idoso e todos pagaram a mesma coisa. E se na capital é assim, imagine só nos estádios do interior. Não tem lei, não tem moral, não tem governo e não tem Federação capaz de fazer os clubes respeitarem a nova lei da meia entrada, que parece ser mais uma balela incorporada á vergonha que é o futebol brasileiro.

 

  • Entidades representativas de profissionais da imprensa reúnem-se hoje pela manhã com o Ministério Público e com os líderes das torcidas organizadas para apaziguar os ânimos neste inicio do Campeonato Alagoano.
  • Estarão presentes Valdice Gomes (Federação Nacional dos Jornalistas), Flávio Peixoto (Sindicato dos Jornalistas) Paulo Guedes (Sindicato dos Radialistas), Ailton Cruz (Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos) e Jorge Lins (Associação dos Cronistas Desportivos) que pretendem cobrar do Ministério Público e das torcidas o respeito pelos profissionais da comunicação esportiva.
  • Nos últimos dias, vários profissionais dos veículos de comunicação do Estado e que cobrem o futebol alagoano foram ameaçados de agressão, e intimidados a não comparecerem aos estádios sob o risco de serem hostilizados e espancados.
  • No inicio da semana, os representantes das entidades da imprensa esportiva firmaram um pacto em favor da liberdade da atividade profissional na cobertura dos jogos do campeonato.
  • Foram denunciadas várias ameaças que serão devidamente formalizadas ao MP na manhã de hoje.
  • Os líderes das torcidas deverão ser responsabilizados por qualquer ato intimidatório, ou de agressão física aos profissionais de imprensa, nos estádios ou em qualquer outro local público.