Blog do Dresch

21 de maio de 2015

Alagoas aposta na energia eólica

                   Uma empresa fabricante de materiais para a geração de energia eólica tem acenado com a possibilidade de instalar-se em Alagoas. Esta semana, executivos da Phoenix Energy estiveram reunidos com a Secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Jeanine Pires, já buscando possíveis áreas para a instalação da fábrica, que deverá gerar 150 empregos inicialmente, chegando a 300 quando em pleno funcionamento. Para a Secretária, é importante trabalhar a imagem de Alagoas com o incentivo á geração de energias renováveis. Para a implantação da indústria, a Phoenix Energy deve investir cerca de R$ 200 milhões em obras de infraestrutura e na aquisição de máquinas e equipamentos.

Aposta na energia eólica 2

                   O Brasil acaba de atingir um recorde importante: a produção de 6 mil megawatts  de energia eólica instalada e operando. A quantidade equivale a cinco vezes a capacidade máxima da Hidroelétrica de Furnas, em Minas Gerais, que tem 1.216 MW e é suficiente para abastecer cerca de 35 milhões de pessoas. Estado líder, neste tipo de energia, o Rio Grande do Norte, sozinho, atingiu 2 mil MW em Abril. O alcance de exatos 5.966,60 MW foi possível com a liberação, neste ano, de novas usinas eólicas no Rio Grande do Sul e no Rio Grande do Norte. A produção se refere a 266 usinas eólicas já conectadas ao SIN (Sistema Interligado Nacional) o que permite levar energia gerada para todas as regiões do Brasil.

Aposta na energia eólica 3

                   Além das usinas conectadas ao sistema, cerca de 300 MW de outras eólicas estão disponíveis, mas aguardam rede de transmissão. Caso a produção destas linhas, prontas e aptas para gerar energia, fosse contabilizada no total disponível para ser comercializada, o recorde de 6 mil MW teria sido alcançado em Janeiro deste ano. A previsão é de que os 300 MW estejam conectados a partir de Julho deste ano. O Brasil esta entre os dez maiores produtores mundiais de energias limpas (que não geram poluentes) e isso o credencia a cada vez mais receberem empresas mundiais fabricantes de equipamentos como turbinas, hélices e torres.

A ajuda chinesa

                   Entre os 35 acordos firmados entre o Brasil e a China esta semana, vale destacar o inicio dos estudos de viabilidade para construção de uma ferrovia ligando o Brasil ao Oceano Pacífico, passando pelo Peru, a Ferrovia Transoceânica. “A ferrovia vai cruzar o país de leste a oeste, portanto, o continente, porque ligará o Oceano Atlântico ao Pacífico. É um novo caminho que se abrirá para a Asia, reduzindo distâncias e custos. Um novo caminho que nos levará diretamente aos portos da China”, explicou a presidente Dilma Rousseff. Os acordos assinados com o primeiro-ministro chinês Li Kequiang, abrangem áreas de planejamento estratégico, infraestrutura, transportes, agricultura, energia, mineração, ciência e tecnologia, comércio entre outros. A presidente lembrou ainda que a China é o principal parceiro comercial do Brasil e defendeu a ampliação dos investimentos, o comércio mais intenso, aberto e diversificado entre os dois países e o aperfeiçoamento de parcerias em educação, ciência e tecnologia. A retomada das exportações de carne bovina para a China, interrompida desde Julho de 2012 é outro fator importante, e consolidado agora com a assinatura do protocolo sanitário. Os acordos tambem envolvem a compra de aviões da Embraer, navios de minérios da Vale, construção de um satélite de sensoriamento remoto, investimentos de R$ 7 bilhões em projetos da Petrobrás, construção de um polo siderúrgico no Maranhão e até a cooperação esportiva em modalidades como tênis de mesa e jogo de peteca.

 

Vagas para carrasco

                   São apenas oito vagas, mas não se exige experiência para o cargo, nem habilidade específica ou grau de instrução. Mas quem tem constituição forte e segue estritamente a lei islâmica pode se candidatar ao cargo de carrasco na Arábia Saudita, para conduzir decapitações públicas ou amputações de ladrões condenados. As vagas são ofertadas pelo Ministério de Serviços Civis, e a admissão é imediata, tendo em vista a escassez de decapitadores qualificados e o aumento do número de execuções. A Justiça da Arábia Saudita pune o tráfico de drogas, o contrabando de armas, assassinatos e outros crimes violentos com a pena de morte, geralmente por decapitação em praça pública.

Vagas para carrasco 2

                   No último Domingo, um homem foi decapitado por tráfico de drogas, o 85º condenado executado este ano. Durante todo o ano passado, 88 pessoas foram mortas. As lideranças governamentais consideram a pena de morte o meio mais eficaz de combater a criminalidade. O anúncio feito esta semana para as vagas de carrasco não revelou o salário oferecido. Em algumas províncias do país a profissão passa de pai para filho. Em outras regiões o carrasco trabalha como guarda e realiza execuções ocasionalmente, recebendo um bônus de US$ 1 mil por decapitação.

Rádios para a Ufal

                   A Universidade Federal de Alagoas recebeu esta semana do Ministério das Comunicações, a noticia de que foram aprovadas as concessões de duas rádios educativas, para Penedo e Santana do Ipanema. Os projetos solicitando as concessões foram feitos em 2012, tendo a frente o professor Mac-Dawison Buarque, que coordenava uma pesquisa voltada a implantação de um sistema de comunicação universitário de radiodifusão educativa, ligada ao Observatório Ibero-americano de Comunicação. As propostas foram encaminhadas ao Ministério das Comunicações, visando os editais abertos, priorizando os locais onde a Ufal estava instalada no interior. E agora, as concessões foram aprovadas.

 

  • O jornalista Aldo Ivo, referência da imprensa alagoana, une-se ás centenas de solicitações encaminhadas á Prefeitura de Maceió, pela recuperação da Praça Rayol, em Jaraguá.
  • Esquecida das autoridades, o logradouro, antes ponto de reunião de amigos e de moradores, e orgulho do bairro, agora é o retrato do abandono, a sujeira e da escuridão.
  • Trabalhadores rurais protestaram ontem pelo centro de Maceió, dentro da pauta que compõe o chamado “Grito da Terra”.
  • As lideranças dos trabalhadores disseram que a pauta a ser discutida com as autoridades do estado, principalmente as da área rural, é extensa, mas muitos dos itens somente podem ser solucionados com a presença e o poder de decisão de orgãos do Governo Federal.
  • Os trabalhadores se concentraram ao final da manifestação, na Praça Floriano Peixoto (Praça dos Martírios).
  • Alguém precisa avisar ás lideranças que ali somente funciona o Museu Palácio (Mupa) e que as autoridades (Governador e Secretários) atendem e despacham no Palácio República dos Palmares na rua detrás.