Ailton Villanova

19 de maio de 2015

Foi fundo demais!!!

      O popular Liotério Neolito pegou o dinheiro das férias, juntou com a graninha que tinha na poupança, adicionou o numerário da venda do seu fusca, foi a uma badalada concessionária e comprou o carro do seu sonho: uma belina. Para completar a sua felicidade, só estava faltando uma mulher bem gostosa ao seu lado, o que não demorou muito a acontecer. Com uma belina zerada daquelas, toda adubada e lustrando mais do que catarro em parede, qual garota disponível poderia resistir? Nurvalina não resistiu.

     Aboletados no veículo zerado, Liotério e Nurvalina pegaram uma rodovia de pouco movimento e se mandaram por aí afora, sem destino certo. Pé enfiado no acelerador, cabelo solto ao vento, ele estava adorando aquela aventura. A garota, por outro lado, não cabia em si de tanta felicidade.

     Muito do sacana, Liotério jogou um agá pra cima da namorada, que além de bonita, tinha um corpo sensacional:

     – Meu amor, se eu for a 200 por hora, você tira a roupa?

     E ela, também safadinha e mastigando chicletes:

     – Tiro, meu nego!

     – Então, tira!

     Liotério aumentou a velocidade e a dona tirou tudo de pano que tinha em cima do corpo.

     Mas é claro que com o carro a 200km por hora e a garota peladona ao seu lado, o Liotério tinha que perder o controle de tudo – dele e do carro. De modo que acabou capotando fora da pista, depois de ter dado umas dez rabeadas. Sorte o casal não ter morrido.

     Quando Liotério se recuperou do susto, viu que estava preso

nas ferragens. Por muita sorte, a garota estava ilesa ao seu lado. Então, ele pediu:

     – Por favor, vá pedir ajuda. Estou entalado aqui dentro!

     E ela:

     – Mas eu não posso, meu querido! Estou nuazinha! Minha roupa sumiu!

     Liotério olhou em redor e viu os seus calçados:

     – Pegue, então, os meus sapatos, proteja com eles a parte pudenda, corra até o local habitado mais próximo e peça socorro.

     A garota saiu correndo pela estrada e logo chegou a um posto de gasolina, segurando os pisantes do cara entre as pernas. Dirigiu-se a um dos frentistas e pediu:

      – Por favor, me ajude! Meu namorado está intalado…

      O frentista olhou para o corpaço da mulher, desceu a vista até os sapatos e interrompeu:

      – Acho que não dá pra fazer nada, moça. Ele tá muito fundo!

 

 

Idéias para um casamento feliz

 

      O imbecil do Fedúlcio estava demorando muito em me torrar a paciência. Mas, ontem, o filho da mãe me pegou numa hora em que eu estava descontraído.

      O celular tocou, atendí sem reparar no visor:

      – Alô!

      Fedúlcio lascou de lá:

      – Magnânimo e insofismável mestre! Quanta honra ouví-lo! Vou ser rápido nesse contato: O senhor sabe quais são os segredos para manter um casamento feliz?

      – Tem segredo nenhum, cara! – respondi.

      – Tem, sim, impoluto mestre. Eles são quatro. Quer saber?

      – Não custa nada. Manda lá.

      – Pois lá vai: 1° – encontrar uma mulher que saiba cozinhar, lavar e passar; 2° – encontrar uma mulher que tenha um bom emprego e ganhe muito bem; 3° – encontrar uma mulher que faça sexo muito bem…

      – Pô! que papo furado! Diz logo o quarto segredo!

      – O quarto segredo é garantir que essas três mulheres nunca se encontrem!

 

 

O que elas pensariam

 

     No meio de um papo regado a uma lourinha suada, o Abionésio parceiro de farra:

     – Pereirão, me diz aí: o que se passa na cabeça de uma mulher na hora em que está transando com você?

     – Bom, depende da mulher.

     – Como assim?

     – Se ela for uma piranha, vai pensar: “Será que esse cara vai mesmo pagar pelos meus serviços?” Se for uma amante, o pensamento vai ser o seguinte: “Será que eu transo melhor que a mulher dele?!”

     – E se for a minha própria mulher?

     – Ela bocejará e pensará: “Preciso mandar pintar esse teto, que está cheio de manchas!”

 

 

Uma estratégia infernal

 

     Maior confusão na porta do inferno. Fila quilométrica para a entrada. O inferno superlotado e Satanás sem saber como botar aquele povo todo para dentro. De repente, bateu-lhe na cachola a chamejante idéia de dar um pulinho no céu, para pedir ajuda. Chegou lá, foi recebido por São Pedro e pediu uma reunião de emergência.

     Depois de muitas horas de confabulação com o gerente celestial, Satanás voltou pra casa feliz da vida. Chamou o seu secretário, o cão Carolino, e mandou que ele lesse um comunicado na emissora oficial infernal. De repente, a fila desapareceu! Um daqueles distraídos que lá se achava, perguntou ao guarda:

     – O que foi que anunciaram aí?

     – Anunciaram que, de hoje em diante, transar sem ser casado não é mais pecado!

 

 

Deus é sábio demais!

 

     Dois biriteiros mamavam, cada um, na boca de uma garrafa de cachaça, escorados no balcão de um boteco, no bairro da Pitanguinha. Em dado momento, um chamou a atenção do outro:

     – Tá vendo aquele que vai alí?

     – Tô vendo. O que tem ele?

     – É manco. Tem uma perna menor que a outra, coitado!

     – É, mais em compensação a outra perna já é mais comprida. Deus é sábio, mano!

 

 

“Salário” de grande proporção

 

     A mocinha, com aquele traseiro empinado e gostoso, viajava em pé naquele coletivo mais apertado do que vagina de virgem quando, de repente, resolveu dar uma bronca no sujeito à sua retaguarda:

     – O senhor quer fazer o favor de desencostar esse troço da minha bunda?

     E o cara, no maior cinismo:

     – Moça, o que está encostado aí não é o que está pensando. É o envelope do meu pagamento, que eu acabei de receber.

     – Ah, é? Então o senhor deve ganhar muito bem, porque desde a Praça Deodoro, até aqui no Tabuleiro, seu salário já aumentou umas dez vezes!

 

 

O lado bom da coisa

 

     O Euclâmpio falava pelo telefone com o amigo Cliosítimo:

     – Tá sabendo que o Perióstio sofreu um acidente de carro?

     – Tô por fora, meu irmão. E ele, como está?

     – Fudidão, cara! Ele perdeu as duas pernas!

     E o Cliosítimo:

     – Ora, isso não é o fim do mundo, rapaz! Tem que ver o lado bom das coisas: o cara que perde as duas pernas num acidente, nunca mais vai acordar com o pé esquerdo!

 

 

Tentando cumprir o contrato

 

     Seu Clordimoraldo, chefe do Serviço de Controle da Peste, órgão federal, não estava entendendo porque aquele camarada diante de sua pessoa insistia num pedido tão insólito:

     – Mas por que o senhor quer 50 ratos? É para alguma experiência

cientifica? É alguma pesquisa? Por acaso o senhor é cientista?

     E o cara:

     – Não é nada disso, meu amigo. O negócio é o seguinte: eu fui despejado e o filho da puta do senhorio exigiu que eu lhe entregue a casa nas mesmas condições que a encontrei!