Blog do Dresch

15 de abril de 2015

Governador e bancada apoiam o ajuste

                   O governador Renan Filho participa hoje em Brasília, ao lado dos demais governadores do Nordeste e da bancada federal da região, de um encontro de apoio à política de ajuste fiscal do governo federal. São 9 governadores e 177 parlamentares que representam a região e que devem se reunir no auditório Nereu Ramos, do Congresso Nacional. Na Capital Federal o governador alagoano havia agendado encontros com o Ministro da Saúde, Arthur Chioro e com o Ministro da Aviação Civil, Alexandre Padilha. Outras audiências também estavam sob estudos  e dependiam da viabilidade técnica.

 

Conflitos por água

                   A Comissão Pastoral da terra (CPT) lançou ontem seu mais recente relatório sobre os conflitos em zonas rurais por água em 2014, com um número recorde de 127 casos envolvendo 42.815 famílias e 214 mil pessoas. Isso representa um aumento de 26% em relação ao ano anterior, nas disputas pelo recurso hídrico. A CPT classifica os conflitos em três categorias: apropriação particular, disputa pela construção de barragens e açudes e os relacionados ao uso e preservação da água. O maior número de conflitos envolvendo a água foi de famílias impactadas pelos grandes projetos hidroelétricos, como Belo Monte, Tapajós e Santo Antonio, e a Comissão prevê que a questão dos grandes empreendimentos vai continuar. O Nordeste registrou o maior numero de conflitos pela água: 42. O Sudeste, que sofre com as consequências da falta d’água, vem em seguida com 38 conflitos (crescimento de 90% em relação a 2013). Em todo o país, os estados de Minas Gerais e Bahia registraram o maior número: 26 cada um. Ainda de acordo com o relatório, o total de conflitos, incluindo aqueles pela posse da terra, trabalho, água e outros, teve aumento de apenas 20 casos em relação ao ano anterior. Em 2013 foram 1.266 e no ano passado, 1.286. O relatório com os números de 2014 marca os 30 anos da publicação, divulgada anualmente. Neste período, foram registrados pela CPT 29.609 conflitos no campo, envolvendo 20.623.043 pessoas. Foram 23.079 conflitos por terra, 4.389 trabalhistas, 836 por água e 1.305 de outras naturezas. Entre 1985 e 2014, foram registrados 1.723 assassinatos em 1.305 ocorrências de conflitos.


Doenças respiratórias

                   Durante toda esta semana discute-se em muitos países as alergias respiratórias e seus impactos na vida das pessoas. É a Semana Mundial da Alergia, que pretende chamar a atenção da população sobre a importância da prevenção, ou mesmo realizar o diagnóstico e o respectivo tratamento. A previsão da Organização Mundial de Alergia (WAO, em inglês) é que o número de asmáticos no planeta chegará a 400 milhões até 2025. Segundo a WAO, entre 30% a 40% da população mundial sofre com a rinite alérgica, que é uma das manifestações mais comuns de alergia. Cerca de 80% dos pacientes com asma têm rinite alérgica.

Doenças respiratórias 2

                   No Brasil, a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), estima que 30% da população sofrem com a rinite alérgica. A doença atinge também 67% das pessoas da América Latina, se tornou uma preocupação mundial e um problema de saúde pública. Segundo a WAO o custo mundial da rinite alérgica é de US$ 20 bilhões. Embora a rinite não cause risco de vida para o paciente, ela diminui muito a qualidade de vida, fazendo com que a pessoa durma mal, falte ao trabalho, tenha obstrução nasal com espirro e coriza, podendo levar a sinusite.

Doenças respiratórias 3

                   O principal fator desencadeante das alergias no Brasil é a poeira, que contém ácaros, seguido dos fungos e da poluição atmosférica. As pessoas precisam ter uma casa limpa, devem arejar o ambiente na época do outono e do inverno, as roupas usadas no ano anterior devem ser lavadas antes de reutilizadas. Mas já existem medicamentos distribuídos gratuitamente para a população pelo governo federal nas farmácias populares, como corticoides orais e broncodilatadores, para evitar a crise e tratar a doença. O número de mortes evitáveis por asma no Brasil é estimado em 2,5 mil por ano.

Assassinato de jornalista

                   O Paraguai esta empenhado em conseguir do Brasil a extradição do ex-prefeito Vilmar Acosta Marques, 39, acusado do assassinato do jornalista Pablo Medina, correspondente regional do jornal “ABC Color” um dos maiores do país vizinho. O pedido já foi protocolado no Itamaraty, despachado ao Ministério da Justiça e deve ser encaminhado ao Supremo Tribunal Federal. O jornalista foi morto em Outubro passado com tiros na cabeça e peito, em uma emboscada na zona rural do estado de Canindeyú, na fronteira com o Brasil. Uma estudante de jornalismo que estava com Medina também foi assassinada.

Assassinato de jornalista 2

                   O crime teve grande repercussão no Paraguai, e em Novembro, atendendo ao Ministério Público, o juiz paraguaio Carlos Martinez decretou a prisão de Acosta, que havia fugido para o Brasil. A Interpol o incluiu na lista prioritária de foragidos, o que levou à sua prisão pela Polícia Federal em Naviraí (MS) em Março. Prefeito da cidade de Ypejhú, filiado ao Partido Colorado, Acosta foi alvo de diversas reportagens de Medina, pelo envolvimento com o tráfico de drogas. O “ABC Color” relatou que a família do prefeito esta relacionada em pelo menos 24 homicídios na região.

 

 

  • Os reflexos da alta do dólar começam a aparecer com mais intensidade no fluxo turístico interno. O Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, de Maceió, registrou um aumento de 7,5% do primeiro trimestre, ante o mesmo período de 2014.
  • Foi registrada uma movimentação de 553.447 pessoas nos primeiros três meses, segundo divulgação feita pela Infraero, administradora dos aeroportos brasileiros.
  • Em relação ao mês de março, foram registrados 80.345 embarques contra 75.867 desembarques.
  • Por outro lado, o setor turístico alagoano vem aumentando sua participação na economia. Segundo o Ministério do Trabalho, os estabelecimentos ligados ao turismo representam 10,25% do total dos empreendimentos comerciais de Alagoas.
  • O Estado conta, no total, com 31.062 estabelecimentos comerciais, sendo 3.342 ligados ao segmento turístico.
  • Em termos de empregos, o turismo garante 29.456 dos 509.125 empregos formais registrados em Alagoas no ano de 2013, data do último levantamento concluído.