<![CDATA[ Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas ]]> <![CDATA[Tribuna Independente une tecnologia e praticidade com o uso de QR Code]]> Meio de interação entre mídias impressas e digitais, o QR Code começa a ser utilizado no Jornal Tribuna Independente a partir da edição deste fim de semana (14 e 15 de fevereiro). O código poderá ser acessado por meio de aparelhos celulares com câmera fotográfica e aplicativo instalado e traz praticidade aos leitores do jornal.

Marilene Canuto, diretora comercial da Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos de Alagoas (Jorgraf), explica a implantação da interface. Segundo ela, o uso da tecnologia atende às demandas do mercado e faz parte de um cronograma de projetos que serão implantados este ano.

“São avanços, tendências de mercado, demanda e ganho. O QR Code trará ganho principalmente para quem fará uso dele, pela facilidade e velocidade do direcionamento para se chegar à informação através da internet. A Cooperativa Jorgraf, tendo como produtos o jornal Tribuna Independente, o portal TribunaHoje.com e a Gráfica Tribuna, não pode ficar alheia aos avanços e tendências do mercado principalmente em se tratando de tecnologias”, explica.

Primeira edição com o QR Code traz o código do lado direito do nome do jornal

Ainda segundo Marilene, as novidades não param por aí. No ano que a Cooperativa Jorgraf completa uma década de formação, os projetos estão aos poucos ‘saindo do papel’ para atender ainda melhor o público.

“Nossos parceiros sejam anunciantes, fornecedores, poder público, como também os anônimos que nos prestigiam assinando o nosso jornal tendo a comodidade de recebê-lo em casa logo cedinho terão agora muito mais conteúdo”.

Conteúdo sincronizado é precursor de novos projetos

Pensada como mais um caminho para o compartilhamento das informações, Flávio Peixoto, diretor financeiro da Jorgraf, afirma que a iniciativa demonstra o comprometimento da Cooperativa em adaptar os veículos de comunicação à atualidade. Além disso, oferta ao leitor/internauta a possibilidade de consumir cada vez mais conteúdo com ganho de tempo e informações.

“Com o código trazemos o nosso leitor para a plataforma online. Isso representa que estamos atentos as novas formas de compartilhamentos e as diversas ferramentas existentes. Embora essa não seja uma tecnologia tão recente, era algo que não utilizávamos”, expõe.

Segundo Peixoto, outros projetos têm sido formulados com o intuito de promover uma dinâmica ainda mais produtiva no consumo das informações nos veículos Tribuna Independente e portal TribunaHoje.com.

“Isso acontece num momento importante, os 10 anos de formação da Jorgraf e mostra para o nosso público que não paramos de investir, estudar e pensar em um veículo acessível, moderno e formatado para o leitor do futuro”.

Uso da ferramenta

Com a edição impressa em mãos o leitor da Tribuna Independente deve utilizar um aparelho smartphone para o escaneamento do código. Antes é necessário instalar um aplicativo de leitura do QR Code, os aplicativos variam de acordo com o sistema operacional dos aparelhos. Para saber qual é o mais indicado basta pesquisar ‘QR CODE’ nos aplicativos de compras nos smartphones. Algumas opções são o QR Code Reader para Android e Windows Phone, além do QR Reader para iOS.

Ao fim da instalação do aplicativo, é preciso direcionar a câmera do aparelho celular no código localizado no canto superior do jornal e o aparelho fará a leitura e o redirecionamento das informações.

O QR Code surgiu na década de 1990 a partir da iniciativa de uma empresa japonesa para identificar peças na indústria automobilística. Aos poucos, começou a ser utilizado na conversão e disseminação de informações.  

“Os QR Codes tem sido usados em quase todos os livros, revistas, e campanhas publicitárias, e agora faz parte da história dos 10 anos da Cooperativa Jorgraf”, diz Marilene Canuto.

No Brasil, o código tem sido utilizado com frequência em mídias impressas com o objetivo de converter informações extras aos leitores. Na última quinta-feira, 12, a Receita Federal do Brasil (RFB) autorizou, por meio de publicação no  Diário Oficial da União, uma nova versão do documento de Cadastro de Pessoa Física (CPF) com QR Code no verso. 

]]>
<![CDATA[Facebook quer ler seus pensamentos e transformá-los em atualizações]]> O Facebook está trabalhando em um novo projeto capaz de ler seus pensamentos. Em anúncios de empregos, a companhia revela um empreendimento secreto de “neuroimagem” e “dados eletrofisiológicos”.

De acordo com o site Business Insider, a empresa está buscando profissionais para trabalhar em uma plataforma de comunicações do futuro. Apesar de não haver definições nas descrições das vagas, Mark Zuckerberg já disse, uma vez, que acredita que as pessoas conseguirão compartilhar pensamentos com os amigos no futuro.

“Um dia, eu acredito que nós poderemos enviar pensamentos usando a tecnologia. Você só vai ser capaz de pensar em algo e seus amigos imediatamente serão capazes de experimentá-lo também, se você quiser”, afirmou o CEO, em uma sessão de perguntas e respostas.

A previsão de criação do novo produto é de dois anos e deve acontecer no Building 8, uma espécie de “Google X” do Facebook, divisão secreta da empresa que, segundo Zuckerberg, vai conectar mundos físicos e digitais.

]]>
<![CDATA[Empresa com serviço similiar ao Uber, Yet Go inicia operação em Maceió neste mês]]> O transporte em Maceió deve ter mais uma novidade no final de janeiro. Trata-se do aplicativo Yet Go, empresa de origem brasileira, que oferece serviço parecido ao do Uber. De acordo com a empresa, os interessados em participar já podem se cadastrar desde a última semana. Do início dos cadastros até a liberação do serviço para os usuários, o aplicativo costuma levar 15 dias.

Após a etapa de cadastro, os postulantes a participar do Yet Go como condutores passam por análise de documentação tanto do motorista quanto do veículo. Assim como o Uber, o histórico criminal é verificado e faz parte da ‘peneira’.

Um balanço da empresa diz que a atuação no Brasil já chega próximo ao número de 100 cidades, contando com várias capitais. A empresa espera que a atuação dobre em 2017. Segundo a assessoria, só o desenvolvimento da plataforma custou?R$ 5 milhões. Para desenvolver o sistema, os criadores da empresa levaram em conta a plataforma de diferentes serviços em várias partes do Brasil e em outros países.

A Yet Go cita como ‘carro-chefe’ o preço ser até 40% menor que em outros serviços e aplicativos. A tarifa dinâmica, cobrada pelo Uber e que gerou muita reclamação de clientes na capital alagoana, não será cobrada pela nova plataforma. Eles também não cobram tarifa de cancelamento por desistência da corrida. Condutores e usuários também podem entrar em contato no 0800 que funciona com atendimento 24 horas.

A diferença do Yet Go para o Uber é que a plataforma nova vai atuar com quatro tipos de veículos. O Uber em Maceió, por exemplo, tem o UberX que conta com carros comuns. Em outras cidades, o Uber tem o Uber black, com veículos de luxo. Já o Yet Go vai operar com quatro categorias de carros: comum, luxo, táxi e moto-táxi. Cada uma com taxas diferentes do mais caro, luxo, até o mais barato, moto-táxi.

O Yet Go deve iniciar as atividades na capital alagoana já aceitando pagamentos em cartão e dinheiro.

Interessados em realizar cadastro devem baixar o aplicativo Yet Go Prestador e seguir as instruções. A partir disto, os contatos serão realizados via email.

Usuários podem baixar o Yet Go para Android e iOS.

]]>
<![CDATA[Confira 10 fatos pouco conhecidos sobre o iPhone]]> Nesta segunda-feira, 9, o iPhone completa 10 anos de sua primeira aparição pública. Nesse mesmo dia, en 2007, Steve Jobs subiu ao palco da Macworld Expo para apresentar o que ele dizia ser mais uma revolução no mercado de produtos eletrônicos.

Nessa não tão longa história que inclui bem mais do que 10 versões, o iPhone guarda alguns segredos que nem todos os fãs da marca conhecem. Confira abaixo algumas dessas curiosidades:

1 - O iPhone "original"

Como toda empresa de tecnologia, a Apple também usou um codinome para esconder o desenvolvimento do primeiro iPhone de bisbilhoteiros. Internamente, o dispositivo era chamado de Project Purple 2. O "Purple 1" foi a primeira tentativa da Apple de lançar um telefone, em 2002, mas o projeto acabou suspenso por motivos desconhecidos.

2 - O iPhone 3G

Nem todos sabem, mas o primeiro iPhone a ser lançado oficialmente em terras brasileiras foi o iPhone 3GS. A primeira geração passou longe do Brasil, mas a segunda chegou por aqui em 26 de setembro de 2008. O celular era vendido apenas pela Vivo e pela Claro, e custava entre R$ 899 (versão pós-paga da Vivo, com 8GB de memória interna) e R$ 2.599 (versão pré-paga da Claro, com 16GB).

3 - O iPhone 3GS

A terceira versão do iPhone foi também a primeira a repetir o nome da geração anterior adicionando apenas uma letra "S" à marca. O iPhone 3GS chegou ao mercado em 2009 e, segundo Phil Schiller, vice-presidente de marketing da Apple, o "S" está ali representando "speed", que significa "velocidade". Ou seja, o 3GS era uma versão mais rápida do iPhone 3G. Desde então, cada upgrade de geração vem com a letra S marcando a mudança (iPhone 6 para o 6s, por exemplo).

4 - O iPhone 4

O ano de 2010 marcou a chegada da quarta geração do iPhone: o iPhone 4. Entre as novidades dessa versão estava um reforço no vidro que compõe a tela do aparelho. Segundo a Apple, o material era o mesmo usado em janelas de helicópteros. Curiosamente, porém, a empresa chegou a ser vítima de um processo coletivo pela suposta fragilidade dessa tela.

5 - O iPhone 5

O iPhone 5 foi o primeiro celular da Apple lançado sob o comando de Tim Cook, embora Steve Jobs tivesse trabalhado no design dele enquanto ainda era vivo. Na época do lançamento do iPhone 5, em setembro de 2012, a Apple vendia-o como "a maior coisa a acontecer com os iPhones desde o iPhone".

6 - O iPhone 6

Os iPhones 6 e 6 Plus foram os primeiros modelos em muito tempo a mexer no tamanho da tela dos iPhones. Se nos dispositivos anteriores as telas tinham quase sempre quatro polegadas, o iPhone 6 tinha uma tela de 4,7 polegadas; o 6 Plus, por sua vez, trazia uma tela de 5,5 polegadas. Foi uma maneira da Apple apostar na tendência de celulares maiores, mas manter suas opções abertas caso a moda não pegasse. Não foi só a tela que aumentou: eles também foram os primeiros iPhones a ter opções de 128GB de armazenamento.

7 - O iPhone 6s

Mantendo a tendência de lançar iPhones em dois tamanhos diferentes, a Apple lançou em setembro de 2015 os iPhones 6s e 6s Plus. Eles foram os primeiros iPhones que não tiveram qualquer contribuição de Steve Jobs, o cofundador e ex-presidente da empresa, que morreu em 2011.

8 - O iPhone SE

Em março de 2016, a Apple resolveu voltar ao formato de quatro polegadas com o iPhone SE. Segundo Phil Schiller, o vice-presidente de marketing da Apple, a sigla significa "Special Edition" (edição especial), o que faz sentido, porque de certa maneira o retorno ao formato menor é um caso "especial" para a Apple. A medida pode ter sido pensada pela empresa como uma tentativa de "dar uma forcinha" às vendas de iPhone lançando um dispositivo menor e mais barato que usuários de iPhones 5s e anteriores poderiam comprar como uma ótima atualização a seus aparelhos.

9 - O iPhone 7

Os últimos iPhones que a Apple lançou, em setembro de 2016, foram o iPhone 7 e o 7 Plus. Além das tradicionais melhorias de performance, eles também acabaram com um dos principais problemas dos iPhones: a falta de espaço. Eles foram lançados em versões de 32GB, 128GB e 256GB, acabando de vez com os smartphones de 16GB da Apple. Àquela altura, a Apple era a única empresa a lançar celulares com memória não-expansível de 16GB, então a mudança foi muito bem-vinda. Os iPhones 6, 6 Plus, 6s e 6s Plus também se beneficiaram da mudança, já que eles começaram a ser vendidos em tamanhos de 32GB, 64GB e 128GB.

10 - Bônus: o relógio dos iPhones

Em toda peça de marketing, imagem promocional, foto de divulgação ou comercial, o iPhone (não importa sua versão) sempre aparece exibindo o mesmo horário: 9:41 da manhã. Não é coincidência e nem um número jogado aleatoriamente. Segundo Scott Forstall, um dos chefes da equipe que desenvolve o iOS, todas as apresentações de novos produtos da Apple são organizadas para começar às 9h da manhã (horácio local) e para que o produto seja mostrado pela primeira vez sempre 40 minutos depois. "Quando a grande imagem do produto aparece na tela, queremos que o horário seja próximo ao horário real nos relógios do público", explica o executivo.

]]>
<![CDATA[Facebook pode incluir propaganda no meio dos vídeos]]> Não gosta de publicidade no Facebook? Ela pode ficar ainda pior. Rumores indicam que a rede social está testando um formato de anúncio que é reproduzido no meio dos vídeos.

As novas propagandas começam a ser reproduzidas aos 20 segundos de vídeo. Elas não funcionariam também em gravações caseiras de usuários, mas naquelas profissionais.

A empresa não comentou o caso ainda, mas já havia levantado a possibilidade de ampliar a publicidade no site em 2017, em uma tentativa de aumentar seus lucros.

Caso se comprove, a novidade pode contribuir para que o número de vídeos no Facebook aumente e, além disso, para uma melhora na qualidade do que é veiculado, já que a atenção do usuário teria que ser despertada por mais tempo.

]]>
<![CDATA[Smartphones de menos de R$ 100 serão lançados em breve]]> Para muitos consumidores, os smartphones estão cada vez mais caros. No entanto, o mercado indiano deve receber em breve modelos de US$ 30 (R$ 96) ou até mais baratos.

Segundo reporta o Economic Times, o governo da Índia se reuniu com fabricantes de celulares locais, incluindo Micromax, Intex, Lava e Karbonnv, para negociar a possibilidade de reduzir o preço-alvo dos smartphones.

Com valores abaixo de US$ 30, mais pessoas no país seriam capazes de adquirir um celular com acesso à internet e o governo espera que isso possa impulsionar o uso das carteiras móveis e outras formas de pagamento eletrônico.

Atualmente, a Índia tem mais de 260 milhões de usuários de smartphones e a previsão é de que os fabricantes locais vendam de 20 milhões a 25 milhões de smartphones nos próximos meses.

]]>
<![CDATA[Telegram passa a oferecer opção de apagar mensagens enviadas]]> Enviou uma mensagem e se arrependeu? Agora os usuários do Telegram não terão mais esse problema. A plataforma liberou um recurso que permite apagar as mensagens enviadas em até 48 horas.

Com a função, as mensagens apagadas desaparecem tanto do aparelho de quem enviou quanto do de quem recebeu. Por permitir apagar mensagem de até dois dias antes, o aplicativo não impede que o outro usuário visualize a mensagem antes de ela ser apagada, por isso, é preciso ficar atento à confirmação de leitura do aplicativo, caso o objetivo seja evitar que o outro leia o que você enviou.

Para apagar uma mensagem, basta pressionar até ela ser selecionada e tocar na tecla “backspace”. Uma janela de confirmação aparecerá, marque a opção “Apagar para [nome da pessoa]“ e toque em “OK”.

Rumores indicavam que o WhatsApp também está avaliando oferecer o recurso para os seus usuários. No entanto, a empresa ainda não confirmou se isso realmente vai acontecer.

]]>
<![CDATA[Zenfone 3 Zoom promete câmera e bateria poderosas, mas decepciona]]> Zenfone 3 Zoom: eis o nome do novo celular da Asus, anunciado durante a feira de eletrônicos de Las Vegas, a CES 2017. O TechTudo foi até Las Vegas, nos Estados Unidos, para conhecer de perto o smartphone com promessa de câmera poderosa, além de uma bateria que pode colocar inveja nos principais concorrentes.

Logo de cara, a surpresa ficou por conta do design do Zoom. A fabricante de Taiwan apostou numa traseira em preto fosco, com as bordas arredondadas, que em muito lembra o iPhone 7 Plus. A posição da câmera dupla, em especial, faz com que o Zenfone 3 Zoom pareça uma cópia do celular da Apple.

Ao pegar o dispositivo nas mãos, um dos pontos que chamam a atenção é o peso: 170 gramas. A diferença de 18 gramas em relação ao Plus ficou perceptível, pois o Zenfone 3 Zoom se tornou extremamente leve, se levarmos em consideração que é um telefone com tela de 5,5 polegadas – com resolução Full HD e painel AMOLED.

Nos nossos testes, o celular mostrou-se rápido ao executar tarefas. O desempenho se deve ao processador Qualcomm Snapdragon 625 e à memória RAM de até 4 GB. Porém, a câmera foi justamente o que causou espanto no primeiro contato com este novo produto. A Asus posiciona o 3 Zoom como um celular “para fotografia”. A câmera dupla está ali para fornecer um zoom ótico de 2,3x, em tese mais poderoso do que o zoom do iPhone 7 Plus, que está limitado a 2,0x.

O usuário encontra, no aplicativo de câmera, um botão que permite ajustar o zoom. Ao ultrapassar a marca de 2,3x, que é quando o dispositivo faz a troca automática de câmera, houve uma diferença brutal nas cores que aparecem na imagem. Uma paisagem que puxava para tons de amarelo quando o celular estava sem zoom, repentinamente ficou avermelhada quando chegou ao zoom de 2,6x.

A impressão que fica é que foram escolhidos sensores de imagem de empresas diferentes e não houve o ajuste fino posterior, para regular a captura de cores. O comportamento é completamente diferente do visto na principal referência em smartphone com câmera dupla do mercado, o iPhone 7 Plus. No modelo da Apple, por mais que o usuário aplique zoom, não é perceptível que o smartphone trocou da câmera grande angular pela teleobjetiva. Por sua vez, o Zenfone 3 Zoom parece bugado.

O sistema de dual camera do Zenfone 3 Zoom é composto por uma câmera principal de 12 megapixels, 25 mm, com abertura f/1.7 e sensor fornecido pela Sony. Já a câmera “de zoom”, como eles chamam, é uma 59 mm também com captura de imagens em 12 megapixels, abertura f/2.6 e zoom ótico de 2,3x. O zoom digital ultrapassa os 12x, mas seu uso não é recomendável porque acarreta perda de qualidade da foto. A câmera frontal, para selfies, tem 13 megapixels e abertura f/2.0.

Outro destaque do Zenfone 3 Zoom é a bateria de 5.000 mAh. A especificação técnica faz do celular uma opção para quem quer ficar longe da tomada durante o dia todo. Ainda é preciso checar se o telefone realmente cumpre o que promete, mas ao menos o número apresentado pela Asus já chama a atenção. O indicador de mAh representa a quantidade de energia que a bateria do telefone é capaz de armazenar.

A Asus informou que não tem previsão de início das vendas do Zenfone 3 Zoom no Brasil. O preço dele também não foi anunciado.


]]>
<![CDATA[Como impedir que estranhos comentem seus posts no Facebook]]> Por padrão, o Facebook permite que qualquer pessoa, mesmo que não seja seu amigo na rede social, comente em seus posts. Isso pode ser um inconveniente para aqueles usuários que desejam um pouco mais de privacidade nos seus posts, mesmo quando públicos no Facebook.

No tutorial a seguir, você irá aprender os passos para impedir que pessoas desconhecidas comentem nas suas postagens no Facebook e, dessa forma, ganhar mais privacidade. Veja como configurar o seu perfil.

Passo 1. O primeiro passo é acessar as configurações do seu perfil no Facebook, como mostra a imagem abaixo. Basta clicar na seta do canto superior direito e depois clicar em “Configurações” no menu suspenso que aparecer;

Acesse as configurações de seu perfil (Foto: Reprodução/Helito Bijora)

Acesse as configurações de seu perfil (Foto: Reprodução/Helito Bijora)

 

Passo 2. Na página de configurações clique em “Publicações públicas”, na coluna da esquerda e, nesta seção, clique pelo item “Comentários em publicação pública”. Clique em “Editar” logo em seguida;

Vá para as configurações de comentários públicos (Foto: Reprodução/Helito Bijora)

Vá para as configurações de comentários públicos (Foto: Reprodução/Helito Bijora)

 

Passo 3. Agora, em “Comentários em publicação pública” mude a configuração para “Amigos”, como mostra o print abaixo.

Mude a visibilidade de seus posts (Foto: Reprodução/Helito Bijora)

 

Pronto! Agora estranhos não mais poderão comentar em seus posts no Facebook e você ganha um pouco mais de privacidade.

]]>
<![CDATA[Uber fica mais caro em todo o país a partir desta sexta; entenda]]> De acordo com um comunicado enviado para os motoristas, a nova tarifa, batizada de “Custo Fixo”, irá “ajudar a apoiar iniciativas de segurança para motoristas parceiros e usuários, além de outros custos operacionais”.

A companhia diz ainda que o valor será aplicado com o objetivo de “manter o crescimento saudável da plataforma em nosso país”. Os motoristas, no entanto, não receberão parte do valor. Hoje, a empresa fica com 20% ou 25% do valor de cada corrida e o restante é pago ao parceiro.

Na nota, o Uber não especifica quais são essas iniciativas de segurança, nem detalha os custos operacionais. Aparentemente, a empresa precisa tapar alguns buracos nas suas contas, já que vem acumulando grandes perdas. O Uber teve prejuízo de US$ 1,27 bilhão no primeiro semestre de 2016 e grande parte desse rombo é causado pelo repasse aos motoristas.

Na América do Norte, eles abaixaram as tarifas para atrair novos clientes e começou a tomar uma percentagem maior das corridas (até 30%). A estratégia por aqui será o “Custo Fixo”.

Enquanto isso, a 99 (antes 99Taxis) recebeu um aporte financeiro da chinesa Didi, empresa que comprou o Uber no país asiático depois de uma intensa disputa de preços. Desde agosto, a Didi controla a marca, as operações e os dados do Uber na China. O investimento deve tornar a concorrência mais agressiva entre os serviços.

O UberX, categoria mais barata, tem preço base de R$ 2 e cobra R$ 1,40 por quilômetro rodado e R$ 0,26 por minuto de viagem, desconsiderando a tarifa dinâmica. Na cidade de São Paulo, são cobrados ainda R$ 0,10 por cada quilômetro rodado, valor recolhido pela prefeitura.

O valor mínimo de uma viagem no Uber era de R$ 4. Com a nova taxa, o valor mínimo passa a ser de R$ 4,75.

Esta foi a mensagem enviada pelo Uber aos motoristas:

“Ao longo do ultimo ano, você e motoristas parceiros de todo o Brasil espalharam a mágica experiência que é ter uma alternativa confiável e moderna para se locomover pelo nosso país.

Cada vez mais pessoas utilizam o Uber e diariamente e, para manter o crescimento saudável da plataforma em nosso país, será cobrado do usuário R$ 0,75 a partir de 6 de janeiro de 2017.

Vale lembrar que o Custo Fixo não será descontado de seus ganhos. Para você, permanece tudo igual.

Este custo fixo é uma cobrança que será feita a cada viagem. O custo fixo adicional ajudará a apoiar as iniciativas de segurança para motoristas parceiros e usuários em todas as cidades que operamos.”

]]>