<![CDATA[ Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas ]]> <![CDATA[Alunos de Arquitetura elaboram projetos para pontos de ônibus na Ufal]]> Os usuários do transporte público coletivo no Campus A.C. Simões ganharam um importante aliado visando adequação de pontos de ônibus instalados nas vias centrais. É que alunos do primeiro período do curso de Arquitetura e Urbanismo da Ufal elaboraram projetos que contemplam:  aspectos estéticos da arquitetura dos citados espaços; percepção das relações das edificações com o entorno de suas localizações; problematização das vias de circulação de veículos e pedestres; e acessibilidade dos aspectos de conforto ambiental, como ventilação e iluminação. A concretização dos projetos referentes à construtibilidade e à segurança dos usuários, também faz parte dos estudos elaborados.

A atividade integra a disciplina Projeto Arquitetônico 1 ministrada pelas professoras Suzann Cordeiro e Morgana Duarte, e envolve 43 alunos recém-chegados ao curso. Suzann coordena o Núcleo de Estudos de Projetos Especiais (Nupes) e Morgana participa do Grupo de Projetos Arquitetônicos (Gepa) de Arquitetura. “Para desenvolver um projeto arquitetônico de pequena complexidade, como são os pontos de ônibus, os alunos foram divididos em seis equipes e são alvos dos estudos seis espaços no campus: o Caic [na entrada], Biblioteca Central, Instituto de Matemática, Faculdade de Direito, Faculdade de Serviço Social, e Núcleo de Desenvolvimento Infantil”, adiantou Suzann.

A professora acrescenta que a atividade acadêmica é dotada de duas etapas, sendo a primeira já concretizada, com a construção de seis maquetes físicas a serem distribuídas conforme o ponto de ônibus, alvo do projeto. “Na segunda-feira [dia 21], as maquetes serão instaladas em escala real e a observação do uso, de 7h30 às 17h30. Como observação, os alunos irão filmar, fotografar e observar os usos dos espaços para verificar se o projeto concebido é viável, de fato, para propostas de intervenção futura. Esperamos, portanto, que a comunidade usuária colabore com a atividade do dia 21”, enfatizou.

Suzann adiantou que no dia 28 deste mês está definida uma Mostra das avaliações obtidas na segunda etapa do projeto. Será na Sala de Exposição da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), de 7h30 às 17h30, no Campus A. C. Simões.

]]>
<![CDATA[Comissão de licitação da Ufal faz concorrência para lanchonetes e restaurantes]]> A sessão pública para abertura dos envelopes de documentação para concorrência aos 14 espaços públicos da Ufal nos três campi iniciou às 10h desta quinta-feira(17), na sala de reuniões do Conselho Universitário. Foram recebidos 13 envelopes de candidatos aos espaços oferecidos no edital de Concorrência Pública n° 02/2016, que foi publicado em julho deste ano e disponibilizado no Portal da Transparência da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). A sessão foi conduzida pelo engenheiro da Superintendência de Infraestrutura (Sinfra), Fernando Coelho, que é presidente da Comissão Permanente de Licitação da Ufal.

O edital ofereceu a cessão de cantina nos prédios da Faculdade de Letras (Fale), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (Feac), Institutos de Física (IF) e de Química e Biotecnologia (IQB), bloco João de Deus, Cento de Interesse Comunitário (CIC) e Comunicação Social (COS), além de restaurantes na Faculdade de Direito de Alagoas (FDA), Centro de Educação (Cedu) e antigo Csau, no Campus A.C. Simões. No interior, foram licitados a cantina de Palmeira dos Índios e os restaurantes de Arapiraca e Delmiro Gouveia.

Na sessão pública, os concorrentes entregaram dois envelopes, um com os documentos contendo a habilitação jurídica da empresa e outro com as propostas de preço. Essa foi a primeira licitação de espaços públicos dessa Gestão. "O processo é importante porque garante uma concorrência pública e transparente para os espaços da Ufal, oferece aos estudantes e frequentadores dos campi uma ampliação das opções de alimentação, com qualidade. Além disso, como a concorrência é para quem oferece o melhor lance, a Universidade garante uma receita necessária nesse período de corte de verbas e contingenciamento", pondera Diogo Ferraz, gerente de Serviços Gerais da Sinfra.

A concorrência vai permitir a ocupação de espaços com tamanhos e preços diversos, sendo o menor preço o da Cantina do prédio João de Deus, que tem um lance mínimo de R$ 240, até o Restaurante da Esenfar (antigo Csau), com lance inicial de R$ 1.870. Os envelopes com a documentação serão avaliados pela comissão de licitação, para verificar se tudo está de acordo com os critérios do edital. Após esta avaliação, os concorrentes habilitados serão convocados para abertura das propostas de preços. Só após esta fase, será divulgado o resultado final.

]]>
<![CDATA[Capacitação para o método canguru deixa equipe do HU mais humanizada]]> Com o intuito de preparar os profissionais da saúde que lidam diretamente com partos e recém-nascidos prematuros e de baixo peso, o Hospital Universitário capacita a equipe para o Método Canguru. A preparação faz parte do programa Rede Cegonha, do Sistema Único de Saúde (SUS) e a última turma participou da capacitação entre os dias 7 e 10 de agosto.

O método se caracteriza pela atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso. A neonatologista Ana Maria, explica que o nome do projeto se refere aos primeiros contatos afetivos da mãe com o bebê. “Com esse método, crianças de muito baixo peso recebem tratamento individualizado, voltado para as peculiaridades de cada um. Um outro aspecto é que a equipe não se volta para tratar somente do recém-nascido, mas sim da mãe e do bebê em conjunto, sem separá-los, pois, o projeto visa o vínculo e o aleitamento materno”, explica.

A fisioterapeuta Jayanna Salgueiro, que faz parte da Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) Neonatal, alega que a capacitação vem proporcionando o fortalecimento do trabalho em equipe, além de trazer uma maior percepção e um diálogo com a mãe. “Eu vou poder usar a minha presença no setor de forma mais humana, principalmente em relação ao cuidado com a mãe. Aumentou muito o meu conhecimento, em coisas que eu não sabia ou não tinha noção”, relata.

De acordo com a coordenadora estadual do Método Canguru, Sirmani Melo Frazão, é exigido pelo Ministério da Saúde que pelo menos 80% dos funcionários que lidam com bebês necessitam estar treinados no Método Canguru. Na realização do curso, além da participação de profissionais do HU, houve o apoio da equipe da Maternidade Escola Santa Mônica, que é considerado um hospital de referência estadual no método e possui tutores formados.

A capacitação no HU

Em sua terceira edição e com carga horária de 24 horas, o curso é voltado para toda a equipe, desde técnicos de enfermagem a médicos. Ana Maria frisa a importância da participação de todos os profissionais da área: “É bem interessante porque na capacitação toda a equipe tem o mesmo peso, pois assim nós conseguimos garantir uma boa assistência, sem necessidade de haver hierarquia. Por esse motivo o curso é oferecido para profissionais variados que fazem parte do grupo”.

Durante o curso, os profissionais participam de diversas dinâmicas, e conforme a neonatologista, isso traz uma maior aproximação da equipe. São tratados aspectos comportamentais dos recém-nascidos e também o impacto que uma falha do especialista pode causar na vida da criança e da mãe. “A gente mostra para a equipe que o recém-nascido sente dor, é sensível, que ele precisa da presença dos familiares, e o principal: que ele não é um objeto, é um ser vivo”, destacou Ana Maria.

A oficina Estações para treinamentos de cuidados humanizados é uma das atividades realizadas durante o curso, ela envolve estações de aleitamento materno, de banho humanizado, de peso humanizado, entre outras, como aulas para alertar na dor e estresse do recém-nascido.

Mudanças na equipe e na família

“A gente introduz a mãe para o cuidado, ensina, dá apoio, alerta o profissional para ser mais claro e otimista na passagem dos boletins diários, e vai fazendo com que a mãe tenha vínculo com a criança, que só existe quando ela a enxerga”, declarou a neonatologista, que defende que apesar de a capacitação ser realizada com os profissionais, as famílias também saem ganhando. “Acontece de uma criança estar em estado grave e a mãe não a vê como viável e se aproxima menos, porém o que faz o amor é a aproximação, e quanto mais a gente conhece, mais a gente ama. E nós podemos ajudar nesse processo”, finalizou.

Jayanna Salgueiro concorda com a colocação. De acordo com ela, muitas vezes o profissional foca muito no bebê interno, e esquece de observar a mãe também, que quer falar, se expressar, mas com o “corre-corre” da equipe acaba não tendo a devida atenção.

Segundo Ana Maria, após o curso, os profissionais da Unidade Neonatal mudam o comportamento, pois eles são sensibilizados a isso. “Eles passam a ter mais cuidado com ruídos, no manuseio, e no sono do recém-nascido, que é muito importante para que haja a migração e o amadurecimento dos neurônios”, contou.

A Rede Cegonha

A Rede Cegonha é um programa proposto pelo Ministério da Saúde e visa a melhoria do atendimento humanizado à gestante, ao parto, ao pós-parto e do recém-nascido até crianças com até dois anos de idade. O objetivo central é buscar a redução da mortalidade materna e infantil com ênfase no componente neonatal, além de orientar os pais dos bebês para planejamento familiar.

]]>
<![CDATA[Inscrições para a Olimpíada Brasileira de Física terminam nesta quinta-feira (17)]]> As inscrições para a Olimpíada Brasileira de Física das Escolas Públicas (OBFEP) 2017 encerram nesta quinta-feira (17). Professores podem inscrever suas unidades pelo link http://www.sbfisica.org.br/~obfep/inscricoes-obfep-2017/.

Podem participar da competição de estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental, além dos 1ª e 2ª séries do Ensino Médio das redes públicas municipais, estaduais e federais.

De acordo com o responsável pela OBFEP na rede estadual, Ronaldo Cristiano, a olimpíada traz resultados importantes à escola, ao professor e principalmente ao aluno.

“Na OBFEP, o principal não é a competição em si. Num evento como esse, todos ganham: a escola, sendo reconhecida por cumprir seu papel; o professor, registrando seu cadastro na Sociedade Brasileira de Física, com acesso a formações e certificação de coordenação da olimpíada; e principalmente nossos estudantes, que além da premiação, têm o ganho cognitivo, somando conhecimento, experiências e despertando para as áreas de exatas”, afirma Ronaldo.

Meta

Segundo o professor Ronaldo, a meta da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) é manter ou aumentar o número de unidades participantes de 2016, com 132 escolas da rede. Até o momento, 50% deste total já confirmou a participação. “Estamos monitorando as inscrições e até o momento somamos 63 escolas inscritas pela rede estadual”, declara.

Formação

A Seduc realizará simulados preparatório para a primeira fase da prova, marcada para 24 de agosto, e formações para a segunda fase. “Estamos concluindo o simulado, que será aplicado nas escolas participantes antes da prova da primeira fase, e oferecerá formação da parte teórica aos professores e alunos, além de oficinas experimentais preparatórias, ambas para a segunda fase”, declara Ronaldo.

 

]]>
<![CDATA[Inscrições para projeto ambiental que estimula interação com bioma]]> A Fundação SOS Mata Atlântica acaba de abrir as inscrições para o projeto Aprendendo com a Mata Atlântica – Oficinas Criativas. O programa, viabilizado pela lei de incentivo cultural PROAC (Programa de Ação Cultural), busca realizar atividades com alunos a partir do ensino fundamental, que estimulem a preservação da Mata Atlântica. 

Podem se inscrever instituições de ensino (alunos partir de 9 anos) e grupos individuais de, no máximo, 45 pessoas. A participação é gratuita e o cadastro deve ser feito até 18 de agosto, por meio do site https://goo.gl/forms/pKdDZrisTS3fsXyZ2. Como as vagas são limitadas, os inscritos receberão confirmação por e-mail até o dia 23 de agosto, quando serão agendadas as visitas. 

As oficinas serão realizadas no Centro de Experimentos Florestais SOS Mata Atlântica – HEINEKEN Brasil, em Itu, e conduzidas por educadores ambientais que foram formados pelos integrantes do projeto como artistas visuais, músicos e atores. “A partir das atividades de vivência na natureza e oficinas de materiais reutilizáveis, o projeto alia arte e meio ambiente, levando os participantes à reflexão sobre consumo consciente, uso dos recursos naturais e como podemos agir em busca de um ambiente mais sustentável. Esperamos receber cerca de 4 mil pessoas, em sua maioria estudantes da rede pública”, diz Kelly de Marchi, educadora ambiental da Fundação SOS Mata Atlântica. 

Além das oficinas de construção de instrumentos sonoros, brinquedos e bonecos a partir de materiais reutilizáveis, os participantes poderão conhecer o viveiro de mudas nativas, saber mais sobre a Mata Atlântica e fazer uma trilha interpretativa. 

Serviço
Inscrições: até o dia 18 de agosto (sexta-feira)
Local: Centro de Experimentos Florestais SOS Mata Atlântica – HEINEKEN Brasil (Rodovia Marechal Rondon, km 118,3 – Itu/SP)
Faixa etária: a partir de 9 anos, com acompanhante maior de 18 Informações e dúvidas: kelly@sosma.org.br ou (11) 4013-2551

Sobre Centro de Experimentos Florestais SOS Mata Atlântica - HEINEKEN Brasil


Criado em 2007, o centro conta com engenheiros florestais, biólogos, educadores e viveiristas. O viveiro tem capacidade de produzir 750 mil mudas de 110 espécies nativas da Mata Atlântica por ano, que são usadas em projetos na região e dentro da própria fazenda. Os projetos de restauração da ONG já foram responsáveis pelo plantio de mais de 36 milhões de mudas de árvores nativas – o equivalente à área de Recife. A recuperação da mata no local resultou em diversos benefícios, como duas nascentes que voltaram a verter água, somando-se às 17 já existentes, além do aumento de 140% no número de novas espécies de aves na antiga fazenda de café. Já o trabalho de sensibilização e educação ambiental envolve o público em geral nas questões ambientais por meio de atividades de visitação. 

Sobre a Fundação SOS Mata Atlântica
A Fundação SOS Mata Atlântica é uma ONG brasileira que atua há mais de 30 anos na proteção dessa que é a floresta mais ameaçada do país. A ONG realiza diversos projetos nas áreas de monitoramento e restauração da Mata Atlântica, proteção do mar e da costa, políticas públicas e melhorias das leis ambientais, educação ambiental, campanhas sobre o meio ambiente, apoio a reservas e unidades de conservação, dentre outros. Todas essas ações contribuem para a qualidade de vida, já que vivem na Mata Atlântica mais de 72% da população brasileira. Os projetos e campanhas da ONG dependem da ajuda de pessoas e empresas para continuar a existir. Saiba como você pode ajudar em www.sosma.org.br.

]]>
<![CDATA[Pesquisadores publicam artigo de referência sobre tratamento da febre chikungunya]]> Os pesquisadores do Grupo de Pesquisa Química Medicinal, que realiza planejamento, síntese e avaliação farmacológica de novos compostos para a produção de medicamentos, publicaram um artigo científico sobre química medicinal para o tratamento da febre Chikungunya. A pesquisa reuniu mais de 300 compostos sintéticos, semi-sintéticos e naturais que combatem os sintomas da doença no organismo humano.

A doença causa pelo vírus CHIKV e transmitida pelo mesmo mosquito da dengue, o Aedes aegypti, atingiu mais de 18 mil pessoas só em Alagoas, em 2016, segundo o boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde de Alagoas (Sesau). Diante da preocupação da população e dos médicos com o número de casos, quase tantos quanto os registros de dengue, a atenção dos pesquisadores voltou-se para o problema.

A proposta de reunir numa publicação todos os compostos que pudessem ser utilizados no tratamento da Chikungunya partiu do pesquisador Edeildo Ferreira da Silva-Júnior. "A nossa ideia foi criar uma enciclopédia de compostos químicos com atividade para a Chikungunya. É uma revisão, mas reúne 303 compostos agrupados em um único trabalho, tornando-se uma referência que contribui com outras pesquisas sobre o assunto", ressalta o pesquisador.

O artigo foi publicado em julho na revista Bioorganic & Medicinal Chemistry, da editora Elsevier, é assinado também pelos orientadores João Xavier de Araújo Júnior, da Esenfar, e Thiago M. Aquino, do Instituto de Química e Biotecnologia, além dos colaboradores Giovanni Leoncini e Érica Rodrigues. O periódico é referência em publicações de literatura médica e científica no mundo.

"A revista publicou nosso artigo em menos de uma semana, com destaque do resumo na capa. Os editores avisaram que a publicação ainda estará disponível esse mês por conta da quantidade de visualizações, comentários e citações do artigo", comemorou Edeildo.

Segundo o pesquisador, o artigo foi bastante acessado com a ferramenta  www.researchgate.net que é uma espécie de Google dos pesquisadores. "Esse banco de dados reúne trabalhos científicos do mundo inteiro e notifica os acessos. Nosso artigo foi consultado em países como China, Japão, Estados Unidos, Reino Unido, entre outros. Isto é muito importante para divulgar o nosso grupo de pesquisa para a comunidade científica internacional e a Ufal também ganha muito com essa visibilidade", destacou Edeildo.

O pesquisador Giovanni Ortiz Leoncini, doutorando em Química, também comemorou o resultado. "Os laboratórios nacionais e estrangeiros que pesquisam e produzem fármacos para o tratamento da Chikungunya atentaram para o nosso trabalho. Fizemos uma revisão bastante criteriosa para compostos com ação intracelular e extracelular, reunindo moléculas pontencialmente ativas para aplicação medicinal no tratamento da doença. Nosso artigo torna-se uma referencia para os especialistas nessa área", ressalta Giovanni.

Érica Rodrigues também está muito satisfeita com o amplo alcance atingido pelo artigo. Ela é recém-graduada em Farmácia, mas participa do grupo de pesquisa desde 2014, sob a orientação do professor João Xavier. "Para quem vai começar o mestrado, como eu, é um grande peso para o currículo já ter participado de um trabalho coletivo que resultou num artigo publicado em uma revista científica de referência. Sem dúvida, é um ótimo começo", comemorou a pesquisadora.

]]>
<![CDATA[Emoção toma conta da formatura de Engenharia Civil e de Produção da FAT]]> Cinco anos se passaram até o tão esperado momento da formatura. E o misto de saudade e alívio pela finalização de mais uma etapa na construção da carreira profissional foi vivido, durante essa semana, pelos alunos dos cursos de Engenharia Civil e Engenharia de Produção da Faculdade de Tecnologia de Alagoas (FAT) que participaram, na última quarta-feira (10.8), da solenidade de aposição de placa, realizada no auditório da FAT Barro Duro e, na última quinta-feira (11.8), da colação de grau, realizada no auditório do Colégio Contato. “O sentimento é de grande satisfação por, mais uma vez, cumprirmos nossa missão de formar profissionais efetivamente qualificados para o mercado de trabalho”, emociona-se a diretora executiva da FAT, Fátima Lippo, que conferiu o grau dos 44 formandos.

Um deles foi José Aldo Correia que trabalha como supervisor de planejamento e controle de manutenção de uma usina localizada no município de Coruripe (AL). “Todos os dias, saía do trabalho e viajava os 90 km para assistir às aulas, em Maceió. Depois, voltava para casa e, às 6h, tinha que estar de volta ao trabalho”, conta ele, que tinha um objetivo: ser promovido a engenheiro de planejamento e controle de manutenção. E ele conseguiu! “Estou aguardando apenas o diploma para realizar mais um sonho profissional. Agradeço a todos os professores pelo incentivo. As lições que aprendi durante o curso eu levarei para minha vida”, agradece ele que já se organiza para ingressar no curso de pós-graduação.

Conciliar a carga horária de trabalho com as aulas também não foi tarefa fácil para o Técnico em Edificações, Robério Melo. Mas ele também tinha um foco: a promoção para engenheiro do setor de assistência técnica da construtora onde trabalha. “Iniciei o curso em outra faculdade, mas descobri na FAT uma didática mais efetiva e professores mais preparados.  Hoje sei que fiz a melhor opção. É essa segurança, a certeza de que sou um profissional completo, que fez todo o sacrifício valer a pena! ”, conta ele.

“Assim como o Aldo, tenho certeza que todos da turma serão excelentes profissionais. Estamos muito felizes”, destaca a coordenadora do curso de Engenharia de Produção, Renata Correia. “Cada turma que se forma é uma emoção diferente. Prezamos, em todo o tempo, pela formação sólida e de qualidade. A sensação é de dever cumprido”, salienta Renilda Correia, coordenadora do curso de Engenharia Civil.

Sensação compartilhada pela administradora Sue Reginis de Carvalho que, há 5 anos, decidiu realizar o grande sonho de ser engenheira civil. “Também trabalho os dois horários e confesso que a jornada foi cansativa. Mas o suporte e incentivo que recebi aqui, tanto da coordenação do curso quanto dos professores, fez a diferença na minha formação e, graças a essa equipe, posso comemorar hoje a minha formação em Engenharia Civil”, conta, emocionada. O que falar do coração dos pais dos formandos, eles que acompanharam de perto o sacrifício dos filhos? Jô Barbosa, mãe da formanda Anyelle Barbosa, era só alegria. “Difícil conter as lágrimas nesse momento. Minha filha sempre foi guerreira, otimista, persistente e perfeccionista, e isso a ajudou muito durante o curso. Moramos em Arapiraca e, mesmo longe da família, ela nunca desistiu do sonho de ser Engenheira”, orgulha-se.  

“Agradeço, em nome da turma, a todos os professores que compartilharam conosco seus conhecimentos e nos auxiliaram na busca da realização plena do nosso ideal profissional e humano”, disse Viviane Agra, uma das oradoras da turma, durante a aposição da placa. Para Juliana Omena, diretora de ensino da FAT, a conclusão de uma turma é sempre uma grande alegria. “Comemoramos, junto aos alunos, o encerramento de mais uma jornada na educação. Essa é uma turma muito dedicada, com alunos preparados e, em sua maioria, já empregados ou com propostas de emprego na área. Como diretora de ensino é um orgulho fazer parte dessa história”, finaliza.

]]>
<![CDATA[Estudante vence sarau de poesias com homenagem à força do povo alagoano]]> A estudante Myrian Giovana Viana, aluna da 1ª série do ensino médio da Escola Estadual Moreira e Silva,  foi a vencedora do Sarau de Poesias Alagoas 200 anos que, este ano, foi a grande novidade do Encontro Estudantil da Rede Pública Estadual e que também integra a programação de atividades da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) em homenagem ao bicentenário de emancipação do estado.

 

Concorrendo com textos de todo o estados – selecionados a partir das edições regionais do sarau – Myrian venceu a competição com um texto que homenageia a força do povo alagoano e alguns filhos ilustres do estado, a exemplo de Graciliano Ramos, Nise da Silveira, Aurélio Buarque de Holanda e Djavan.

 

Com uma maturidade impressionante para a sua idade – tem apenas 15 anos – Myrian conta que começou a escrever a poesia em setembro do ano passado, motivada por familiares e professores.  “A mensagem que eu quis passar foi que os alagoanos, sejam os ilustres ou aqueles que lutam todos os dias para o desenvolvimento do estado, são as maiores belezas dessa terra que tem uma natureza tão bela. Alagoas é um conjunto de gente forte e mares alegres”, frisa a garota.

 

A estudante fala ainda sobre a sensação de ter vencido o sarau. “ É algo indescritível, pois tivemos produções belíssimas. Fico muito feliz por ter escrito algo que represente o amor dos cidadãos alagoanos pelo estado e muito grata por ter tido a oportunidade de mostrar o que escrevo”, diz a garota.

 

O poema  - Confira abaixo, na íntegra, a poesia de Myrian Giovana, vencedora do Sarau de Poesia Estudantil Alagoas 200 anos:

 

Alagoas,

Brado o amor do teu povo,

Louvo tua glória ao lutar;

Mãe dos filhos sem pais

Que lutaram por paz

Até pouco aguentar.

Dandara,

Zumbi,

João,

Pisaram em teu chão

Cravando na terra

O peso de um lutar.

As armas da tua guerra

São tuas belezas,

Que clareiam os olhos

No amor do sol

Por teu mar.

Mu declamar hoje é infindo

Graças aos teus filhos,

Que divergindo de dialetos

Criaram certos conceitos

Para que a dor

Do meu peito

Eu pudesse cantar.

Ó terra sereia!

É impossível não apaixonar-se

Pelo queimar de tuas areias,

Pelas tuas rendeiras,

Pela fogueira

Que é o abraço

Do teu povo lutador,

Estes esperam dias de glória

Pelo que um dia

Na memória,

Na história,

Carregou.

Índio

Por grito

E por cor,

É responsável

Pela tela

Que o nosso sangue pintou.

Linda terra,

Teu solo é palco

Do meu bradar,

Diante do teu amar

Toda vez há de gritar

O amor que tem

Por ti, quimera.

]]>
<![CDATA[Educadores de Traipu concluem cursos pelo Instituto Cidadão]]> Diretores de escolas, professores e funcionários do setor administrativo da Secretaria Municipal de Educação de Traipu participaram, de quarta-feira até este sábado, 12, de cursos de Redação Oficial e Atualização Ortográfica, ministrados pelo Instituto Cidadão e ofertados gratuitamente pela instituição.

A iniciativa da Gestão do prefeito Eduardo Tavares teve como objetivo garantir as condições para o pleno desenvolvimentos dos funcionários do município. Desta vez, os cursos foram direcionados ao pessoal da Educação, setor estratégico do município.

Durante a realização do curso, o prefeito Eduardo Tavares reafirmou seu compromisso com a recuperação de Educação em Traipu.

"É uma questão de vontade política e de priorização deste pilar tão importante de sustentação social que é a Educação”, enfatizou o prefeito Eduardo Tavares.

“Haveremos de tirar Traipu do marasmo em que se encontra, mercê da existência de políticas distorcidas e de ausência de foco nos investimentos sociais que se abateram no município ao longo de anos e anos”, destacou o prefeito, aproveitando para agradecer o empenho do secretário de Educação, Cristiano Machado Tavares, da secretária Executiva de Educação, Andreia Machado Reys, da assessora de Secretaria, Aparecida Souza, além do presidente do Instituto Cidadão, Pedro Oliveira.

Pedro Oliveira destacou a qualidade do curso e a garra dos participantes. Ele também enfatizou o compromisso da Gestão Eduardo Tavares com a recuperação e, consequente, desenvolvimento da Educação em Traipu.

O curso de Redação Oficial e Atualização Ortográfica, ocorreu durante quatro dias, e iniciou uma nova fase de ações voltadas para a capacitação permanente dos funcionários da Educação em Traipu. A secretária Executiva da Educação, Andreia Machado Reys, destacou a crescente motivação dos funcionários para transformar a educação em Traipu em uma das mais qualificadas de Alagoas.

]]>
<![CDATA[PM e Corpo de Bombeiros: alagoanos falam sobre expectativas para concursos]]> A rotina do professor de educação física Rodrigo Melo mudou desde que ele decidiu tentar uma vaga no serviço público alagoano. Aos 24 anos, o jovem está em uma verdadeira maratona de estudos para conseguir a aprovação nos concursos da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, anunciados recentemente pelo Governo do Estado.

Entre aulas no cursinho preparatório, resolução de questões em casa e a correria do trabalho, Rodrigo conta que manter o foco e a disciplina são medidas fundamentais para a aprovação. Segundo ele, as expectativas para a divulgação dos editais dos certames já eram grandes.

“Eu sou professor de educação física e tenho uma rotina bastante agitada por conta do trabalho. Apesar disso, em meio aos trancos e barrancos, consegui organizar meu tempo para entrar em um cursinho preparatório agora, mas a verdade é que já venho me preparando desde o começo do ano. Intensifiquei os estudos há cerca de dois meses, estudando em casa, resolvendo questões e priorizando algumas disciplinas”, conta o concurseiro que já participou de outros processos seletivos, a exemplo de certames para professor e para policial civil.

Segundo os editais divulgados pelo Governo, são mil vagas para o cargo de soldado combatente da Polícia Militar, 10 vagas para o cargo de oficial combatente do CBM e 140 vagas para o cargo de soldado combatente do CBM. Os concursos serão regidos pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), com auxílio da Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), da PM/AL e CBM/AL.

“O motivo que me levou a me inscrever no certame e fazer a prova foi a questão da estabilidade financeira, pois, hoje em dia, o mercado está bastante desvalorizado. É um concurso que há anos não tem, então é uma boa oportunidade. O certame virá forte, com pessoas qualificadas, por isso, imagino que será um processo acirrado. Além disso, toda essa situação em que o país está passando faz com que as pessoas queiram uma maior estabilidade financeira. Por este motivo, tenho que me preparar também”, conta o concurseiro.

Desta vez, os concursos serão realizados utilizando o método Cespe de seleção, compreendendo as seguintes etapas: provas objetivas, de caráter eliminatório e classificatório; avaliação me?dica das condições de saúde física e mental, de caráter eliminatório; teste de aptidão física, de caráter eliminatório; e comprovação documental e investigação social, também de caráter eliminatório.

Os candidatos que já estiveram nos bancos das universidades e que já estão inseridos no mercado de trabalho também se destacam neste processo de estudos. Muitos dos concorrentes, inclusive, já contam com o nível superior completo e, agora, se dedicam para a aprovação.  

Na opinião de Julianne Leão, outra candidata que está empenhada nas disciplinas solicitadas nos editais, a estabilidade é o principal motivador para a aprovação. Ela conta que ficou satisfeita com o quantitativo de vagas ofertadas e que espera conseguir a aprovação em uma delas.

“Há alguns meses venho me preparando para o concurso. Desde que o governador Renan Filho anunciou que o edital seria divulgado, iniciei uma jornada de estudos de pelo menos 4 horas diárias. O edital está bem exigente e, por isso, é importante se dedicar aos assuntos que serão cobrados. Fiquei bastante feliz com o quantitativo de vagas e pretendo estar incluída no serviço público alagoano em breve. Estou fazendo o possível para isso”, conta a concurseira.

Candidatos já acumulam experiências em outros certames

Ao contrário de muitos alagoanos que irão prestar um concurso pela primeira vez, o relações públicas, Rafael Renovato já está inserido no universo de provas há um tempo. De acordo com ele, este será mais um certame em que ele realizará com o intuito de ingressar no serviço público alagoano.

“Eu já venho me preparando há algum tempo, não para o concurso dos Bombeiros e da Polícia, mas para outros concursos que já venho fazendo. Algumas disciplinas como português, matemática e raciocínio lógico estão presentes em qualquer concurso, logo, já serve de complemento para o concurso atual. Na verdade, não é e nem nunca foi meu sonho de criança e, muito menos desejo de dias atuais, ser um oficial, o que me leva a prestar esse concurso é a realidade econômica na qual vivemos atualmente, não só em Alagoas, mas em todo o país”, explica o candidato.

Para a PM, o concurso vai contar com prova objetiva (50 questões de conhecimentos básicos e 70 específicas). As provas ocorrem no dia 29 de outubro, em Maceió e Arapiraca. Já para o Corpo de Bombeiros, o certame terá 50 questões de conhecimento básico e 50 de conhecimento específico. As provas acontecem no dia 28 de outubro (oficial) e 29 de outubro (soldado).

O prazo para inscrição nos processos seletivos segue até o dia 30 de agosto. Além de estarem publicados no Diário Oficial do Estado, os editais também estão disponíveis no portal da Seplag (www.seplag.al.gov.br/concurso-pm-e-cbm-2017).

]]>