<![CDATA[ Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas ]]> <![CDATA[Avaliação coloca curso de medicina da Uncisal entre os melhores do Brasil]]> O curso de medicina da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) teve uma importante conquista na Avaliação Nacional Seriada dos Estudantes de Medicina (Anasem).  Num universo de 233 cursos avaliados em todo o território nacional e com a participação de mais de 22 mil estudantes, a Uncisal conquistou uma  média  acima de todas as Instituições de Ensino Superior (IES) de Alagoas  que possuem curso de  Medicina, além da 4ª melhor média do Nordeste e o 6º lugar comparando a média de proficiência dos estados do país.

Essa conquista, que teve média de proficiência de 102,3 e que deixa toda a universidade orgulhosa, se deve aos professores, coordenadores e principalmente aos estudantes do atual 3º ano ano de medicina, que passaram pelas avaliações com mérito.

As notas foram divulgadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Conforme a assessoria de Comunicação da Anasem, os desempenhos nas questões objetivas foram agrupados em três níveis de proficiência – básico, adequado e avançado – com o objetivo de medir as competências estruturais ou habilidades dos participantes.

Conforme a Anasem, as medidas de proficiência são construídas a partir de conjuntos de habilidades, correspondentes às etapas intermediárias do perfil profissional, que permitem avaliar o valor agregado ao longo da formação de cada estudante de maneira seriada.

As avaliações seguem métodos que considerem os conhecimentos, as habilidades e as atitudes previstas nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina.

A segunda edição da Anasem acontecerá no dia 18 de outubro de 2017 e será aplicada para os estudantes matriculados no segundo ano dos cursos de medicina.

As médias gerais estão publicadas no site da Unciasal.

]]>
<![CDATA[Museu de História Natural da Ufal recebe pesquisadores de universidades da PB]]> Estudantes e pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) visitaram o setor de herpetologia, onde estão os répteis e anfíbios, do Museu de História Natural da Ufal (MHN). O objetivo era conhecer e pesquisar algumas peças das coleções do setor.

Durante a passagem dos pesquisadores pelo MHN, atividades relacionadas aos projetos de algumas alunas de graduação, mestrado e doutorado foram desenvolvidas com a colaboração da bióloga Selma Torquato, responsável pelo setor e outros pesquisadores do MHN. Elas listaram espécies e coletaram informações de história natural de cobras da Mata Atlântica de Alagoas.                      

“É de suma importância a existência de coleções como essa, porque os museus mantêm espécies não só de locais que ainda existem, mas também que já foram desmatados, ou que se perderam por outros motivos”, destacou o professor e orientador das estudantes, Frederico França.

Os visitantes destacaram ainda a importância de existir um espaço que esteja aberto ao público e que promova a consciência e preservação ambiental. “Ainda, os museus sendo abertos ao público, contribuem imensamente para a sociedade como um todo, por ser um local que estimula a educação ambiental e conscientização da importância da fauna, flora, pedras e outros”, comentou uma das visitantes, Isabella França.

]]>
<![CDATA[Estado terá R$ 2,6 milhões para investir no ensino fundamental]]> A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) fortaleceu ainda mais suas ações na busca pela melhoria da qualidade de ensino na rede pública. Após o lançamento do programa Escola 10, que empreenderá ações com 80 mil alunos de 5º e 9º anos das redes municipais e estadual, o órgão anuncia a oferta do Programa Novo Mais Educação, ação do Governo Federal, que visa melhorar a aprendizagem em matemática e língua portuguesa por meio da ampliação de jornada escolar para os alunos do ensino fundamental.

Em Alagoas, a Seduc será parceira do Ministério da Educação (MEC) na execução do programa, que contemplará um investimento de R$ 2,6 milhões para o ano letivo de 2017 em 160 escolas estaduais. Ao todo, 19 mil alunos serão beneficiados com as ações do programa.

Ampliação

Por meio desta jornada ampliada, haverá a implantação dos Laboratórios de Aprendizagem (LAPs) onde os professores poderão trabalhar as dificuldades dos alunos nas duas disciplinas. Também será possível trabalhar atividades complementares e pedagógicas, como aulas de campo, artes, visitas a espaços educativos, cultura, esporte e lazer.

“Cada escola vai adequar o edital do programa a sua realidade e serão contratados, preferencialmente, monitores com disponibilidade de carga horária para atuarem no Mais Educação”, informou coordenadora do programa em Alagoas, Betânia Santos de Moraes.?

A partir do dia 27 de março, a plataforma do PDDE interativo estará aberta para a inserção dos mediadores e articuladores de aprendizagem e dos alunos que participarão do programa. Para ter acesso à plataforma basta clicar no link: http://pddeinterativo.mec.gov.br/.?

]]>
<![CDATA[Escola Técnica de Artes da Ufal oferece curso de canto erudito]]> Para quem gosta de cantar e quer se especializar, a oportunidade é essa. É que a Escola Técnica de Artes da Universidade Federal de Alagoas está com inscrições abertas para o curso de extensão em canto erudito. São 30 vagas e o prazo vai até 27 de março.

O curso é totalmente gratuito e será ministrado pela professora Claudiane Melo, às terças-feiras, das 17h às 18h, e às quartas, em horário a ser definido. Os interessados devem comparecer à Secretaria da ETA, no Espaço Cultural da Ufal, na Praça Sinimbu, para preencher ficha de inscrição. 

Os inscritos passarão por entrevista, que será realizada no dia 29 de março, às 15h, na Sala 2, da ETA. O resultado sairá dia 30 e a matrícula será de 31 de março a 3 de abril, das 8h às 12h e das 14h às 19h.

As aulas começam no dia 4 de abril e vão até 28 de novembro deste ano. Mais informações pelo telefone 3214-1614

]]>
<![CDATA[Escola Sesi Cambona expõe trabalho na maior feira científica do Brasil]]> A Escola Sesi Industrial Abelardo Lopes (Cambona) está entre as seis instituições de ensino que representam Alagoas na maior mostra científica do país, a Feira de Ciências e Engenharia da Universidade de São Paulo (Febrace/USP). A apresentação dos trabalhos científicos começou nesta terça, 21, e seguem até esta quinta-feira, 23, na Escola Politécnica da USP, em São Paulo.

A ideia de desenvolver o aplicativo “Saúde Sempre em Dia (SSD)”, que é projeto finalista da Febrace, partiu de uma pesquisa feita por estudantes no entorno da escola, além de seus lares. “Elas perceberam a dificuldade da população no acesso ao sistema de saúde e o alto custo de medicamentos utilizados no tratamento de enfermidades”, explica a pedagoga Marseille Lessa.

Daí, surgiu o aplicativo com receitas, que indica a utilização de produtos naturais no tratamento de sintomas ao alcance das mãos. Segundo Marseille, no App tem-se a possibilidade de pesquisa por região, locais de venda, modo de preparo, catálogo de produtos, entre outras informações.

O trabalho foi desenvolvido pelas alunas Esmirna Olivera Gameleira (que viajou a São Paulo para a apresentação), Ingrid Cortêz de Novais Pontes Dias, Izabele Maria Guedes Peixoto da Rocha, orientadas pela professora de Matemática Cristiane Siqueira de Macêdo Nobre.

O gestor escolar Carlos Abreu também compõe a comitiva alagoana. “A Rede Sesi de Educação de Alagoas, mais uma vez, leva o nome do Estado para um evento de alto nível e reforça o trabalho que tem desenvolvido com a proposta de educar para o mundo do trabalho, atuando fortemente na transformação da educação, sobretudo, na formação de futuros cientistas e engenheiros para esse país”, afirmou.

Votação popular

Os seis trabalhos alagoanos também concorrem ao prêmio do voto popular da Febrace, onde internautas escolherão seus projetos prediletos. Para votar no projeto da Escola Sesi, basta acessar o link febrace.org.br/virtual/2017/SAU/105/ e curtir via Facebook.

Também participam da Febrace, por Alagoas, as escolas estaduais Marcos Antônio Cavalcanti (Maceió), Izaura Antônia de Lisboa (Arapiraca), Nossa Senhora da Conceição (Lagoa da Canoa), Muniz Falcão (Cacimbinhas) e Cônego José Bulhões (Dois Riachos).

]]>
<![CDATA[Ufal aproxima a ciência da sociedade com evento no Shopping Pátio]]> Shows de Química, Física e Biologia, além de visitação à exposição do planetário. Tudo isso à disposição da sociedade e de graça, durante os dias 23, 24 e 25 de março, no Shopping Pátio. Essa foi a maneira que a Usina Ciência da Universidade Federal de Alagoas encontrou para popularizar o ensino de ciências e atrair os jovens para essa área.

A iniciativa faz parte do 1º CientificaMente 2017, um projeto organizado em parceria com a equipe do QuiCiência, composta por alunos da licenciatura em Química, do Instituto de Química e Biotecnologia da Ufal (IQB). “Esse mês de março estaremos no shopping, mas nossa proposta é realizar esse evento uma vez a cada dois meses, no CIC [Centro de Interesse Comunitário] da Ufal, e vamos ofertar várias oficinas”, revelou a professora Monique Angelo.

As ações no Shopping Pátio vão acontecer das 10h às 13h, das 14h às 17h e das 18h às 21h. Os professores que desejarem levar seus alunos, basta agendar sua turma pelo e-mail quicienciaiqb@gmail.com.

A Usina

A Usina Ciência, órgão vinculado à Pró-reitoria de Extensão da Ufal, vem contribuindo, ao longo de seus 25 anos, para a melhoria do ensino de ciências naturais de nível básico em Alagoas. Isso acontece por meio de ações de divulgação e popularização das ciências, como os shows de Biologia, Química, Física e Astronomia, além de realização de palestras, mostras, cursos, oficinas e orientação na elaboração de trabalhos escolares para feiras de ciências e mostras científicas.

SERVIÇO:

O quê: 1º CientificaMente 2017

Quando: 23, 24 e 25 de março

Onde: Shopping Pátio Maceió, na Av. Menino Marcelo, 3800.

]]>
<![CDATA[Estudantes podem concorrer a vagas não preenchidas do Fies]]> Estão abertas, a partir desta segunda-feira (20), as inscrições para concorrer às vagas que não foram preenchidas no processo seletivo do primeiro semestre do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). As inscrições deverão ser feitas exclusivamente na página do Sistema de Seleção do Fies, o FiesSeleção, na internet.

As vagas remanescentes são voltadas para candidatos que tenham participado de alguma edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) desde 2010, obtido nota mínima de 450 pontos nas provas e não ter tirado nota 0 na redação. Além disso, é necessário comprovar renda familiar mensal bruta per capita de até três salários mínimos. Podem participar da seleção inclusive aqueles que já tentaram o financiamento pelo processo seletivo regular e não obtiveram sucesso.

Após o registro no FiesSeleção, o candidato deverá concluir a inscrição no Sistema Informatizado do Fies (Sisfies) nos dois dias úteis subsequentes. Os prazos de inscrição variam de acordo com a condição do estudante.

Fies

O Fies oferece financiamento a estudantes em cursos de instituições privadas de ensino superior. A taxa efetiva de juros do programa é 6,5% ao ano. O percentual de financiamento é definido de acordo com o comprometimento da renda familiar mensal bruta per capita do estudante.

Neste semestre, o Fies ofereceu 150.538 vagas para 1.599 instituições, abrangendo 29.293 cursos.

Veja os prazos estabelecidos pelo MEC:

De 20 a 24 de março – Estudantes não graduados, inscritos no processo seletivo regular do Fies referente ao primeiro semestre de 2017 e que não tenham obtido o contrato de financiamento pelo fundo;

De 22 a 24 de março – Estudantes graduados, inscritos no processo seletivo regular do Fies referente ao primeiro semestre de 2017 e que não tenham obtido o contrato de financiamento pelo fundo;

De 25 a 31 de março – Estudantes não graduados, inscritos para uma vaga remanescente em curso de instituição de educação superior em que não está matriculado;

De 27 a 31 de março – Estudantes graduados, inscritos para uma vaga remanescente em curso de instituição em que não está matriculado;

De 25 de março a 22 de maio – Estudantes não graduados, inscritos para uma vaga remanescente em curso da instituição em que está matriculado;

De 27 de março a 22 de maio – Estudantes graduados, inscritos para uma vaga remanescente em curso da instituição em que está matriculado.

]]>
<![CDATA[Estudantes alagoanos apresentam projetos na maior feira científica do Brasil]]> Seis instituições de ensino – das quais cinco da rede estadual – representarão Alagoas na maior feira científica do país, a Feira de Ciências e Engenharia da Universidade de São Paulo (Febrace/USP), que acontece de 21 a 23 de março na Escola Politécnica da USP, em São Paulo. Compõem a comitiva alagoana as escolas estaduais Marcos Antônio Cavalcanti (Maceió), Izaura Antônia de Lisboa (Arapiraca), Nossa Senhora da Conceição (Lagoa da Canoa), Muniz Falcão (Cacimbinhas) e Cônego José Bulhões (Dois Riachos) e Escola Sesi de Educação Básica Industrial Abelardo Lopes (Maceió).

Os projetos chamam atenção pela sua preocupação com a sustentabilidade e saúde e refletem a realidade de suas regiões. As escolas Izaura Antônia de Lisboa, de Arapiraca, e Nossa Senhora da Conceição, de Lagoa da Canoa apresentam, respectivamente, produtos para facilitar a cicatrização de diabéticos e combater a anemia, enquanto o Sesi leva aplicativo com receitas naturais para tratar problemas de saúde. As escolas Muniz Falcão e Cônego José Bulhões expõem soluções para otimizar a produção agrícola sertaneja e remover óleo de cozinha e combustível do meio ambiente por meio do xique-xique. Já a Escola Marcos Antônio expõe destilador que produz etanol a partir do mel de abelhas.

“A participação na Febrace é o reconhecimento da produção científica das escolas e serve de estímulo para outras unidades de ensino desenvolverem práticas semelhantes. Para nós da Seduc, é duplamente gratificante, pois temos intensificado atividades junto aos professores destas áreas e incentivado a iniciação científica”, ressalta o superintendente de Políticas Educacionais da Secretaria de Estado da Educação, Ricardo Lisboa.

Expectativa

A delegação alagoana é composta tanto por veteranos como a professora Nadja Souza, que vai para a sua sétima Febrace, como por estreantes como a professora Tatiane Omena. Ambas estão ansiosas pelo início da feira e falam da importância de participar de um evento deste porte.

“Estamos nos preparando há meses e contamos também com o apoio do Departamento de Química da Ufal para testes de laboratório. Fico feliz pelo reconhecimento destes projetos, pois nossos alunos buscam soluções para melhorar a qualidade de vida de suas comunidades”, relata Nadja, que orienta as pesquisas das escolas Izaura Antônia de Lisboa e Nossa Senhora da Conceição.

Já para Tatiane, que coordena trabalho da Escola Marcos Antônio, estar na Febrace é a realização de um sonho. “Nossos alunos são jovens talentosos e mereciam essa oportunidade. Queremos também despertar nos demais estudantes a paixão pela ciência, mostrar que a química não é apenas teoria, mas um mundo maravilhoso, onde os conhecimentos podem ser aprimorados”, afirma.

Votação popular

Os seis trabalhos alagoanos também concorrem ao prêmio do voto popular da Febrace, onde internautas escolherão seus projetos prediletos. Para votar, basta acessar os links abaixo e curtir via Facebook:

Produção de destilador artesanal para produção de etanol a partir do mel de abelhas – Escola Estadual Marcos Antônio Cavalcanti Silva - http://febrace.org.br/virtual/2017/ENG/14/

Pomadas a partir de espécies vegetais para acelerar a cicatrização de lesões cutâneas de portadores de diabetes – Escola Estadual Izaura Antônia de Lisboa - http://febrace.org.br/virtual/2017/SAU/90/

Uso da farinha de jenipapo no combate à anemia – Escola Estadual Nossa Senhora da Conceição - http://febrace.org.br/virtual/2017/BIO/167

Capacidade bioadsorvente do xique-xique na remoção de compostos orgânicos – Escola Estadual Cônego José Bulhões - http://febrace.org.br/virtual/2017/EXA/253

Biofertilizante de cama de frango no cultivo de coentro e cebolinha – Escola Estadual Muniz Falcão - http://febrace.org.br/virtual/2017/AGR/112

Aplicativo com receitas de produtos naturais para o tratamento de sintomas ao alcance das mãos – Escola Sesi de Educação Básica Industrial Abelardo Lopes -. http://febrace.org.br/virtual/2017/AGR/112?

Evento é grande oportunidade para estudantes alagoanos apresentarem projetos na maior feira ?c?ientífica do Brasil.

]]>
<![CDATA[Instituto de Ciências Sociais da UFAL realiza evento comemorativo]]> O Instituto de Ciências Sociais da Universidade Federal de Alagoas (ICS/UFAL) realiza nos próximos dias 21, 22 e 23 de março de 2017 um evento comemorativo de seus dez anos de existência, denominado História e Memória das Ciências Sociais em Alagoas. Na ocasião, serão homenageados todos aqueles que tomaram parte desta história, desde o antigo Departamento de Ciências Sociais, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (DSC/CHLA/UFAL) – seja na condição de funcionários docentes ou técnico-administradores, seja enquanto discentes; estando todos, assim, convidados a tomar parte desse momento se fazendo presentes.

Para marcar as comemorações, o ICS pretende destacar, igualmente, nomes de alagoanos do passado e do presente que deram sua contribuição ao pensamento social em Alagoas; contributo muitas vezes não apenas local, mas nacional, como é o caso de Manuel Diégues Junior – que empresta seu nome à Medalha do Mérito instituída pelo Instituto de Ciências Sociais em decisão plenária.

Na impossibilidade de estender este reconhecimento por meio da outorga da medalha a cada membro integrante dessa história das Ciências Sociais, o ICS estabeleceu como critério apenas referendar o reconhecimento oficial anteriormente já atribuído pelo Conselho Universitário (CONSUNI/UFAL) a alguns cientistas, e que contou com a iniciativa ou a participação do ICS nessas atribuições.

Deste modo, na ocasião estaremos reafirmando o mérito acadêmico de Dirceu A. Lindoso (Historiador, Doutor Honoris causa da UFAL), Luitgarde O. Cavalcanti Barros (Antropóloga, Doutor Honoris causa da UFAL), Belmira Rita da C. Magalhães (Socióloga, Professora Titular da UFAL) e Luiz Sávio de Almeida (Sociólogo, Professor Emérito da UFAL).

Esclarecemos que, por decisão unânime de sua plenária, o Instituto de Ciências Sociais resolveu outorgar a Medalha do Mérito Manuel Diégues Junior à Socióloga e Professora aposentada Tânia Nobre de Medeiros, que com sua gentileza e reconhecido altruísmo simboliza nosso maior exemplo de dedicação ao curso de Ciências Sociais, ao ensino e orientação discente, mas também às diferentes atividades da rotina administrativa do ICS. Através dela, prestamos nossa homenagem a todos os aposentados. E desejando fixar a nossa lembrança naqueles que se foram, o nome do Professor Paulo Décio de A. Melo foi unanimemente apontado para representar a todos eles.

Primeiro Diretor do ICS e membro cofundador do Mestrado de Sociologia, Paulo foi nossa última grande perda, tendo sido ainda colega e contemporâneo dos últimos e recentes integrantes do ICS, o que o torna a mais viva memória deste segmento de colegas que fizeram parte desta história que contaremos à comunidade universitária e ao público em geral que se dirigir ao Centro Integrado Comunitário (CIC) da UFAL no referido evento. Além das homenagens, o nosso evento contará com uma conferência de abertura sobre a contribuição alagoana ao pensamento social brasileiro e uma série de painéis, debates e mostras de pesquisas de iniciativa de professores do ICS abordando temas sobre o ensino das Ciências Sociais ou sobre autores de suas escolhas, tudo girando em torno da produção de conhecimentos de e sobre Alagoas.

Por fim, afirmamos que a programação foi elaborada com um único objetivo: fortalecer o presente, promovendo o justo reconhecimento aos que atuaram no passado, com a certeza de que esta memória precisa manter-se viva para que possamos marchar adiante no processo de desenvolvimento das Ciências Sociais na UFAL e no Estado.

]]>
<![CDATA[Alunos do Ebep-Atalaia apresentam projeto inovador que beneficia equinos]]> Um projeto inovador, desenvolvido por alunos da Escola Sesi/Senai (Ebep), do município de Atalaia, a Ortofibra tem como principal objetivo a elaboração de uma órtese [aparelho externo utilizado para auxiliar o movimento dos membros] que ajuda no tratamento da laminite, problema que afeta o casco de equinos. A doença, muitas vezes, obriga o criador a praticar a eutanásia.

Na última terça-feira, 14, o projeto foi apresentado ao diretor-regional do Senai/AL, Marben Loureiro, que parabenizou a equipe Atabótica, criadora da Ortofibra, pela iniciativa. No encontro, os alunos explicaram que a produção da Ortofibra se baseia no uso de um resíduo industrial produzido em larga escala, o pó de fibra de vidro. Quando misturado à resina, consegue resistir ao peso do cavalo.

O projeto vem sendo desenvolvido em parceria com a empresa Glastec e com o Grupo de Pesquisa e Extensão em Equídeos, da Universidade Federal de Alagoas (Grupequi-Ufal), que forneceram matérias primas e de estudo, para que os alunos pudessem desenvolve-lo.

A ideia surgiu enquanto os estudantes do Ebep se preparavam para a etapa regional da First Lego League (FLL), que trouxe o tema “Animal Allies” [‘Aliados dos Animais’, em tradução livre]. O maior evento de robótica do País, a FLL teve sua etapa regional, em Salvador (BA).

“Os alunos envolvidos no projeto de robótica da escola têm como um dos objetivos a solução de problemas do cotidiano, e o cavalo foi o animal escolhido pela equipe Atabótica para a competição”, explicou o instrutor e técnico da equipe de robótica do Ebep-Atalaia, Gildenor Leite.

Na noite do mesmo dia, os alunos apresentaram o projeto no prédio da Câmara Municipal de Atalaia, mostrando aos presentes o robô que confeccionaram para o torneio e também o projeto de pesquisa da Ortofibra. O evento no Legislativo contou com as presenças do prefeito do município, Chico Vigário, do presidente da Câmara, Alexandre Tenório, de professores do Ebep e populares.

]]>