<![CDATA[ Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas ]]> <![CDATA[Peru lança programa de fortalecimento das cooperativas agrícolas]]> O programa será levado adiante pela Direção Geral Agrícola do Ministério de Agricultura e Irrigação (MINAGRI), e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) que beneficiará cerca de 6 mil agricultores associados a cooperativas agrárias de diferentes regiões do país.

O diretor da Direção Geral Agrícola (DGA), Ángel Manero, manifestou que o objetivo primordial para alcançar um agro próspero, incrementando sua rentabilidade e competitividade, com um impacto positivo na redução da pobreza.

“Necessitamos de cooperativas fortes. Temos 214 cooperativas agrárias formais. O MINAGRI vai fortalecer o sistema cooperativo para favorecer o desenvolvimento do país”, afirmou Ángel Manero.

O programa busca que os sócios e trabalhadores das cooperativas agrárias adquiram conhecimentos e manuseiem ferramentas de gestão empresarial em temas relacionados com a governança e a gestão contábil, tributária, financeira, comercial e legal, entre outros, por meio de assistência técnica. Mesmo assim, se buscará promover o acesso ao financiamento e mercados, como resultado de uma adequada gestão empresarial, financeira e comercial.

A primeira fase do programa envolve 36 cooperativas agrárias, que representam os mais de 6 mil produtores agrários associados. O investimento previsto nesta fase que inclui até o final deste ano, está destinada a contratação de 24 assistentes técnicos especializados em gestão empresarial, financeira e comercial, que serão assessorados por especialistas de instituições nacionais especializadas em associativismo e cooperativismo agrário.

Durante o lançamento do programa, a representante da FAO no Peru, María Elena Rojas, ressaltou que “o êxito do cooperativismo a nível global está em conseguir tirar milhões de famílias da pobreza” e assinalou que é por isto que se recorre a este modelo de gestão para renovar o compromisso e seguir trabalhando para erradicar a pobreza no Peru.

O programa de Fortalecimento de cooperativas agrárias busca aperfeiçoar o modelo de negócios cooperativo e, estimular a conversão de associações civis em cooperativas agrárias para contribuir de maneira substancial na redução da informalidade.

Redação EasyCOOP com ACI Américas

]]>
<![CDATA[Cooperativa lança aplicativo visando conforto de usuários]]> Pensando em proporcionar aos seus parceiros e beneficiários maiores facilidades no atendimento, a Uniodonto Maceió* lança aplicativo para IOS e Android. O programa possui funções como acesso ao Cartão Digital, Guia Odontológico, Atualização de Dados Cadastrais, Acompanhamento dos Serviços Odontológicos Utilizados e Acompanhamento de Mensalidades.

Para quem possui iPhone ou iPad, o app pode ser baixado na Apple Store e na Play Store para os usuários de smartphone com Android. O aplicativo foi lançado em maio de 2017.

De acordo com o diretor-financeiro da Uniodonto Maceió, Francisco Soares, o aplicativo é uma ferramenta de praticidade tanto para a cooperativa quanto para seus usuários. “Agora o beneficiário tem funções como consultas de histórico e de finanças, solicitações de cartões, segundas vias de boletos, alterações cadastrais, etc, na palma da mão. Inclusive, o Guia Odontológico, que antes era impresso, agora está disponível no app e suas atualizações são imediatas, trazendo mais conforto ao cliente”, afirmou.

Para a superintendente do Sistema OCB/AL**, Márcia Túlia, este é um momento de empenho para resolver as demandas do mercado. “É uma iniciativa excelente! A cooperativa mostra com essa ferramenta que acompanha os avanços tecnológicos e que se preocupa em facilitar a vida de seus usuários”, frisou.

DESCONTOS

A Uniodonto Maceió tem mais novidades para seus usuários que são descontos em medicamentos nas Farmácias Drogasil e Droga Raia. Em genéricos tarjados, o desconto é de até 40%. Já para medicamentos de marca tarjados o desconto é de até 23%. O benefício é válido em todo o território nacional.

 

]]>
<![CDATA[Gestão de Arquivos traz ganho de tempo e espaço para empresas]]> Cada empresa possui quantidades enormes de arquivos e documentos. E, quando é preciso achar informações específicas, enfrenta desafios sobre localização e tempo gasto na procura.

A Gestão de Arquivos surge para facilitar o dia a dia de todos na empresa e se caracteriza pelo método de gerenciamento de conteúdos e informações essenciais para uma organização. Esta, por sua vez, poderá controlar e acompanhar a documentação, recuperar informações, acessar os documentos de forma ágil e ter o conteúdo de forma digitalizada.

Com o avanço da tecnologia, acessar e produzir conteúdo ficou mais fácil e, ao mesmo tempo, a quantidade de informação acumulada precisou de atenção especial. Hoje, a gerência de arquivos é uma regra básica das empresas que perdiam tempo e dinheiro procurando e recuperando documentos danificados.

De acordo com a presidente da Bibliocoop*, Marta Cavalcante, a Gestão de Arquivos é atividade urgente para empresas que prezam pela organização e valorização do tempo. “Toda empresa precisa ter documentos organizados e seguros. Com o tempo, o papel é facilmente danificado e os conteúdos podem ser perdidos. A Gestão de Arquivos irá cuidar das informações relevantes para a empresa e assegurar o acesso eficaz àquele conteúdo”, afirmou.

BIBLIOCOOP

A Bibliocoop é a primeira cooperativa de bibliotecários e profissionais da Informação a prestar serviços de Gestão da Informação em Alagoas, se destacando com o atendimento em todo o território brasileiro.

Hoje, atuam com Gestão de Arquivos e de Bibliotecas, Manutenção de Acervos, Consultoria em Gestão de Documentos e em Normatização de Documentos e Trabalhos Acadêmicos, Capacitações e Contação de Histórias.

--

*Bibliocoop – Cooperativa de Trabalho Nacional dos Bibliotecários e Profissionais da Informação.

]]>
<![CDATA[Cooperativa lança novo aplicativo para solicitar táxi]]> A Cooperativa Novotáxi lança nesta terça, na Região Metropolitana do Recife (RMr) um novo aplicativo para solicitar táxi, o Unitáxi. O lançamento acontece esta manhã, em uma casa de recepções no bairro da Imbirbieira, no Recife. O aplicativo estará disponível para iOS, Android e Windows Phone como o único software em funcionamento na capital pernambucana até então legalizado pela Prefeitura do Recife.

O programa é vinculado a uma rede nacional de cooperativas que já funciona em vários estados, como Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia. De acordo com o  presidente da Novotáxi, o taxista Flávio Fortunato, o aplicativo foi criado e será administrado por taxistas. "Como conhecemos os principais problemas apontados pelos passageiros, realizamos melhorias necessárias e trouxemos um aplicativo que será bom tanto para o motorista como para o passageiro", garante, destacando como principal preocupação investir em um modelo que priorize a segurança, agilidade e qualidade no atendimento ao cliente.

Com 300 motoristas cadastrados, a cooperativa promete descontos de 5 a 20%. O cooperado precisa atender critérios de ano do veículo, perfil do taxista e adequação ao padrão Unitáxi. A Cooperativa Novotáxi surgiu da necessidade do taxista ter seu próprio aplicativo após a concorrência com motoristas de outros aplicativos, como o Uber, que intermedeiam o serviço entre o passageiro e o táxi. 

Fundada em 2015, a Unitáxi pretende dar ao taxista a possibilidade de explorar o próprio negócio com liberdade, rentabilidade e suporte. Em Pernambuco, a união tem como parcerios as cooperativas do Aeroporto, shoppings Tacaruna, Riomar, Recife, Guararapes e Plaza; Cooperpam; Cooperativa dos Táxis de Ipojuca; Sindtáxi-Pe; Atcap e os Sindicatos dos Taxistas de Olinda, Jaboatão, São Lourenço da Mata e Caruaru.

Os condutores credenciados participam do programa de benefícios que oferece assistência jurídica vinculada ao exercício da atividade profissional de taxista; assessoria burocrática com recadastramento no órgão gestor, agendamentos on-line, isenção de impostos e descontos exclusivos em peças e serviços nas distribuidoras conveniadas.

]]>
<![CDATA[Curso gratuito sobre Como Falar Bem em Público na FAT]]> O Sistema OCB/AL realizará nos próximos dias 22 e 29 de julho o curso Como Falar Bem em Público na Faculdade de Tecnologia de Alagoas (FAT), localizada na Avenida Presidente Roosevelt, 1200, Barro Duro, das 8h às 17h. A formação é gratuita e aberta para membros de cooperativas registradas e regulares com a organização.

A capacitação desenvolverá temas como Linguagem formal, Segurança no tema abordado, Orador e público alvo, Como montar uma apresentação, Como responder a perguntas, Como controlar e superar o medo de falar em público.

Ilton Filho, psicólogo e instrutor do Sistema OCB/AL, será o facilitador do curso e os certificados serão entregues ao término da formação, com carga horária de 16 horas.

O presidente do Sistema OCB/AL, Marcos Rocha, intensifica o convite aos cooperativistas de Alagoas. “A oportunidade é única! Conhecimento é sempre bem-vindo e dominar as formas de comunicação é um diferencial competitivo para todo profissional. Restam 16 vagas para a próxima turma. Aproveitem!”, reforça.

As inscrições podem ser feitas através do e-mail capacitacao@ocb-al.com.br e o telefone para dúvidas é o (82) 2122-9494.--*Sistema OCB/AL – Formado pelo Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado de Alagoas (OCB/AL) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Alagoas (Sescoop/AL).

Fonte: Ascom Sistema OCB/AL

]]>
<![CDATA[Cooperativas terão atendimentos gratuitos para cooperados, colaboradores e familiares]]> O Sistema OCB/AL* proporcionará consultas médicas e odontológicas gratuitas nesta semana para a Teletaxi, de Maceió, e para a Coopertranscal, de Arapiraca, como parte das atividades de promoção social da organização. Os beneficiados serão cooperados, colaboradores e familiares das empresas cooperativas.

Na quinta-feira, 13, os atendimentos odontológicos para a Teletaxi acontecerão na Clínica Odontológica Ortho Dental, localizada na Rua Major José Joaquim Calheiros, nº 44, primeiro andar, no bairro do Jacintinho, das 8h às 16h. Já no sábado, 15, o atendimento médico para a Teletaxi será realizado também das 8h às 16h, na sede da cooperativa, no bairro do Jacintinho. Os interessados podem entrar em contato com a central de atendimento através do número (82) 3320.8900 para mais informações.

Para a Coopertranscal os atendimentos odontológicos acontecerão sábado (15) e domingo (16), na Clínica Bianco, localizada na Avenida Deputada Ceci Cunha, nº 88 A., no bairro Brasília, das 08 às 17h. Em caso de dúvidas os cooperados podem entrar em contato com a diretoria através do número (82) 4102.0998.

Todos os beneficiados devem portar documento de identificação.

Para José Cícero dos Santos, presidente da Teletaxi, esse tipo de ação é de fundamental importância e mostra que as cooperativas, além de cumprirem seus papeis de organizar e promover um grupo de profissionais para o mercado, também têm o cuidado com o bem estar de seus membros e núcleos familiares.

COMO SOLICITAR

Ao longo de todos os anos o Sistema OCB/AL oferta atividades como essas mediante solicitações prévias das próprias cooperativas. “Nós orientamos que cada empresa cooperativa envie até o mês de agosto um planejamento com as capacitações e atividades de promoção social para o exercício do ano seguinte. Isso auxilia a confecção do planejamento estratégico do Sistema OCB/AL”, explica o presidente Marcos Rocha.

Para mais informações, o Sistema OCB/AL fica localizado em Maceió, no bairro do Feitosa, Avenida Governador Lamenha Filho, nº 1880, e também está disponível através do email superintendencia@ocb-al.coop.br e do número (82) 2122.9494.

--

*Sistema OCB/AL – Formado pelo Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado de Alagoas (OCB/AL) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Alagoas (Sescoop/AL).

**Teletaxi – Cooperativa Mista Rádio TeleTaxi de Maceió.

***Coopertranscal - Cooperativa De Transporte Rodoviário De Cargas De Alagoas.

]]>
<![CDATA[Modelo de cooperativismo amadurece na última década em Alagoas, aponta OCB]]> Os 10 anos de existência da Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos do Estado de Alagoas (Jorgraf) apontam para o amadurecimento do modelo de cooperativismo no Estado. É o que afirma a Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado de Alagoas (OCB-AL). Atualmente são 97 cooperativas em atuação nas áreas de saúde, tecnologia, serviços, agropecuária , entre outros.

“Nestes dez anos, Alagoas passa por uma evolução nesse quesito, ou seja, as cooperativas têm amadurecido do ponto de vista gerencial e de governança. Esse amadurecimento faz com que as cooperativas se posicionem melhor.”, afirma Márcia Túlia, superintendente da OCB-AL.

Há dez anos, no surgimento da Jorgraf, Alagoas tinha 92 cooperativas vinculadas ao sistema OCB, em 2017 são cinco a mais, 97. De acordo com a entidade, o importante neste modelo de trabalho é o fortalecimento e não a quantidade, pois quanto menos cooperativas em um segmento, maiores são o engajamento e os resultados para os envolvidos.

“Um país que tem um modelo de cooperativismo evoluído é a Alemanha. Lá existem, por exemplo, três cooperativas de crédito, mas caminha para ter uma. Quanto menos cooperativas por categoria profissional, mais fortalecida fica a categoria. Em Alagoas, a cooperativa de costureiras de São Luiz do Quitunde se juntou com a cooperativa de costureiras do Alto da Madeira, isso é um processo de evolução.”, expõe a superintendente.

Em 2007, optar por uma cooperativa para produção gráfica e jornalística foi a alternativa ao desemprego. Dez anos depois este motivo continua sendo um dos propulsores do modelo de cooperativas no estado.

Para Márcia Túlia, o envolvimento dos trabalhadores no modelo é uma oportunidade de inclusão econômica.

“A cooperativa tem uma característica particular, porque não é um empreendedor abrindo um empreendimento, são vários trabalhadores resolvendo investir para promover a inclusão produtiva. Ela promove a inclusão produtiva, gera trabalho e renda.”, expõe.

Segundo o economista Emanuel Lucas de Barros, o cooperativismo serve como enfrentamento do mercado em tempos difíceis, principalmente em questões relativas ao desemprego e aumento do trabalho informal.

“A vantagem da cooperativa hoje no nosso Estado é uma forma de enfrentar o mercado ou até mesmo a falta de mercado que a agente tem. Nessa crise o número de trabalhadores informais cresce, em contrapartida há queda do emprego formal. Uma maneira de formalizar e o trabalhador continuar atuando é se inserir no mercado com ganhos econômicos e conseguir principalmente competir. Em tempos de crise, no geral, as menores empresas acabam quebrando e ocorre desemprego gerado por essas empresas, enquanto que as grandes continuam lucrando. Você se organizar em cooperativas é uma forma de resistir à lógica mercadológica.”, avalia.

Os ramos que mais crescem no Estado são cooperativas em saúde, agropecuária e trabalho. “Médico, enfermagem, instrumentadores, dentistas, pequenos produtores, jornalistas, costureiras, bibliotecários, temos de tudo um pouco”, acrescenta Túlia.

Agricultores apostam na união para escoamento

No mesmo ano de criação da Jorgraf, em 2007, produtores rurais de Flexeiras iniciaram cultivos nas terras do Assentamento São Sebastião. Até 2013 o trabalho era descentralizado o que dificultava a comercialização dos produtos. Foi então que a Cooperativa de Agropecuária de Alagoas (Coopaal) surgiu.

“Começamos a produção em 2007 e até 2013 não tinha como escoar nossos produtos. Formamos um grupo de agricultores e decidimos fundar a Coopaal para facilitar a venda”, explica o presidente da cooperativa Paulo Agra.

Atualmente, a Coopaal tem 30 cooperados e atua nos municípios de Flexeiras, onde surgiu, São Luiz do Quitunde, Joaquim Gomes e Messias. Além da produção agrícola de frutas, legumes, verduras e hortaliças, a cooperativa tem produzido mudas para o reflorestamento de nascentes da região

Outra iniciativa da Coopaal é a criação de uma linha de alimentos sem glúten e sem lactose, com as matérias-primas cultivadas nos assentamentos.

“Estamos trabalhando com a orientação de um agrônomo para a produção agroecológica de raízes, frutas e folhas. Estamos produzindo mudas nativas para o reflorestamento, já reflorestamos 6 nascentes e a margem do Rio Jetituba. Também temos o acompanhamento de uma nutricionista que está desenvolvendo uma linha de produtos diferenciados, sem glúten e sem lactose”, ressalta Paulo Agra.

A comercialização dos produtos é feita para os próprios moradores dos assentamentos e também para Flexeiras e Maceió. A venda, de acordo com o presidente, é para o setor público e privado. Além de produtos in natura, eles vendem  produtos processados como bolos, pães, geleias e doces.

PRÓS E CONTRAS

Emanuel Lucas de Barros explica que as cooperativas têm certas vantagens em relação ao mercado formal. “Por não ter patrão, os trabalhadores podem decidir como organizar seu trabalho, os lucros ficam com os trabalhadores e eles dividem.”, pontua.

“No sistema de cooperativa as decisões são tomadas coletivamente. Apesar de ter diretoria, os trabalhadores tem poder de votar e serem votados, para tomar decisões e dirigir a cooperativa. Do ponto de vista do trabalhador isso é um ganho enorme porque além de ficar com os lucros da produção ou é reinvestido na própria cooperativa, não tem uma pessoa só lucrando ou um grupo de pessoas lucrando.”, afirma o economista.

Mas para toda vantagem, existe uma desvantagem, ressalta. Quando não aplicado corretamente, o sistema de cooperativismo pode ser uma ameaça aos trabalhadores.

“As desvantagens são a aplicação indevida do modelo, quando as decisões não são tomadas em conjunto. Tem cooperativa que se utiliza do sistema de trabalho para terceirização, porque nem pagam os fundos para os trabalhadores num momento de dificuldade nem asseguram os direitos da CLT. Nem tem os direitos sociais de um cooperado nem de um trabalhador formal.”, diz Barros.

Outro ponto que precisa ser destacado segundo o economista é a ausência de um ‘direito tradicional’, o Fundo de Garantia do Trabalhador Segurado (FGTS). Em cooperativas, as contribuições são feitas em reservas obrigatórias destinadas à manutenção do ordenamento da empresa.

“No mercado formal, os trabalhadores regidos pela Consolidação de Leis do Trabalho (CLT) têm o Fundo de Garantia do Trabalhador Segurado (FGTS). Em modelos de cooperativas de trabalho existem alguns fundos obrigatórios que precisam ser mantidos como Fundo de Reserva utilizado para o desenvolvimento da cooperativa e coberturas de perdas futuras. Sendo previsto no mínimo 10% das sobras liquidas; e o Fundo de Assistência Técnica Educacional e Social (Fates) mínimo de 5% das sobras liquidas, cuja finalidade é a prestação de assistência técnica, social e educacional aos cooperados, seus familiares e funcionários”, explica.

No cooperativismo há o compartilhamento de custos e lucros. O que é benéfico, segundo o economista, pois dilui gastos operacionais, mas pode ser danoso quando há prejuízos econômicos.

]]>
<![CDATA[Presidente do Sinduscon destaca cobertura do jornal no setor em Alagoas]]> O presidente do Sindicato da Indústria da Construção do Estado de Alagoas (Sinduscon-AL), Alfredo Mendonça Brêda, enfatizou a contribuição que o jornal Tribuna Independente vem dando ao longo desses 10 anos para o setor da construção civil de Alagoas. “Sempre com uma cobertura imparcial e comprometida com o bom jornalismo, o veículo de comunicação conduzido por jornalistas e gráficos surpreende pela inovação e pela coragem. Na última década o setor da construção evoluiu, passou por mudanças positivas e também dificuldades, mas assim como os jornalistas da Tribuna, sabe se reinventar e vencer na dificuldade. Parabenizo cada profissional deste jornal que orgulha Alagoas pela sua história de luta”, mencionou.

SETOR DO COMÉRCIO

Para o presidente do Sistema Fecomércio, Wilton Malta, a Tribuna é sinônimo de persistência. "A Tribuna Independente tem uma história de persistência e determinação pautada no respeito aos leitores. Mesmo mediante a revolução da tecnologia que permite o acesso à informação em tempo real, a Cooperativa se mantém firme no propósito de oferecer um trabalho de qualidade".

“A responsabilidade em lidar com a informação de maneira séria e a cumprir também o papel social do Jornalismo é uma missão que requer muito profissionalismo. A todos que fazem a Tribuna Independente os nossos parabéns e desejos de mais sucesso”, afirmou Wilton Malta.

 

]]>
<![CDATA[Sindjornal ressalta espírito de guerreiros dos profissionais da Tribuna]]> Para o presidente do Sindicato dos Jornalistas de Alagoas (Sindjornal), Izaías Barbosa, a Tribuna Independente é um marco importante no jornalismo alagoano. 

“Há dez anos, com o fechamento da Tribuna de Alagoas, os jornalistas e gráficos resolveram assumir o desafio de administrar o veículo de comunicação e produzir conteúdo para colocar nas ruas o jornal impresso Tribuna Independente e tornaram o sonho em realidade. O que não faltou para esses bravos trabalhadores foi força para lutar, resistiram com muita garra aos problemas, garantiram o emprego dos cooperados e mantiveram ativo o espaço de comunicação que serve de Tribuna para o povo alagoano", diz Izaías.

"Nesse período presenciamos o fechamento de jornais que já estavam no mercado há vários anos, mas o Jorgraf (Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos) se manteve de pé e até acompanhou o avanço tecnológico lançando um portal de notícias", conclui.

ADEMI

Para Judson Uchôa, presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Alagoas (Ademi), “a Tribuna Independente tem desempenhado um importante papel junto à nossa comunidade. No curso dos anos vem contribuindo para informar gerações de alagoanos, difundindo atualidades em todos os níveis de nossa sociedade”.

Ainda segundoele, “os jornais são instrumentos imprescindíveis para o desenvolvimento. Como empresário e dirigente da Ademi, que representa nossa construção civil imobiliária, parabenizo aqui todos aqueles que fazem a Tribuna Independente, pois a informação é um elemento de grande valor em todos os aspectos da vida diária”.

 

]]>
<![CDATA[Para Braskem, década de criação da Jorgraf foi de consolidação]]> Nestes 10 anos a Braskem se consolidou como uma das maiores companhias petroquímicas mundiais com investimentos expressivos no Brasil, Estados Unidos, Alemanha e México. Com destaque para os projetos de inovação e desenvolvimento sustentável, como o desenvolvimento do plástico verde.

Em Alagoas vale ressaltar o investimento de cerca de um bilhão de reais na inauguração da nova fábrica de PVC; inserida e atuando dentro dos padrões de ética e transparência, a empresa vem nos dois últimos anos reforçando seus controles internos e externos, com a criação de uma área específica de compliance para seguir atuando em conformidade com as legislações dos países onde tem unidades. Nesta década a empresa procurou sempre o desenvolvimento de novos produtos para tender as demandas dos clientes e contribuir para o fortalecimento do setor químico e do plástico no Brasil e no mundo.

Milton Pradines, diretor de relações institucionais da Braskem, frisa que o aniversário de 10 anos da Tribuna é uma das conquistas, que devem ser celebradas e divulgadas. “Criar e manter um espaço plural de informação e jornalismo, aliando inovação – a reunião de duas cooperativas de trabalhadores na gestão dessa iniciativa, já seria por si só, um marco na história do jornalismo brasileiro. E conseguir avançar e atingir dez anos de história, em meio a um período de profundas mudanças estruturais nos meios de comunicação e de uma grave crise econômica, transforma este ‘feito’ em um ato de resiliência, determinação e coragem. De muita bravura”. “Parabéns a todos que fazem a Tribuna. É um 

 

]]>