<![CDATA[ Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas ]]> <![CDATA[Missão do BID conhece projetos para o programa Maceió de Frente pra Lagoa]]> O prefeito Rui Palmeira recebeu, nesta segunda-feira (20), especialistas e consultores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para apresentar a conclusão do projeto de requalificação da orla lagunar, o programa Maceió de Frente Pra Lagoa.

Além do prefeito Rui Palmeira, gestores da Prefeitura se reúnem com a comitiva do Banco para a apresentação do impacto social e ambiental do Maceió de Frente Pra Lagoa. O encontro está sendo realizado na sala de eventos do Hotel Brisa Mar, na orla de Pajuçara. “A expectativa é que até o final do ano demos início às obras, que incluem esgotamento sanitário, pavimentação, iluminação e habitação na região do Bom Parto e do Brejal, locais degradados hoje em dia e que serão completamente revitalizados”, adiantou o prefeito.

“Queremos a aprovação de financiamento do banco para encaminharmos o projeto ao Tesouro Nacional. Esperamos que dê tudo certo, pois é uma iniciativa de resgate do entorno da Lagoa Mundaú”, ressaltou Rui Palmeira.

Na oportunidade, o especialista em Desenvolvimento Urbano do BID e chefe da missão, Aderbal Curvelo, reforçou o interesse do Banco em financiar o projeto. “É muito importante que todos os projetos propostos pela Prefeitura estejam de acordo com os critérios estabelecidos. Vamos analisar todo material preparado para finalmente submetermos à aprovação da diretoria do banco. A semana será de muito trabalho duro”, pontuou.

O assessor especial da Prefeitura, Gustavo Novaes, explicou as etapas que estão por vir. “O banco vem verificar os projetos e a documentação apresentada pela Prefeitura, para então aprovar o financiamento. Daí decorre um prazo de protocolo de encaminhamento à Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e Senado. Passada esta fase, volta-se à STN para a apresentação da carta de aprovação, discussão das cláusulas contratuais e chancela final do Governo Federal para enfim assinarmos o contrato de financiamento e iniciarmos a fase de contratação de obras”, detalhou.

Além da execução de obras estruturantes, a Missão do BID discute também capacitação e geração de emprego e renda para população residente na área que será requalificada.

A comitiva do BID permanece em Maceió até a sexta-feira (24) para uma série de atividades, como visitas técnicas e encontro com a comunidade que será beneficiada diretamente com a execução do projeto.

O projeto

O Maceió de Frente pra Lagoa é um programa de requalificação de um trecho da orla lagunar localizado entre os bairros Bom Parto e Bebedouro. O Programa, que beneficiará diretamente 150 mil pessoas, prevê a construção de 1900 unidades habitacionais – por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal – , equipamentos sociais e de assistência à educação e saúde, sistema de esgotamento sanitário, iluminação, além do projeto eixo viário lagunar que vai melhorar a mobilidade urbana na região.

O programa será custeado em parte pelo Município, que vai entrar com U$ 63,5 milhões em recursos próprios, e através do financiamento do BID, com mais U$63,5 milhões.

]]>
<![CDATA[Assistência religiosa muda a vida de reeducandos nos presídios alagoanos]]> Muitos sabem que a promoção da saúde, educação, trabalho são vetores importantes para transformação de vida dos apenados. Mas além dessas diretrizes, um fator presente na Lei de Execuções Penais (LEP) tem sido fomentado pela Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris): a liberdade de culto, com a promoção da assistência religiosa nos presídios.
 
Ciente do poder da fé, a Seris intensificou suas parcerias com as instituições religiosas. Com ações diárias, pastores e voluntários evangélicos criam um ambiente de paz e harmonia nas unidades prisionais.
 
“O trabalho de assistência religiosa realizado no sistema foi o ponto principal para ele enxergar uma luz no fim do túnel, um momento para refletir e ver que precisava mudar”, explica Luiz Alberto da Silva, filho de um ex-reeducando, ao destacar como o acesso à religião fomentado pela Seris mudou a vida de seu pai.
 
Através das ações, vários seguimentos religiosos levam palavras de conforto e esperança para os custodiados. Igreja Universal do Reino de Deus, Igreja Adventista do Sétimo Dia e Assembleia de Deus são algumas das instituições que realizam a assistência nos presídios.
 
Muitas vezes, os reeducandos têm acesso à assistência religiosa no cárcere e permanece na igreja após cumprir sua pena. Em outros casos, os servidores passam a seguir determinada religião levados pelos encontros realizados no ambiente prisional.
 
A subchefe do Presídio do Agreste, Débora Amorim, afirma que o ambiente da unidade fica mais tranquilo após os encontros religiosos. "Acredito que a religião é o ponto de partida para a ressocialização. Os internos agradecem e elogiam esse trabalho, afirmando que fica mais fácil cumprir a pena ouvindo palavras de otimismo", revela a agente penitenciária.
 
 Para o pastor Nereu Amorim, responsável pelo grupo de assistência da Igreja Universal, a parceria com a Secretaria é muito importante. “Nós temos muita afinidade com a Seris, pois os gestores propiciam todo o apoio necessário. Nós não evangelizamos apenas os reeducandos, muitos agentes penitenciários também começam a frequentar a igreja através desse trabalho”, comenta o pastor.
 
O secretário da Ressocialização, TC PM Marcos Sérgio de Freitas lembra que o auxílio espiritual renova as esperanças do apenado, gerando uma reflexão e uma perspectiva melhor para o futuro por meio da fé. “As Igrejas Universal, Adventista e Assembleia desenvolvem grandes ações no sistema prisional. Através das palavras de conforto dos pastores e voluntários evangélicos vidas são transformadas nos presídios”, finaliza o secretário.
]]>
<![CDATA[MP Comunitário realiza atividades em defesa do meio ambiente e da mulher]]> Experiência bem-sucedida de inserção do Ministério Público do Estado de Alagoas no seio da comunidade do Vergel do Lago, o programa Ministério Público Comunitário realiza, nesta quarta-feira (22), o III Encontro Local de Educação Ambiental no bairro do Vergel do Lago, a partir das 8h30. Já no dia 8 de março, será a vez da II Caminhada de Mobilização Contra o Descarte de Lixo, que terá como tema a luta da mulher por melhores condições de vida e trabalho.

Com as atividades, o programa da Procuradoria Geral de Justiça visa mobilizar a população e instituições locais para a construção coletiva de alternativas em torno da problemática do descarte irregular de lixo. A situação tem se agravado ao longo do tempo e causa diversos transtornos ambientais e sanitários no bairro do Vergel e outras comunidades da zonal sul de Maceió.

O acúmulo de dejetos é responsável por inúmeras doenças para a comunidade, entre elas, os surtos de bicho-de-pé, dengue, zika, chikungunya. Isso porque o descarte irregular acarreta o aparecimento de animais e insetos transmissores de doenças.

“Devemos cobrar do poder público melhorias e fazer a nossa parte. É importante entender que a reciclagem representa fonte de renda. Sabendo disso, devemos unir forças para combater o mal causado e transformá-lo em algo positivo”, disse o promotor de Justiça Cláudio Malta, que coordena o programa ao lado da promotora de Justiça Maria José Alves.

No III Encontro Local de Educação Ambiental, serão oferecidas palestras sobre doenças relacionadas ao lixo e o uso correto do descarte dele. Alusivo ao Dia Internacional da Mulher, a temática da II Caminhada de Mobilização Contra o Descarte de Lixo trará à tona as condições de vida da mulher na sociedade atual, em especial aquelas que vivem em comunidades em desvantagem social e sua luta pela sobrevivência, bem como o combate à violência doméstica e familiar contra o sexo feminino.

O encontro será realizado na sede do programa, que fica na Rua Marquês de Pombal, sem número. A caminhada, por sua vez, terá como ponto de concentração na Praça Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, próximo à base da Polícia Comunitária. Na segunda atividade, haverá apresentações culturais, oficinas, atendimento e campanha sobre os direitos das mulheres, prestação de serviços e a própria mobilização contra o descarte irregular de lixo. Tudo isso a partir das 14h.

O programa

O programa MP Comunitário foi instituído em 2011, com o objetivo de criar e fortalecer instrumentos alternativos para a solução de conflitos, a promoção social e da dignidade humana, com vistas à redução da violência, a criação de uma cultura de paz, reconhecendo e aproveitando os talentos e recursos comunitários.

Para a solução dos conflitos, o programa utiliza a mediação como instrumento alternativo para a solução dos conflitos. Como serviços do programa, destaca-se a mediação de conflitos entre familiares ou vizinhos, que tem apresentado resultados satisfatórios reconhecidos pela própria comunidade.

Os mediadores de conflitos atendem, diariamente, os casos de conflitos existentes entre os moradores do Vergel do Lago e bairros adjacentes. As principais demandas apresentadas estão relacionadas às questões familiares e aos conflitos das relações de vizinhança.

Direitos Humanos

O chefe do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL), Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, recebeu, no início da semana, a visita da ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois. Na ocasião, foram discutidas possíveis parcerias para fortalecer a atuação das duas instituições em ações voltadas, por exemplo, às minorias, à cidadania, à igualdade racial e à questão das pessoas com deficiência, da criança e do adolescente e do idoso. Como sugestão para a atuação do MPE/AL nesse segmento, o procurador-geral de Justiça sugeriu que o projeto MP Comunitário seja o protagonista dessas futuras ações.

Visitando as unidades do Ministério Público brasileiro, a ministra quer encontrar parceiros que possam trabalhar em sintonia com as atividades que serão desenvolvidas no calendário de 2017. E, tendo o MPE/AL o programa do MP Comunitário, que trabalha direitos e cidadania, Alfredo Gaspar viu no projeto o canal ideal para a que essa parceria possa ser executada.

“O MP Comunitário é um programa que tem o objetivo de fortalecer os instrumentos alternativos para a solução de conflitos, a promoção social e a valorização da dignidade humana, com vistas à redução da violência e para a criação de uma cultura de paz. Portanto, ele é ideal para trabalhar esse tipo de questão. Temos uma equipe multidisciplinar que pode atuar nesse tipo de trabalho e desenvolver ações que envolvam várias comunidades. Se conseguirmos estrutura para isso, certamente teremos êxito”, afirmou o chefe do MPE/AL.

Entusiasmada com o programa, que foi instituído em 2012, a ministra Luislinda Valois prometeu estudar a viabilidade de apoio e dar uma resposta ao MPE/AL sobre a formato de convênio que pode ser estabelecido nesse sentindo.

]]>
<![CDATA[MPT destina R$ 40 mil em equipamentos ao Ministério do Trabalho em AL]]> O Ministério Público do Trabalho (MPT) realizou a destinação, na última sexta-feira, 17, de R$ 40 mil em equipamentos de informática à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Alagoas (SRTE/AL), órgão vinculado ao Ministério do Trabalho. O valor da destinação corresponde ao pagamento de multa, após o MPT ajuizar ação civil pública para pedir a responsabilização de um empregador por um acidente de trabalho com morte em sua propriedade. A ação que gerou o pagamento foi ajuizada pelo procurador Rodrigo Alencar.

Os equipamentos foram entregues ao superintendente da SRTE em Alagoas, Israel Lessa, e ao chefe-substituto da Fiscalização do Trabalho no estado, o auditor fiscal Alex Oliveira. Foram doados estabilizadores, notebooks, uma impressora multifuncional laser colorida, caixas acústicas, teclados, mouses e softwares. Ao todo, o MPT destinou 27 itens, que totalizaram R$ 39.956,68.

O superintendente Israel Lessa agradeceu pelos equipamentos recebidos e reafirmou a importância da parceria com o Ministério Público do Trabalho no combate às irregularidades trabalhistas. “Mais uma vez agradecemos a essa parceria que o MPT vem fazendo para transformar essas multas em benefícios ao Ministério do Trabalho, principalmente à Fiscalização do Trabalho. Não só em Alagoas, mas em todo o país o MPT tem feito ações como essa para fortalecer a atuação dos órgãos de Fiscalização. Sem dúvida, a destinação dos equipamentos vai gerar um retorno positivo aos trabalhos realizados pelo Ministério do Trabalho”, disse Israel Lessa.

A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego tem 30 dias para destinar os equipamentos aos auditores fiscais do Trabalho, e mais 90 dias para incorporar os materiais ao seu patrimônio. Os bens devem ser destinados, especificamente, para as tarefas que correspondam à atividade-fim da instituição.

]]>
<![CDATA[Reeducando é encontrado morto por suposta descarga elétrica no Baldomero]]> Um reeducando de 31 anos, que cumpria pena no presidio Baldomero Cavalcanti, por roubo de motocicleta, crime ocorrido em novembro do ano anterior, foi encontrado morto no último sábado (18).

A Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (Seris) por meio da assessoria de comunicação confirmou a informação na manhã desta segunda-feira (20). O órgão confirmou que um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) foi aberto para apurar as causas e circunstâncias.

Pedro Henrique Matias da Silva foi preso há cerca de três meses após ter roubado uma motocicleta na Praça Centenário, em Maceió. O veículo de duas rodas estaria preso a um cadeado, do qual, ele forçou até conseguir subtraí-la.

A polícia conseguiu abordá-lo e ao pedir os documentos, Pedro alegou não ter e confessado que roubou a motocicleta, inclusive detalhando como se deu o furto. A intenção, segundo ele, seria vender posteriormente.

Ainda não se sabe se Pedro Henrique estava tentando fugir quando sofreu o choque.   

]]>
<![CDATA[Pardais eletrônicos voltam a funcionar a partir de hoje em Maceió]]> A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) retoma, nesta segunda-feira (20), a fiscalização eletrônica em vias da capital alagoana. Os condutores que excederem a velocidade permitida, avançarem sinal vermelho e pararem sobre faixas de pedestres passarão a ser autuados pela fiscalização do órgão.

Em Maceió, no período em que vigorou a fiscalização eletrônica (28 de fevereiro a 30 de março de 2016), dados do Serviço de Atendimento de Urgência (Samu) mostraram uma redução de 66,27% no número de acidentes na Avenida Durval de Góes Monteiro, comparado com o mesmo período do ano anterior. Na avenida Fernandes Lima, a redução foi de 44,4%, em comparação ao mês anterior à implantação da fiscalização eletrônica.

“No período em que funcionaram, os fotossensores conseguiram reduzir a velocidade nas vias e o desrespeito ao sinal vermelho, o que ocasionou na redução direta no número de acidentes. A ação mostrou a importância do monitoramento para a preservação da vida dos maceioenses”, ressaltou Antonio Moura, gestor da SMTT.

Sinalização de velocidade na Avenida. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

Antes do início oficial do monitoramento através de fotossensores em Maceió, a Superintendência realizou uma semana educativa no intuito de alertar os condutores sobre o retorno da fiscalização.

Quais são os pontos de fiscalização eletrônica?

Os pontos de fiscalização eletrônica com velocidade máxima de 60 km/h são (atenção também para o avanço de sinal vermelho e parada sobre a faixa de pedestres):

1- Cruzamento da Avenida Fernandes Lima com a Avenida Rotary;

2- Avenida Fernandes Lima com a Rua Abelardo Pontes Lima (próximo ao Hiper Bompreço);

3- Avenida Fernandes Lima com as Ruas Desembargador Tenório e Professor Guedes de Miranda (próximo à Casa das Carnes);

4- Avenida Durval de Góes Monteiro até a Avenida Senador Galba Novaes de Castro (próximo ao supermercado Makro Atacadista).

5- Já no cruzamento da Av. Álvaro Otacílio com a Rua Eng. Mário de Gusmão a velocidade máxima permitida é de 50 km/h.

Qual o horário de funcionamento da fiscalização?

Segundo a SMTT, a fiscalização eletrônica para limite de velocidade será 24h, durante os sete dias da semana.

Já nos casos de avanço de sinal vermelho e parada sobre faixa de pedestre, os equipamentos ficarão sem fiscalizar no período das 23h até 5h do dia seguinte.

Por que usar fiscalização eletrônica no trânsito?

Estudos e pesquisas realizadas em outras capitais brasileiras mostraram uma significativa redução de acidentes e mortes no trânsito com o uso da fiscalização eletrônica.

Em Maceió, no período em que vigorou a fiscalização eletrônica (28 de fevereiro a 30 de março de 2016), dados do Serviço de Atendimento de Urgência (Samu) mostraram uma redução de 66,27% no número de acidentes na Avenida Durval de Góes Monteiro, comparado com o mesmo período do ano anterior.

Na avenida Fernandes Lima, a redução foi de 44,4%, em comparação ao mês anterior à implantação da fiscalização eletrônica.

Como vou saber que fui autuado pela fiscalização eletrônica?

A SMTT enviará a Notificação do Auto de infração (NAI) via remessa postal.

Como posso recorrer?                              

Após recebimento da NAI, o condutor receberá no prazo de cerca de 30 dias a Notificação de Infração de Penalidade (NIP). A partir de então, o condutor terá conhecimento do cometimento da infração e poderá acionar os recursos de defesa prévia e outras instâncias se tiver a certeza e provar que não cometeu a infração.

Qual o valor das multas?

Para a infração de velocidade máxima é levado em conta a porcentagem do excesso cometido. De acordo com o Artigo 218 do Código de Trânsito Brasileiro, quando a velocidade for superior à máxima em até 20%, a infração é de natureza média (valor de R$ 130,16).

Quando a velocidade for superior à máxima em mais de 20% até 50% a infração é grave (multa: R$ 195,23).

Já quando a velocidade for superior à máxima em mais de 50% a infração é  gravíssima com multa de R$ 880,41; suspensão imediata do direito de dirigir e apreensão do documento de habilitação.

No caso de avanço de sinal vermelho (art. 208 CTB), a infração é de natureza gravíssima no valor de R$ 293,47. Já a infração de parar sobre faixa de pedestres (art. 183 CTB) resulta em multa no valor de R$ 130,16.

Secom Maceió

]]>
<![CDATA[Homem é preso após bater em viatura da PM com sinais de embriaguez]]> Policiais do 5º Batalhão faziam rondas pelo bairro do Benedito Bentes quando de repente foi surpreendida por um homem de 30 anos, que visivelmente embriagado colidiu contra a viatura.

Luiz Henrique Borges Delfino se recusou a fazer o teste do bafômetro, porém foi realizado um Termo de Constatação de Embriaguez.

A SMTT Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito) esteve no local para fazer os procedimentos cabíveis, logo após o homem foi encaminhado até a Central de Flagrantes, onde foi feito o flagrante por dano ao Patrimônio, dirigir sob efeito de bebida alcoólica, além de direção perigosa.

]]>
<![CDATA[Prefeitura de Maceió promove Carnaval em oito polos da cidade]]> A Prefeitura de Maceió, por meio da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac), promove mais uma vez o Carnaval descentralizado, com programação em oito polos distribuídos em diferentes bairros da capital. A programação começa a partir do sábado (25), com a apresentação de grupos de bois, frevo e desfiles de escola de samba.

Os polos ficam nos bairros do Pontal da Barra, Ponta Grossa, Jacintinho, Benedito Bentes, Fernão Velho, Bebedouro, Ipioca e orla da Pajuçara. “A realização do carnaval em núcleos espalhados em diversos bairros e protagonizados pela própria comunidade reafirma a proposta de descentralização das festas adotada pela Prefeitura de Maceió. A ideia é fomentar e valorizar o Carnaval nos bairros levando oportunidades de acesso à cultura e à diversão para mais perto das pessoas”, disse o presidente da Fmac, Vinícius Palmeira.

Ainda segundo o gestor, o carnaval em Maceió deve ser considerado o da retomada. “Nos últimos anos tem-se feito um esforço muito grande para o retorno e consolidação dessa festa ao oferecer para a população, que fica na cidade, uma boa opção durante os festejos”.

Este ano, a prefeitura repete a organização do ano passado, mas com alguns detalhes extras. “Serão mantidos os oito núcleos, mas, em 2017, teremos o polo praia da Pajuçara. Com isso, quem estiver em Maceió, em qualquer bairro, poderá se deslocar até a orla, apreciar nossas belezas naturais e assistir o nosso carnaval. O polo funciona no sábado (25), com o desfile das escolas de samba, no domingo (26), com a passagem de alguns blocos carnavalescos e na segunda-feira (27), com o desfile de um bloco afro, juntamente com o encontro dos grupos de Boi”, detalhou Marcus Sampaio, da Fmac.

“Outro destaque será a retomada do polo do Bebedouro, que depois de muitos anos, praticamente, sem carnaval, funcionará na segunda e terça, próximo a Praça Lucena Maranhão, que já foi um dos quartéis generais do frevo em Maceió. A festa também será realizada em dois bairros tradicionais da cidade que representam a história do carnaval na capital. Um é o polo da Praça Moleque Namorador, na Ponta Grossa”, destacou Sampaio.

Além do suporte em segurança, limpeza, ordenamento de trânsito e iluminação, a Prefeitura investiu R$ 300 mil, garantindo infraestrutura de palco, som, iluminação e banheiros químicos. Cada polo também receberá uma ajuda de R$ 6 mil, que serão repassados às instituições comunitárias que já trabalham na produção do Carnaval nessas comunidades para a contratação de bandas locais.

Para a escolha e manutenção dos demais polos, a Prefeitura de Maceió levou em conta a experiência obtida no ano passado, que priorizou fazer a maior abrangência da festa na cidade. “Ela foi feita de acordo com o potencial de mobilização das associações comunitárias para a organização da festa, organizada de modo equitativo, contemplando todas as regiões de Maceió. Vamos ter carnaval nas duas saídas de Maceió. Uma no litoral sul, no bairro de Pontal da Barra, e o outro para o norte, em Ipioca. Fernão Velho também foi contemplado e vai atingir toda aquela região como Clima Bom e Rio Novo, com quatro dias de folia. Para os demais pólos, Benedito Bentes e Jacintinho, foi levada em conta a dimensão geográfica, já que são os bairros mais populosos de Maceió.

A programação de cada polo foi organizada junto com as comunidades e haverá atrações diversificadas, conforme as características próprias de cada local. Algumas comunidades farão apenas matinês e em outras, a folia começa mais tarde. A programação mais longa acontecerá na orla de Pajuçara. “Queremos que a população, que em grande parte fica na cidade, tenha a oportunidade de brincar o carnaval oferecido pela prefeitura, perto de onde moram”, ressaltou Palmeira.

A programação completa está sendo ajustada e será divulgada na próxima semana.

]]>
<![CDATA[Prefeitura de Maceió viabiliza parcerias para reformar praças e monumentos]]> A recuperação de áreas de lazer, praças e monumentos da capital é um serviço que tem sido realizado pela Prefeitura de Maceió para devolver à população espaços degradados pela ação do tempo e de vândalos. Além de investir recursos municipais, a gestão também tem firmado parcerias com a iniciativa privada por meio de uma ação inovadora criada pelo Executivo: o projeto Adote uma Área Pública, lançado em 2013, a partir da Lei nº 6.286.

A partir da adesão ao projeto, empresas privadas passam a ser responsáveis pela manutenção dos espaços por dois anos, conforme estabelecido em documento assinado pelo representante da iniciativa privada, pelo prefeito e o gestor do órgão responsável pelo projeto, hoje gerido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Semds). Nos últimos quatro anos, grandes serviços foram executados, conforme lembra o titular da pasta, Gustavo Acioli.

“O projeto Adote uma Área Pública foi criado por meio de uma lei sancionada pelo prefeito Rui Palmeira, uma iniciativa de grande importância que tem ajudado o Município a dar maior celeridade às obras e reformas na cidade. É um instrumento que permite a iniciativa privada cuidar e resgatar patrimônios que a Prefeitura entregou à cidade. Com as parcerias, reduzimos o custo com a manutenção e podemos investir os recursos em outras áreas”, diz Acioli.

Entre as obras realizadas por meio da parceria com a iniciativa privada, o titular da Semds cita as revitalizações da Praça Afrânio Jorge, conhecida como Praça da Faculdade, no Prado; a Praça Central da Colina dos Eucaliptos e a Praça Joaquim Marques Luz, conhecida como Praça do Sanatório. Nessa semana, Gustavo Acioli representou o prefeito Rui Palmeira em solenidade em que foi firmada uma nova parceria: desta vez com o Restaurante Anamá, que adotou o totem “Eu Amo Maceió”, na orla.

O titular da Semds reforça que o órgão ampliará a busca por parcerias e diz de que forma os interessados em participar do projeto podem colaborar coma iniciativa da Prefeitura.

“Fizemos a primeira adoção de 2017 e vamos bater muito nessa tecla ao longo do ano. Estamos voltando a consultar os empresários que demonstraram interesse em ser parceiros da Prefeitura no ano passado e estamos de portas abertas para novas parcerias. Ou seja, o empresário que tem condições de ajudar a melhorar alguma área da cidade pode procurar a Semds. Nós vamos resolver toda a parte burocrática para que uma nova área seja adotada, seja para reforma ou manutenção”, explica o secretário.

Ainda sobre a Lei nº 6.286, Gustavo Acioli lembra que há duas formas de ajudar a cidade. “A lei tanto nos ajuda a recuperar espaços degradados, como praças e canteiros, assim como prevê a condição da iniciativa privada dar manutenção em áreas públicas e monumentos entregues pela Prefeitura à população, ajudando a reduzir os custos com reformas. Essas parcerias geram um ganho para a cidade, um ganho para as empresas e para a população em geral. Na época de crise que o país vive, esta é uma ferramenta importante”, afirma o gestor.

O secretário fala da importância de a sociedade contribuir com as melhorias em Maceió. “Sabemos que a responsabilidade é da Prefeitura, mas devemos ter a consciência de que cuidar da cidade é um dever de todos. O poder público tem que fazer a sua parte, os empresários devem fazer a sua parte e a população também, para que o maceioense tenha sempre uma cidade que se orgulhe”, completa o titular da Semds.

]]>
<![CDATA[Técnicos vistoriam condições de ônibus urbanos]]> Desde o início de fevereiro, a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) retomou a realização de vistorias diárias de veículos das empresas responsáveis pela operação do Sistema Integrado de Mobilidade de Maceió (SIMM). A ação visa verificar se o serviço prestado à população é o mais confortável e seguro possível, levando em conta o que determina o edital de licitação do transporte coletivo lançado em 2015.

As vistorias de coletivos são realizadas diariamente e para cada empresa, há um cronograma de vistorias, que prevê a avaliação de seis a oito guarnições de vistoria de transportes. “Na vistoria são observadas as condições físicas do veículo, a exemplo do estado de conservação de bancos, janelas, pneus e portas, bem como o funcionamento e a presença de equipamentos obrigatórios, como estação elevatória e extintor de incêndio”, explica o assessor técnico de Transportes da SMTT, Zenildo Filho.

“Para o usuário do sistema, a vantagem é ter a garantia de que o serviço prestado apresenta segurança, além de reafirmar a busca da SMTT pela melhora da qualidade dos ônibus”, destaca o assessor.

Veículos que apresentem defeitos nos equipamentos durante a vistoria podem receber diferentes penalidades, a depender da gravidade e do impacto do problema sobre a segurança viária e o serviço ofertado aos usuários. Questões como bancos rasgados resultam em notificação para solução em até 15 dias, enquanto para-brisas com pequenos defeitos devem ser trocados imediatamente.

Há ainda as vistorias volantes, onde as equipes de fiscalização de transporte e de vistoria visitam terminais e realizam a vistoria nos veículos que estão nos locais. “Se forem detectados problemas nas rodas ou defeitos que comprometam a segurança das viagens, o veículo é retido na garagem até que tudo seja resolvido e haja uma nova vistoria que comprove a solução do problema”, salienta o assessor técnico.

]]>