Saúde

6 de Fevereiro de 2018 11:21

Estudo estima que 1,2 milhão de casos de câncer surgirão até 2019 no Brasil

Estão previstas 600 mil ocorrências até o fim do ano

O combate ao câncer deve se acentuar nos próximos anos. Isso porque a estimativa é que até 2019 surgirão mais de 1,2 milhão de novos casos da doença no Brasil. Os dados foram divulgados, ontem, pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca). Estão previstas 600 mil ocorrências até o fim do ano. Segundo o órgão, as doenças e agravos não transmissíveis (Dant) já são os principais responsáveis por mortes ao redor do mundo — entre eles estão problemas cardiovasculares e tumores malignos.

O câncer de pele não melanoma é o mais frequente, e a perspectiva é de que continue assim nos próximos dois anos. Ao todo, cerca de 165 mil podem ser afetados por essa moléstia no país. Segundo os dados da pesquisa, há, provavelmente, mais casos de câncer em homens do que em mulheres. Enquanto para eles a estimativa é de cerca de 300 mil novos diagnósticos, para elas, o número fica em 282 mil. Além disso, os tipos da doença mudam de acordo com o gênero. No sexo masculino, os mais comuns são de próstata, com 31,7%; pulmão, 8,7%; intestino, 8,1%; estômago, 6,3%; e cavidade oral; 5,2%. No feminino, grande parte dos casos é devido à mama, com 29,5%, em seguida intestino, 9,4%; colo do útero, 8,1%; pulmão, 6,2%; e tireoide, 4%.

O estudo também divide os casos por região. O Sul e Sudeste devem concentrar cerca de 70% dos novos episódios nos próximos anos. Nesses locais, há o predomínio de cânceres de próstata e de mama feminina, assim como pulmão e intestino. Já no Centro-Oeste, a incidência maior é do de colo do útero e do de estômago. No Norte e Nordeste, apesar de a próstata e a mama liderarem o ranking, o de colo de útero e o de estômago também têm bastante impacto. A Região Norte é a única do país onde as taxas da doença na mama e no colo de útero se equivalem entre as mulheres.

Há, no entanto, vários fatores que podem estar entrelaçados no aumento de casos de câncer no país. Para o oncologista Paulo Lages, do Instituto Onco-Vida, a expectativa de vida é uma delas. Como o brasileiro, agora, tem uma longevidade maior, há também mais ocorrências de doenças atribuídas ao envelhecimento. “Eu costumo dizer que o câncer se beneficia de todos os avanços da medicina. Antes, havia menos incidência porque as pessoas morriam cedo. Com o avanço da cardiologia, da neurologia e de todas as outras especialidades médicas, os pacientes param de morrer de outras doenças e passam a morrer de câncer”, comentou.

Outro fator, segundo Lages, é a melhora técnica da medicina. Os diagnósticos são feitos com maior precisão e há aparelhos mais modernos, além da frequência dos exames preventivos. “É claro que tudo isso também está combinado ao estilo de vida. Hoje, com o dia a dia corrido, as pessoas priorizam menos a atividade física e a alimentação saudável. Isso certamente tem influência, nós só não sabemos contabilizar quanto”, avaliou.

Sobre os diferentes tipos de câncer para cada região do país, Lages comenta que há hábitos culturais ou desenvolvimento socioeconômico que podem explicar, a depender de onde a pessoa reside. “No Sul, por exemplo, há o costume de tomar bebidas quentes, e acaba tendo incidência maior de câncer de esôfago, por exemplo. Da mesma forma, o Nordeste, às vezes, por ser mais pobre e pela condição sociocultural, favorece outros tipos ligados à alta incidência de HPV na região”, disse.

Hábitos

Já para o oncologista Rafael Gadia, diretor de radioterapia do Hospital Sírio-Libanês, as principais causas estão ligadas ao consumo e aos hábitos das pessoas. “O clássico e mais bem definido é o cigarro. Tem gente que fumou muito tempo durante a vida, parou, mas a marca não sai. Assim como abuso de bebida alcoólica, principalmente associada ao cigarro. E estilo de vida, com certeza, desde o hábito alimentar quanto o sedentarismo”, explicou. Entre outros motivos, está a correlação com infecções, como é o caso do HPV. De acordo com ele, é necessário colocar numa perspectiva o número de ocorrências. “Nós temos de ver se está aumentando ou não. A percepção é de que está, mas tem câncer que tem diminuído (a incidência) e tem tipo aumentando”, comentou.

Apesar de não haver uma justificativa absoluta sobre o motivo que leva mais homens a terem câncer do que mulheres, segundo Gadia, há hábitos que podem influenciar. “Homens fumam mais que as mulheres, e o câncer de pulmão é algo que acontece mais para a frente. Pode ser também a exposição a agentes químicos. Mas a tendência é de que as mulheres alcancem os homens nisso”, previu.

Para que a população reduza os riscos ou aumente a detecção precoce, é necessário seguir as recomendações. “Evitar a exposição ao tabaco e o consumo exagerado de álcool, além de mudar hábitos de vida, como sedentarismo”, ressaltou o oncologista.

“Eu costumo dizer que o câncer se beneficia de todos os avanços da medicina. Antes, havia menos incidência porque as pessoas morriam cedo. Com o avanço da cardiologia, da neurologia e de todas as outras especialidades médicas, os pacientes param de morrer de outras doenças e passam a morrer de câncer”

Paulo Lages, médico do Instituto Onco-Vida

Fonte: Correio Braziliense

Comentários

MAIS NO TH