Política

19 de Abril de 2018 08:40

Deputados estaduais almejam a Câmara Federal

Isnaldo Bulhões Júnior e Sérgio Toledo confirmam disputa para deputado federal pelo MDB e PR, respectivamente

↑ Deputados estaduais Isnaldo Bulhões e Sérgio Toledo devem dividir as bases eleitorais do deputado federal Maurício Quintella (Fotos: Ascom/ALE)

Com a pré-candidatura para a Câmara Federal de Isnaldo Bulhões (MDB), que confirmou à reportagem da Tribuna Independente estar construindo junto ao partido a pretensão de ser deputado federal, ao menos outros três deputados estaduais não devem tentar a reeleição e disputar o parlamento em Brasília. São eles: Sérgio Toledo (PR), Severino Pessoa (PRB) e Jairzinho Lira (PRTB).

Isnaldo, que está em seu quinto mandato na Assembleia Legislativa do Estado (ALE), obteve na última eleição, 27.534 votos. Para alcançar uma das nove vagas na Câmara Federal, ele precisa triplicar esses números. Especialistas em eleições afirmam que políticos que pleiteiam o cargo de deputado em Brasília precisam ter em torno de 80 mil votos, a depender da coligação que estejam.

Na mesma situação aparece Sérgio Toledo (PR), que no último pleito obteve 41.465 votos, precisa dobrar sua votação. Para conseguir êxito, tanto ele quanto Isnaldo devem assumir e dividir as bases do ainda deputado federal Maurício Quintella Lessa (PR), que não vai para a reeleição e será candidato ao Senado. Em 2014, Quintella teve 76.706 votos, ficando com a 7ª vaga na Câmara Federal.

Severino Pessoa deixou o PSC e migrou para o PRB com a finalidade de conseguir se eleger deputado federal. Em 2014, ainda pelo PPS, ele se elegeu para a Assembleia Legislativa com 30.806 votos. Para ter êxito em suas pretensões, o deputado precisa aumentar o seu eleitorado. Por isso, Severino conta com o apoio de sua esposa, atualmente vice-prefeita de Arapiraca. Ela estava sendo cotada para se candidatar a deputada estadual. Além disso, o parlamentar espera aumentar suas bases no Agreste.

Jairzinho Lira é outro deputado que concentra suas bases no Agreste. Para se eleger deputado federal, ele preferiu deixar o MDB e retornar para o PRTB, partido o qual foi eleito deputado estadual em 2014, tendo 41.580 votos.

CAUTELA ELEITORAL

Enquanto quatro deputados estaduais estão em processo mais avançado e praticamente confirmam presença no páreo por Brasília, outros três caminham com cautela, já que ainda dependem de articulações para tentar o salto. Mais votado em 2014 com 60.759 votos, o deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB), em recentes entrevistas, disse que vem estudando a possibilidade e que não descarta a candidatura. O que pode atrapalhar é o fato de que ele vem sendo pressionado dentro do partido para ser o candidato da oposição ao governo, contra Renan Filho (MDB), devido ao anúncio do prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), de que estava fora da disputa.

Antonio Albuquerque é outro deputado estadual que não descarta a possibilidade alçar voos mais altos.  Em seu sexto mandato e sendo reeleito em 2014 com 42.864 votos, o parlamentar pode fazer o inverso com seu filho Nivaldo Albuquerque, que atualmente é suplente de deputado federal. Nivaldo se candidataria na Assembleia Legislativa e Antonio iria para Brasília.

O primeiro secretário da Mesa Diretora da ALE, deputado Marcelo Victor (SD) também pode disputar a Câmara Federal. Mas, a definição só deve sair próximo as convenções.

DE SAÍDA

O presidente do Legislativo, deputado Luiz Dantas (MDB) deve se aposentar da política. Em seu lugar, se candidata o filho, Paulo Dantas (MDB), ex-prefeito de Batalha. Já Marquinhos Madeira (MDB) faz o inverso, deixa de concorrer para apoiar a candidatura do pai na Assembleia, Marcos Madeira (PRTB), ex-prefeito de Maragogi.

Atualmente licenciado na ALE, o deputado João Beltrão (PRTB) anunciou que está deixando a vida pública devido aos problemas de saúde que vem enfrentando. Em seu lugar vai para a disputa o sobrinho Yvan Beltrão, filho de Joaquim Beltrão. Além também do vereador de Maceió, Dudu Ronalsa (PSDB), que também faz parte da família.

Fonte: Tribuna Independente / Carlos Victor Costa

Comentários

MAIS NO TH