Política

10 de dezembro de 2017 20:45

PSDB tem apenas metade da bancada a favor da reforma da Previdência

Alckmin, novo presidente da legenda, vai reunir bancadas pra debater posicionamento

↑ Geraldo Alckmin é o novo presidente do PSDB e vai reunir bancadas tucanas da Câmara e do Senado para debater reforma da previdência (Foto: Sérgio Lima/Poder360)

O PSDB apresentou a Michel Temer uma conta pequena sobre o apoio da bancada à reforma da Previdência. Apenas 22 dos 46 deputados da sigla se manifestaram abertamente a favor da proposta do governo.

Os tucanos escolheram neste sábado (9) o governador Geraldo Alckmin (SP) como novo presidente nacional da sigla.

Alckmin afirmou que reunirá a bancada tucana na Câmara e a Executiva Nacional para discutir um possível “fechamento de questão” sobre a reforma –ou seja, determinar aos congressistas que adotem 1 determinado posicionamento com o risco de serem punidos.

“Eu pessoalmente sou favorável [à reforma]. A minha posição pessoal é pelo ‘fechamento de questão’, mas isso não é só da Executiva, mas da bancada. Vamos ouvir a bancada e convocaremos uma reunião da Executiva para esta semana”, disse o governador.

O cenário de apenas metade da bancada apoiando maciçamente a reforma foi apresentado pelo então presidente interino da sigla, Alberto Goldman, ao presidente Michel Temer e outros presidentes de partido.

Há ainda 10 deputados sob a influência de Alckmin, mas que resistem à votação por motivos eleitorais. A não ser que haja 1 indicativo de aprovação, preferem não mudar de posição ainda.

Outros 14 deputados na bancada parecem não estarem dispostos a votar a reforma de jeito algum. O principal motivo é a impopularidade que o texto ainda tem em alguns Estados e o impacto que a votação teria nas eleições de 2018.
O “fechamento de questão” poderia servir como uma desculpa aos deputados que ainda resistem em votar o texto. Com a justificativa de que seria punido caso votasse contra a proposta, alguns congressistas devem seguir a orientação partidária.

O ex-ministro Antonio Imbassahy, que pediu demissão na 6ª feira (8.dez), voltará à Câmara para a votação da reforma. Deve auxiliar no convencimento interno na bancada em favor do governo de Michel Temer.

Fonte: Poder 360

Comentários