Interior

10 de fevereiro de 2018 08:10

Japaratinga: atrações pouco exploradas

Cidade está entre as que fazem parte da Costa dos Corais, com toda exuberância e beleza da região do Litoral Norte

pagina 17 1 - Japaratinga: atrações pouco exploradas
↑ Praias e piscinas naturais de Japaratinga oferecem um mar belo e calmo verde esmeralda, com a vantagem da tranquilidade e calmaria dentre os destinos turísticos encontrados no Litoral Norte alagoano (Foto: ICMBio / Cortesia)

Belo e repleto de atrações, Japaratinga é talvez um dos municípios da Costa dos Corais alagoana, rico em belezas naturais e praias lindíssimas, piscinas naturais pouco exploradas, muitas pousadas e hotéis, culinária deliciosa a base de frutos do mar e uma natureza exuberante, onde os visitantes podem buscar tranquilidade e se sentir livres.

A 115 km de Maceió e 140 km do Recife, Japaratinga é a vizinha menos conhecida e mais tranquila de Maragogi, mas que guarda as mesmas características de sua vizinha: mar verde esmeralda, muitos coqueiros e piscinas naturais. Tudo isso com a vantagem de ser bem mais tranquila e barata.

Japaratinga começou numa colônia de pescadores implantada onde hoje é a Prefeitura Municipal e se desenvolveu a partir de 1800, com o início do ciclo do coco. Em 1935, já contava com um pequeno estaleiro para os navios transportadores de coco. Uma estrada que dava acesso apenas a animais ligava a rodovia principal que conduzia até Porto Calvo. A igreja Matriz foi erguida há mais de 300 anos durante a ocupação holandesa e continua até hoje conservada em seu estado original.

Antigo povoado de Maragogi com o nome original, dado pelos Índios que habitavam a região de Japaratuba, e que os primeiros colonos denominavam de Japaratuba da Praia, para distingui-lo de Japaratuba da Mata, que ficava na região das matas úmidas. O nome Japaratuba vem do tupi “Japaratuba”, e ainda “yapara-tyba”, que quer dizer  “sítio dos arcos”, já que por ali os índios produziam seus arcos e flechas. Em 1960 o antigo distrito se separa do município de Maragogi, e recebe o nome de Japaratinga.

Atualmente o turismo tem se tornado o motor da economia do município. As piscinas naturais, por exemplo, já entraram na mira das operadoras de turismo e muitos jangadeiros realizam esses passeios.

Para quem quiser conhecer belas piscinas, não precisa ir até Maragogi ou São Miguel dos Milagres, já que Japaratinga possui os seus belos recifes de corais, bem menores do que os de Maragogi, mas você também paga menos pelo passeio, que custa em média R$ 50,00 por pessoa. Lembrando que, para aproveitar melhor o passeio, o ideal é ir em dias de maré baixa e no horário da maré vazante.

As praias de Japaratinga também são bonitas. A primeira, urbana, é a Praia Central, com muitos bares, restaurantes e pousadas. Ideal para longas caminhadas e o primeiro ponto de embarque para as piscinas naturais. Nessa praia se encontra dois dos restaurantes mais badalados da região: o Lagostão, especializado nessa especiaria do mar e cada vez mais rara na região, e o Mama Pereira, do chef Nego, que usa em sua culinária os frutos do mar e da terra.

Em seguida tem a Praia de Bitingui, que ficou famosa internacionalmente depois que um resort se instalou ali nos anos de 1980.

A praia possui o mar bem tranquilo, praticamente uma piscina, ideal para ir com crianças ou simplesmente para o adulto, que quer ficar numa boa na água rasa e quentinha. Mas cuidado, a maré pode subir de repente e aí o mar fica bem bravo, com ondas assustadoras. Fique ligado para o Mirante de Japaratinga, onde funciona uma lanchonete que serve sorvetes e água de coco.

Praia de Bicas do Boqueirão é o ponto mais famoso

Barreiras do Boqueirão é a região de Japaratinga que concentra um povoado bucólico. Um grande número de pessoas vive da pesca, sejam pescadores de barcos ou marisqueiros, com restaurantes mais tradicionais e mais antigos do município, além de algumas belas pousadas.

A praia mais badalada e a maior atração turística da região fica nas famosas Bicas do Boqueirão que recebem milhares de pessoas todos os anos em busca de um banho gelado de água doce e quem sabe um milagre, mistério que envolve suas águas.

Para chegar até Barreira de Boqueirão, saindo da Rota Ecológica, basta atravessar o Rio Manguaba nas charmosas balsas, travessia que dura no máximo 15 minutos. Seguindo adiante pela bucólica estrada de paralelepípedos, rodeada por coqueiros, mangueiras e cajueiros, casas de veraneio e pousadas vão surgindo.

Depois a visão do paraíso: Barreira do Boqueirão, que é a praia famosa de Japaratinga, com um trecho pequeno de areia e alguns restaurantes e bares próximos ao mar que oferecem a estrutura de que um turista precisa para passar o dia. A praia possui ainda um belo mirante.

O mar por ali costuma ser calmo e fica parecido com uma piscina durante a maré baixa, mas, conforme a maré vai aumentando, as ondas ficam fortes e quase todo o trecho de areia da praia chega a ser tomado pelo mar.

E próximo à praia, na rua de acesso, você poderá tomar banho de água doce e limpa nas famosas bicas. Mas lembre-se apenas de que há uma bica destinada aos homens e outra, às mulheres.

O banho de bica em Barreira do Boqueirão é mais antigo do que o próprio município.

Nos livros de história, o local é descrito como “Biquinha de São Thomé”, cujo povoado em 1937 ainda pertencia a Maragogy, assim mesmo: grafado com “Y”, conforme a língua de origem indígena.

A Biquinha fluía de um dos flancos do monte lateral à Praia de Boqueirão e tinha, na época, cerca de 25 metros quadrados e uma profundidade de 50 a 60 centímetros.

Com os anos, a Biquinha virou Bicas do Boqueirão e na atualidade já não preserva quase nenhuma de suas características naturais.

Algumas ações desastrosas e o excesso da atividade turística transformaram o local num verdadeiro banheiro público. Hoje, das duas bicas, uma para homem e outra para mulher, corre pouca água. Mas preserva ainda sua temperatura gelada e seu encanto.

 

Fonte: Tribuna Independente / – Claudio Bulgarelli – Sucursal Litoral Norte

Comentários

MAIS NO TH