Entretenimento

11 de novembro de 2017 17:48 / Por: Tribuna Hoje

Referência musical em AL, Gato Negro comemora 10 anos com shows em Arapiraca e Maceió

Primeiro show comemorativo em Arapiraca, terra natal desse felino preto-reluzente, vai acontecer neste sábado (11) no Baco Pub

↑ O trio se apresentando na capital alagoana, no ano passado (Foto: Arquivo pessoal)

“O que será de mim?” Com esse singelo verso no início de umas das músicas mais conhecidas da banda Gato Negro, a gente pode, claro, filosofar um pouco.

A pergunta está logo de cara na canção-mor deles, a excelente “Lágrimas”, presente no primeiro álbum “Cio”, lançado em 2015. “Sem ter o seu amor assim?”

Ela fustiga um pensamento derivado no futuro. Não apenas pela colocação temporal do verbo, mas, afinal, o que será de nós, como espécie, se não encontrarmos no outro o amor que deveríamos primeiramente cultivar em nós?

Dentro dos clichês, há sempre a mesma semente que pode ser sobreposta num arado diferente, com um clima diferente, um sol, uma chuva e um desejo de germinar também diferentes.

Foi esse querer enrustido que fez da banda Gato Negro o que ela é hoje, transbordando um power pop em uma pegada soul brazuca bem própria.

Iniciando a vida musical em barzinhos de Arapiraca (Salve a grande Maria Helena do eterno Botequim NaBaxa!), o trio quis dar uma roupagem diferente a canções que gostavam e que tinham em comum dentro desse interesse de externar tudo com uma latinidade inerente ao nosso povo.

Tendo começado nesse tipo de ambiente, eles decidiram então fechar o ciclo de 10 anos de carreira também dentro de um bar. Na verdade, dois.

Com Paulo Franco (vocal e guitarras), André Tenório (baixo) e Wilson Silva (bateria), o primeiro show comemorativo em Arapiraca, terra natal desse felino preto-reluzente, vai acontecer neste sábado (11) no Baco Pub (antigo QG), no bairro Novo Horizonte, com entradas a R$ 15.

Haverá as participações especiais de Janu – o qual compôs em parceria a música “Segundo Tempo”, abrindo o “Cio” – e de Alan Lins, músico que outrora trilhou boa parte do enredo da banda, transformando-a em quarteto em dado momento. A abertura ficará por conta de Marinho, a partir das 21h.

Já a segunda performance será em Maceió, no Rex Jazz Bar, em Jaraguá, na próxima terça-feira (14), véspera do feriado do Dia da Proclamação da República. O evento contará com as participações de Wado, João Paulo (Mopho), Júnior Almeida e ainda Phillipe Seixas e os irmãos João Hugo e Victor Lyra (Cachorro Urubu). Os ingressos estão por R$ 25, com abertura do DJ Coelho, também a partir das 21h.

Pulando de um telhado a outro, a Gato Negro não tem medo de escorregar. A queda pode ser fatal, mas há ainda outras vidas para serem brindadas. E outras para serem mudadas por meio de sua Arte viril. Estamos todos sempre no cio por novidades. Que elas venham.

gato_negro2

O cantor e guitarrista da Gato Negro em clique durante show em Aracaju (Foto: Arquivo pessoal)

.

Confira agora o bate-papo franco que fizemos com Paulo Franco:

Qual a primeira lembrança que você tem do primeiro ensaio da banda?

A pintura da face de um leão na sala da casa do Wilson. Um quadro grande e bem expressivo, que ficava vigiando os primeiros ensaios com olhos atentos e ouvidos acordados.

Leão é também um felino, afinal. Então, como chegaram a esse nome?

Já no primeiro mês de banda, a gente agendou um show no antigo Botequim NaBaxa. Porém, não tínhamos um nome ainda (risos). E, bem, precisávamos com urgência disso, por conta da divulgação do evento. Foi então que Wilson sugeriu Gato Negro e, de cara, André e eu não simpatizamos muito (risos). Então resolvemos que, no dia seguinte, se não surgisse outro nome, ia ficar esse mesmo. E foi o que aconteceu. O Wilson escolheu por gostar da música “Negro Gato”, do Roberto Carlos.

E como vocês se encontraram musicalmente? O quanto o Nordeste entrou no som da banda?

Acho que encontrar-se é uma eterna busca. Somos o hoje. Amanhã, já não sabemos quem seremos e assim seguimos… nessa metamorfose. E nesse caminho, a banda anda na mesma sintonia. Nos encontramos musicalmente no momento em que ensaiamos as primeiras canções, amadurecemos juntos e tudo tem se encaixando como uma luva até hoje. O Nordeste somos nós, está em nós. Tudo o que fazemos é colocar para fora nossas influências vividas aqui, sem muito filtro, absorvendo sem preconceitos e expressando em forma de Música tudo o que em nós ficou.

O que é Música? A forma mais expressiva de comunicação humana ou um veículo de mero entretenimento?

Para mim, Música é como água – um alimento extremamente necessário para a sobrevivência. Perceba que não há ninguém que não goste de Música, seja lá qual for. A Música acalenta o bebê, anima a criançada, explode na adolescência, consola o adulto. É usada como terapia e até cura enfermos.

Aproveitando a deixa, vocês têm parcerias importantes com o músico Janu e a poeta Marta Eugênia. Como enxerga a ligação entre Música e Literatura?

A Música é uma ferramenta da Literatura. É uma das formas mais populares dela [da literatura] por ter essa facilidade de entrar nos ouvidos e alcançar terrenos mais distantes. Nossa parceria com Janu e Marta veio naturalmente, nos bares da vida, sempre escrevendo algo, nos permitindo entrar nessa esfera poética.

Quantas vidas a Gato Negro ainda tem? Onde querem chegar e onde acha que já alcançaram?

Quantas vidas ainda temos, não sabemos, mas que temos muita vontade de perdurar por anos e compartilhar da nossa Arte com o máximo de pessoas, isso sim! A busca pelo reconhecimento está em todo ser vivente em seu ofício. Com a gente, não é diferente. Hoje nos sentimos inseridos e até construtores da cena alagoana, que vive um momento de constante evolução.

Como vê, então, o cenário musical atual tanto em Alagoas como no Brasil?

Em Alagoas, muitas bandas estão gravando, se unindo para fazer shows, festivais e movimentar a cena. Fazendo, inclusive, o papel de artista e produtor cultural ao mesmo tempo, pois ainda há uma carência de produtores para a cena musical independente, assim como também não há produtores musicais que desempenhe o papel de lapidar e profissionalizar um material fonográfico de fato. Contudo, a criatividade musical não está em baixa por aqui e vai longe mesmo com as adversidades. No Brasil, a Música cresce por todos os lados. Muita gente tem acesso a equipamentos relativamente baratos que produzem um fonograma profissional para o mercado. Tem surgido muita gente boa e talentosa, assim como o contrário também acontece. O mais importante é fazer acontecer e colocar a Arte para fora.

Nessa perspectiva, você acha que as plataformas de streaming mudaram o jeito de a gente consumir Música? O que vem a seguir?

Sim, vivemos uma era em que as pessoas ouvem muita coisa. Tudo é muito fácil de encontrar. No entanto, eu vejo uma geração que não se aprofunda tanto no álbum por inteiro. Por um lado, é bom por ter facilitado o acesso a tudo, mas não vejo aquele apreço por um disco como antes, de ter o encarte em mãos, aprender as letras, admirar a arte gráfica. O que vem a seguir eu não me atrevo muito a falar – a tecnologia avança assustadoramente, ao passo em que a procura por vinis e CDs estão voltando. As coisas sempre acabam retornando, apesar de a evolução tecnológica estar sempre criando novas possibilidades. Eu torço pelos dois: acho ótimo o saudosismo, sendo também a favor da evolução nas formas de consumir Música.

“O que será de mim…”?

Serás o que plantastes! (risos)

gato_negro3

Fonte: Assessoria / Prefeitura de Arapiraca