Cidades

10 de Março de 2018 08:29

Jorgraf promove seminário sobre fake news

Evento vai discutir a propagação de notícias falsas e acontece no próximo dia 17 de abril, em parceria com a Unit

↑ Diretor-financeiro da Jorgraf, Flávio Peixoto diz que seminário surge para alertar sobre crescimento de fake news (Foto: Sandro Lima)

A Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos do Estado de Alagoas (Jorgraf), em parceria com o Centro Universitário Tiradentes (Unit), realiza no dia 17 de abril, às 19h, no auditório da universidade, o seminário “Fake News – um ameaça real nas redes sociais”. O evento tem como objetivo debater e alertar, junto aos profissionais de comunicação e a sociedade em geral, a propagação das notícias falsas.

O tema é atual e polêmico. Quem tem acesso à internet e às redes sociais provavelmente já se deparou com esse tipo de noticia, mesmo que não tenha notado que era uma. No ambiente virtual, as chamadas fake news são rapidamente compartilhadas e espalhadas, com a ajuda de robôs.

Segundo a Universidade de Oxford, na Inglaterra, mais da metade do tráfego da internet é feito por bots, programas que simulam ações humanas repetidas vezes e de maneira padrão. Esses programas são capazes de fazer um tema se transformar em tendência, atacar uma figura pública, espalhar um boato e, inclusive, ser importante arma política.

O assunto tomou uma proporção que até projetos de lei que tratam do assunto estão tramitando no Congresso Nacional e o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Fux, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), criou um grupo para desenvolver formas de combater as notícias falsas.

Pensando nisso, a Jorgraf vai ser pioneira em Alagoas no debate deste tema. O diretor-financeiro da Cooperativa, Flávio Peixoto, disse que a ideia do seminário surgiu para alertar o crescimento de fake news no ambiente online.

“A propagação nas redes sociais é rápida e grande. Isso para gente como uma empresa de comunicação é uma preocupação porque trabalhamos com a informação e é fundamental preservar a credibilidade do nosso produto. Faremos o evento de forma pioneira para debater e esclarecer o que são as fakes news e como elas se propagam. Esse tema merece o debate por ser uma pauta que vem preocupando o TSE e o TRE [Tribunal Regional Eleitoral] por essas notícias crescer consideravelmente em anos eleitorais”, ressalta Peixoto.

Para o diretor-presidente da Jorgraf, Paulo Gabriel, o evento passou a ser um tema de todos os brasileiros por ser atual e perigoso.

“Poucos meios de comunicação estão abrindo espaço para os especialistas descobrir ou entrar em confronto com  as redes sociais. Como sempre, pautamos um jornalismo sério e não podemos deixar o assunto de fora. Muitas dessas notícias são feitas por robôs. E temos que ficar atentos sobre o tema. Estamos saindo na frente para colocar isso em pauta para estudantes e profissionais. E para redescobrir que o jornalismo deve ser feito com seriedade. Escolhemos a data por conta do clima eleitoral onde surge mais esse tipo de notícia”, explica Paulo Gabriel.

O seminário contará com dois palestrantes de fora do estado e especialistas no assunto. O advogado Messias de Souza, especializado na área eleitoral e com atuação em Brasília, e o professor da PUC-RS Celso Schröder, ex-presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj).

Quem também será palestrante é o professor Josbeth Correia Macário, jornalista e docente dos cursos de Jornalismo e Publicidade da Unit.

O evento terá transmissão ao vivo através da TV Web Tribuna Hoje e das redes sociais da Jorgraf. Os interessados em participar devem fazer a inscrição através de um website no portal Tribuna Hoje e no site da Unit.

Os interessados devem levar um quilo de alimento não perecível no dia do evento. As vagas são limitadas para 300 pessoas. Os alimentos serão entregues em instituições de caridade do estado.

Reitor diz que debate vai dar maior maturidade aos participantes

O reitor da Unit, Dario Arcanjo de Santana, disse que o seminário vai dar maior maturidade aos participantes sobre a temática.

“Entendemos que a discussão do assunto é de essencial importância para nossa sociedade, tendo em vista que hoje está customizado que as pessoas criam notícias que contribuem para a insatisfação e o comprometimento do cidadão brasileiro. A realização do evento promovido pela Jorgraf e Unit é de fundamental importância para os nossos universitários e para a sociedade em geral, visto que é muito importante mostrar a todos os participantes do evento qual o nosso posicionamento em relação à postura de vários cidadãos que comprometem a integridade física e moral das pessoas e que contribuem para o desequilíbrio dos membros da nossa sociedade. Acreditamos que o evento vai proporcionar oportunidade de adquirirmos uma maior maturidade em relação, a geração de informações nas redes sociais com a qualidade devida”, expõe o reitor.

Para o professor e jornalista Josbeth Correia Macário, o fake news só existe porque temos um modelo de comunicação hegemônico, no qual se sustenta sob um estilo de comunicação de massa, em uma via de mão única, sem respeitar o espaço democrático e amplo de debate que a comunicação digital exige.

“A informação, nos dias de hoje, não é só obtida através dos veículos de comunicação. Existem vários coletivos (mídia alternativa) no qual se apropriam de valores como o da pós-verdade para assegurar um espaço de debate a pessoas que possuem afinidades ideológicas, religiosas, entre outras. Debater o fake news é sempre muito interessante, mas, antes de se debruçar sobre o assunto, é preciso compreender o contexto no qual ele está inserido. A modalidade, em si, ela não é nova”, explica o professor.

De acordo com ele, tem se intensificado o uso e alcance do fake news nos últimos anos.

“Para se ter uma noção, desde a década de 1990, um grupo italiano denominado de Luther Blisset ficou famoso por infiltrar na imprensa italiana notícias falsas só para deslegitimar o poder do jornalismo de registrar a verdade. Na compreensão de que fake news são notícias falsas que não passa por nenhum processo de apuração crivo jornalístico cujo único objetivo é a busca incessante por cliques (fator monetário) ou para a disseminação ideológica de valores que servem a seus financiadores”, diz Macário.

Para Macário, é preciso garantir o amplo debate e as circunstâncias que garantem a sua amplitude do tema.

“Acredito que o fake news só ganha toda essa abrangência porque convivemos com valores regidos sob a égide do conceito de pós-verdade: substantivo que se relaciona ou denota circunstâncias nas quais fatos objetivos têm menos influência em moldar a opinião pública do que apelos à emoção e a crenças pessoais. Antes de discutirmos como as pessoas devem se comportar, precisamos discutir algumas posturas que os veículos de comunicação devem tomar”, conclui Josbeth Macário.

Fonte: Tribuna Independente / Lucas França

Comentários

MAIS NO TH