Cidades

24 de janeiro de 2018 21:59

Alagoas inicia cadastro biométrico no sistema prisional

Parceria do Governo do Estado com o Poder Judiciário fortalece atuação dos agentes da segurança pública

cadastro biometrico no sistema prisional  fotos jorge santos 20180124 1056361840 - Alagoas inicia cadastro biométrico no sistema prisional
↑ Foto: Reprodução

Uma parceria inédita no país está gerando mais controle na gestão prisional, segurança e celeridade processual. Desde o dia 12 de janeiro, o cadastro biométrico é uma realidade no sistema prisional de Alagoas. As secretarias de Estado da Ressocialização e Inclusão Social e da Segurança Pública, em parceria  com o Tribunal de Justiça, atenderam à solicitação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para unificar as informações em um banco de dados.

Nesta semana, os agentes penitenciários do Presídio Feminino Santa Luzia receberam instruções e orientações dos técnicos do Tribunal de Justiça e cadastraram as custodiadas com a nova configuração.

Nesta primeira etapa, a biometria contempla apenas as internas sentenciadas da unidade feminina. Na prática, a ferramenta representa a migração das informações já existentes no Sistema de Gestão Penitenciária para uma plataforma integrada.

O analista de sistema do Tribunal de Justiça de Alagoas, Wilson Lima, comenta as vantagens da mudança. “Antes, os sistemas eram separados, e, agora, unificamos as informações, seguindo a orientação do CNJ. Estamos avançando com o treinamento dos servidores e a interação tem sido muito boa aqui no sistema prisional. Sem dúvida, essa plataforma vai potencializar o poder de atuação dos agentes da segurança pública”, afirma o analista.

O chefe de Serviços Penais, agente penitenciário Ricardo Bispo, fala sobre a atenção dada pelos servidores para aplicar a nova metodologia que otimiza a gestão prisional. “A receptividade foi muito boa. Estamos empenhados em aplicar o sistema em todos os presídios. Essa mudança traz mais celeridade na análise processual, sobretudo, nos alvarás de soltura, além de evitar a duplicidade de informações”, salienta Bispo.

Fonte: Agência Alagoas

Comentários