Cidades

16 de janeiro de 2018 11:35

Eficiência no Judiciário é discutida em aula inaugural de formação dos novos juízes

Conselheiro do CNJ falou ainda sobre indicadores, metas e sobre as políticas do órgão

1 30 - Eficiência no Judiciário é discutida em aula inaugural de formação dos novos juízes
↑ Conselheiro do CNJ falou sobre eficiência no Judiciário para os novos juízes de Alagoas, empossados na última segunda (15) (Foto: Caio Loureiro)

O conselheiro Valdetário Monteiro, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministrou a aula inaugural do curso de formação dos 12 novos juízes de Alagoas, nesta terça-feira (16), na Escola Superior da Magistratura (Esmal), em Maceió. O representante do CNJ falou sobre estrutura organizacional, indicadores, metas e sobre o papel do órgão na busca por um Judiciário mais eficiente.

“No concurso eles já viram a temática do CNJ, mas é importante reforçar o papel da instituição. Toda e qualquer relação da magistratura com o Conselho precisa ser solidificada. Isso vai permitir um avanço para que o cidadão que espera justiça seja beneficiado”, destacou Valdetário Monteiro.

O curso de formação dos novos juízes começa oficialmente na quarta (17), às 14h, na Esmal. A capacitação terá carga horária de 575 horas e está prevista para terminar no dia 21 de junho. De acordo com o presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas, Otávio Praxedes, o curso vai dar mais segurança aos magistrados recém-empossados.

“Por meio dessa capacitação eles terão uma noção maior de como vai ser o dia a dia de trabalho. O objetivo é dar uma sustentação, uma segurança maior aos juízes”, explicou o desembargador.

Ainda segundo o presidente do TJ/AL, os novos integrantes do Judiciário alagoano passarão inicialmente pela parte teórica da qualificação e, depois de dois meses, já vão para a prática.

A aula inaugural do curso contou com a presença dos desembargadores Fernando Tourinho (diretor da Esmal), José Carlos Malta Marques (presidente do Tribunal Regional Eleitoral) e Tutmés Airan, além de juízes e servidores do Judiciário.

Fonte: Dicom TJ

Comentários