Cidades

29 de novembro de 2017 08:44

Correios pretende fechar 553 postos de trabalho em Alagoas

Empresa quer atingir meta até 29 de dezembro com novo PDV; o primeiro teve adesão de apenas 70 funcionários

↑ Primeiro Plano de Demissão Voluntária dos Correios ficou abaixo da meta estabelecida pela diretoria executiva da estatal em todo o país (Foto: Sandro Lima)

Os correios em Alagoas pretendem demitir 553 funcionários no novo programa de demissões voluntárias (PDV), aberto na última semana. O novo prazo de adesões vai até 29 de dezembro, último dia útil do ano.

De acordo com a superintendência da empresa no estado, os critérios desse Plano de Desligamento são muito amplos. “Não há limite de idade. O único pré-requisito é que o empregado tenha completado 15 anos de empresa. No estado, 553 se encaixam no perfil de elegíveis ao PDV.”

O PDV foi aprovado pela diretoria executiva da estatal com o objetivo de fechar em todo o país 5.460 vagas. Se confirmado, isso pode render uma economia mensal de R$ 54,5 milhões com pagamentos de salários. Só entre carteiros, os Correios pretendem tirar dois mil profissionais das ruas. Atualmente a empresa tem 108 mil funcionários.

A decisão de abrir um novo PDV surgiu após o plano de incentivo a desligamentos realizados no primeiro semestre ter terminado com adesões inferiores à meta da companhia. No primeiro semestre, se desligaram da empresa cerca de 70 funcionários dos Correios em Alagoas.

BRASIL

Ainda segundo a estatal, com o PDV realizado no primeiro semestre, quando os pedidos de demissão chegaram a 6,26 mil, os Correios já tinham conseguido enxugar em R$ 68,6 milhões os gastos mensais com o efetivo.

Apesar do grande número de adesões, o total ficou abaixo da meta. Segundo a empresa, devido a grave crise financeira. Os Correios pretendia cortar na época 8,2 mil empregados e enxugar a folha em R$ 72,9 milhões por mês.

Ao reeditar o programa, os Correios poderão ampliar para 10% o corte de um quadro que, antes dos PDVs, somava aproximadamente 117 mil empregados.

 

Sindicato repudia postura da estatal

 

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Alagoas (Sintect-AL), Altannes Holanda, disse que não concorda com a postura da empresa, uma vez que faltam funcionários.

“O sindicato repudia essa postura da empresa. Porque, nos levantamentos preliminares que fizemos aqui em Alagoas, só na área operacional está faltando uma média de 80 carteiros e 50 atendentes comerciais. E a empresa ao invés de contratar trabalhadores está abrindo o PDV para demitir funcionários. A gente entende que é um absurdo. O ideal para a categoria é que a empresa abrisse novamente concurso público e tivesse contratação e não redução de um quadro que já é deficitário em todo o país e aqui no estado principalmente”, ressalta Holanda.

PDV

Para conseguir atingir um público maior no PDV, a empresa retirou a exigência de idade mínima de 55 anos dos últimos PDVs, e passou a permitir agora a adesão a todos os empregados com pelo menos 15 anos de trabalho.

A estatal oferece como incentivo aos pedidos de demissão uma indenização calculada de acordo com os proventos recebidos nos últimos cinco anos que inclui não só salários, mas também gratificações e complementos salariais e o tempo de serviço do funcionário.

Por exemplo, um empregado com provento médio de R$ 6 mil e 35 anos de casa receberá uma quantia equivalente a R$ 2,1 mil. O pagamento será feito em 93 parcelas mensais, limitadas a no máximo R$ 9,8 mil.

A ideia inicial dos Correios era reabrir o PDV em setembro, mas o plano foi adiado em razão da greve deflagrada pela categoria em todo o País durante a campanha salarial.

Ao confirmar em nota a abertura do novo ciclo do Plano de Desligamento Incentivado (PDI), os Correios atribuem a medida à necessidade de “acertar as contas” e enxugar folhas de pagamentos.

Fonte: Tribuna Independente / Lucas França