Cidades

14 de novembro de 2017 11:09 / Por: Tribuna Hoje

Após pedido da família, IML atesta morte de jovem de Rio Largo

Débora Isis Mendes de Gouveia foi declarada morta no último domingo (12), mas não apresenta características de falecimento

↑ Família se recusa a enterrar Débora Isis (Fotos: Ana Paula Omena)

Atualizada às 19h30

O Instituto de Medicina Legal (IML) confirmou, nesta terça-feira (14), após exame de necropsia, a morte de Débora Isis Mendes de Gouveia, de 18 anos de idade. Segundo o IML, a jovem já está em óbito desde domingo (12). A família da jovem, que reside em Rio Largo, região metropolitana de Maceió, queria que o IML atestasse a morte de Débora Isis. Apesar da jovem ter sido declarada morta no domingo, seus parentes afirmavam que ela estava viva, inclusive com batimentos cardíacos e respiração.

Há cerca de duas semanas, Débora Isis Mendes de Gouveia deu entrada no Hospital Geral do Estado (HGE) após passar mal, foi medicada e liberada. Sem melhora, ela voltou ao Hospital e lá disseram que seu caso era grave, pois estava com um dos rins parado, diabetes e infecção. Foi então que sua família a levou a um hospital particular. Depois de três dias, no domingo, um laudo de óbito foi emitido e a causa da morte, segundo o documento, foi infarto e infecção generalizada.

A reportagem esteve, na manhã desta terça, no local do velório da jovem e constatou que Débora não apresentava sinais de falecimento. Não foi constatada rigidez em seu corpo e nem mau cheiro; as mãos da garota pareciam ter sangue circulando.

 

Curiosos se aglomeravam na tentativa de ver menina em caixão 

Segundo a mãe da menina, Tereza Cristina, até mesmo um teste com espelho para saber se havia respiração foi feito. “Havia respiração, o espelho ficou embaçado”, disse um rapaz que estava no velório. Ainda de acordo com a mãe de Débora, já houve outros casos semelhantes na família e ela disse que sua avó foi enterrada viva após crise de epilepsia.

Após pedido da família, o corpo da jovem foi encaminhado para o Serviço de Verificação de Óbito (SVO). O Ministério Público Estadual (MPE) abriu um procedimento para apurar o caso com rapidez e o IML confirmou o óbito.

Segundo o IML, o laudo completo com informações sobre a causa da morte será encaminhado para o 12º Distrito Policial de Rio Largo no prazo de dez dias úteis. O corpo da jovem foi liberado para sepultamento.

Tereza Cristina quer que IML ateste morte da filha 

 

 

Fonte: . / Ana Paula Omena / Carlos Amaral / Rívison Batista