Dólar cai nesta segunda e fecha abaixo de R$ 3,20, menor valor em 2 meses - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas

Economia

09 Janeiro de 2017 - 18:59

Dólar cai nesta segunda e fecha abaixo de R$ 3,20, menor valor em 2 meses

Moeda dos EUA recuou 0,77% frente ao real, a R$ 3,1967 para venda, cotação mais baixa desde o dia da eleição norte-americana
G1
Reprodução
O dólar fechou em queda nesta segunda-feira (9), com os investidores de olho na cena externa e com algum fluxo positivo de recursos.

A moeda americana caiu 0,77% frente ao real, vendida a R$ 3,1967 para venda.

É o menor patamar de fechamento desde o dia 8 de novembro, dia da eleição norte-americana, quando o dólar fechou a R$ 3,1674.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h39, alta de 0,04%, a R$ 3,2231
Às 10h09, queda de 0,01%, a R$ 3,2213
Às 10h49, queda de 0,12%, a R$ 3,2178
Às 12h39, queda de 0,37%, a R$ 3,2098
Às 14h39, queda de 0,85%, a R$ 3,1942
Às 15h30, queda de 0,79%, a R$ 3,1962

Juros no Brasil

O clima de expectativa domina a semana, com a decisão de política monetária no Brasil na quarta-feira, mesmo dia em que o presidente americano eleito, Donald Trump, fará sua primeira entrevista coletiva após a vitória nas urnas em novembro de 2016.

A pesquisa Focus do Banco Central trouxe novos elementos para fortalecer apostas de um corte mais intenso da Selic, de acordo com o Valor Online. A projeção para o aumento do IPCA de 2017 caiu de 4,87% para 4,81%. Na quarta-feira, o IBGE divulga o IPCA de dezembro.

Cenário externo

"A agenda hoje está mais esvaziada, o que abre espaço para o monitorar o sinal de alta de lá de fora", comentou o operador da corretora Ourominas, Maurício Gaioti à Reuters.

De acordo com o Valor Online, os investidores esperaram o discurso de integrantes do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Eric Rosengren (Fed Boston) e Dennis Lockhart (Fed Atlata), nesta segunda-feira. Na sexta-feira passada, o presidente do Fed de Chigado, Charles Evans, disse que BC americano pode elevar os juros três vezes neste ano, mais do que ele próprio esperava alguns meses atrás.

Trump assume a Presidência dos Estados Unidos no próximo dia 20, diante de promessas de adotar uma política econômica inflacionária. Por isso, os investidores temem que o Federal Reserve, banco central norte-americano, possa elevar ainda mais os juros e atrair para a maior economia do mundo recursos hoje aplicados em outras praças, como a brasileira.

De acordo com o Valor Online, o mercado espera que Trump dê contornos do que será sua política externa e também sobre seus planos de aumentar gastos. Essa perspectiva tem guiado os mercados desde a eleição americana, levando a uma alta do dólar, dos juros dos Treasuries (títulos norte-americanos) e das ações em Wall Street

Sem intervenção

O Banco Central brasileiro não anunciou qualquer intervenção no mercado cambial para esta sessão. Segundo profissionais disseram à Reuters, o BC já deixou claro que vai agir para corrigir distorções e, por enquanto, a volatilidade tem se mantido relativamente controlada. A última vez que a autoridade monetária atuou foi em 13 de dezembro passado.

Nesse princípio de ano, assim como foi visto no final de 2016, tem havido algum fluxo de ingresso de recursos no país, o que tem contribuído também para o comportamento do dólar frente ao real, segundo a Reuters.

Na sexta-feira, a moeda norte-americana subiu 0,74% frente ao real, vendida a R$ 3,2218, após acumular queda de 2,55% nos três pregões anteriores e ir abaixo de R$ 3,20 na quinta-feira, menor nível em quase dois meses. Na semana passada, o dólar acumulou baixa de 0,86%.

Comentários

O Tribuna Hoje coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

Digite o código abaixo para enviar seu comentário.