Após mortes, Roraima pede 100 agentes da Força Nacional para presídio - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas

Brasil

09 Janeiro de 2017 - 14:27

Após mortes, Roraima pede 100 agentes da Força Nacional para presídio

Governadora Suely Campos mandou ofício a Temer nesta segunda-feira (9)
G1
Ofício da governadora pede envio de reforço em caráter de urgência (Foto: Emily Costa/ G1 RR) Ofício da governadora pede envio de reforço em caráter de urgência (Foto: Emily Costa/ G1 RR)

A governadora de Roraima Suely Campos (PP) enviou nesta segunda-feira (9) um ofício ao presidente Michel Temer no qual pede o envio de 100 agentes da Força Nacional à Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, onde mais de 30 presidiários foram assassinados na sexta-feira (6).

No documento, a governadora cita o número de 33 presos mortos no massacre. Até então, o governo não associava claramente os 31 mortos de sexta com os dois corpos achados enterrados na unidade no sábado (7).

Em seu pedido encaminhado a Temer e ao Ministério da Justiça, Suely diz que a integridade física dos presos que cumprem pena na presídio é "prioridade imediata" e solicita também o envio de integrantes da Força de Intervenção Penitenciária Integrada ao estado em caráter de urgência, admitindo que o efetivo da Polícia Militar não é suficiente para garantir a segurança da unidade.

A governadora finaliza o ofício pedindo mais dinheiro para terminar a obra da Penitenciária de Rorainópolis, abandonada há vários anos, a conclusão do anexo à Cadeia Pública de Boa Vista e compra de equipamentos para agentes penitenciários.

Caso o pedido seja acolhido, os agentes devem ficar no estado por 60 dias. "Esperamos que este pedido seja atendido", declarou o titular da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc), Uziel Castro.

Há menos de 15 dias, o Ministério da Justiça liberou R$ 44 milhões para a construção de um presídio de segurança máxima no estado e o estado anunciou a construção dele. O dinheiro, segundo anúncio do estado, também seria aplicado para o aparelhamento do sistema prisional.

O G1 tentou contato com a assessoria do Ministério da Justiça para saber se, caso o pedido do governo do estado seja atendido, quando as tropas federais devem chegar a Roraima e aguarda retorno.

Primeiro pedido de ajuda

No dia 21 de novembro, a governadora do estado Suely Campos (PP) pediu envio de homens da Força Nacional para reforçar em reforçar a segurança no sistema prisional de Roraima. A solicitação foi feita pouco mais de um mês depois do confronto entre presos ter deixado 10 mortos na unidade.

O pedido da governadora foi negado em dezembro de 2016 pelo ministro da justiça Alexandre de Moraes. Na resposta, ele alegou que "apesar do reconhecimento da importância do pedido", "infelizmente" não poderia atendê-lo.

Massacre em presídio

Os mais de 30 assassinatos na Penitenciária Agrícola ocorreram por volta das 2h30 de sexta-feira. Não houve rebelião e nenhuma fuga foi registrada.

Em coletiva de imprensa, o secretário de Justiça e Cidadania Uziel Castro afirmou que os presos mortos não eram ligados a nenhuma facção criminosa. Ele disse que os corpos foram achados 'destroçados' e decapitados e atribuiu a autoria do massacre a detentos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

Suely Campos também pediu envio de dinheiro para construção de presídio, aparelhamento de agentes e término de obra anexa à Cadeia da capital (Foto: Emily Costa/ G1 RR)

Comentários

O Tribuna Hoje coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

Digite o código abaixo para enviar seu comentário.