Ailton Villanova

25 de Maio de 2018

Na pressa, comeu a velha!

As noites de sexta-feira eram do distinto Tiberíades Neto, o indefectível Tibé. As noites, apenas. Ele começava a farrear às duas da tarde, quando  saía da repartição, e nunca ultrapassava o limite das 22 horas. Era batata. Estivesse onde estivesse, suspendia a biritagem e fazia o caminho de volta ao lar. Acontece que, em determinada ocasião, ele exagerou nas doses.

Tibé estava tão entusiasmado enchendo a cara num barzinho jatiuquense que, quando se lembrou do relógio, já passava da meia-noite. Aí, desesperou-se:

– Valha-me Deus! Quase uma hora da manhã e eu ainda estou aqui! A minha mulher vai me comer o fígado na hora em eu chegar em casa!

Seu parceiro de farra, um tal de Nabucodonozor, comoveu-se com a sua situação e aconselhou:

– Olha, Tibé, faça como eu: chegue em casa de mansinho, tire os sapatos, entre no quarto sem fazer barulho e se meta debaixo do cobertor. Em seguida, vá tirando de leve a calcinha da sua mulher e, sem perda de tempo, chame na grande!

– Bem…

– Peraí, deixe eu terminar, rapaz!

– Tá. Continue.

– Não dê nem tempo pra ela respirar. Mande o ferro pra frente. Dê a carga toda. Quando você terminar, sua esposa vai estar feliz e, exausta, vai virar pro lado e não vai nem notar o horário!

– Legal, bicho!

Tiberíades se mandou pra casa com a alma renovada e seguiu na íntegra o conselho do amigo: entrou em casa na surdina, correu pra debaixo do cobertor, tirou a calcinha da mulher no dente e, já que estava com a boca na “botija”, caiu de lingua na maior das fúrias. Enquanto a mulher gemia de prazer, ele aproveitava para botar o pinto para funcionar. E tome vara! Até de manhã, a mulher gemeu de prazer e felicidade. Tiberíades nunca esteve tão feroz na cama! Ele próprio se espantou com o seu desempenho.

Exausto, nosso herói deu por encerrada a sua performance sexualina e dirigiu-se ao banheiro para tomar um belo banho. Qual não foi a sua surpresa quando reparou no papel pregado com fita durex, no espelho do penteador. No sobredito, estava escrito:

“Amor, não faça barulho. A mamãe veio nos visitar e está dormindo na nossa cama. Por favor, vá dormir no quarto das crianças. Estou dormindo no sofá…”

 

 

Falando com o filhão

 

Para uso doméstico, o ilustre Mirevaldo comprou um computador última geração, ligou para o suporte técnico e pediu instruções sobre o seu manuseio. Atendeu lá o competente Raunibaldo Pereira que começou a falar com o Mirevaldo numa linguagem técnica muito complicada. Todo atrapalhado, o cara pediu um tempo:

– Por favor, meu amigo, explique o que eu devo fazer como se eu tivesse cinco anos de idade…

E o técnico:

– Tá bom. Filho, por favor, vá chamar a sua mãe!

 

 

Tática eficiente

 

Enquanto tomavam um refrigerante numa lanchonete do centro da cidade, os amigos Hilpogárdes Leão e Ribamar Lucídio conversavam animadamente. Em dado momento, o primeiro puxou o seguinte assunto:

– Minha mulher dirigia sem o menor cuidado, falando ao celular, sem cinto de segurança… maior perigo, bicho! Mas levei um papo legal com ela e agora tá tudo uma beleza!

– Verdade, mano velho? E como foi esse papo?

– Bom, eu disse pra ela que, se batesse com o carro, a sua idade iria aparecer no jornal.

 

 

É malígno, mas é bom!

 

Aquele radialista boçal, aqui referido mais de uma vez, continuava encucado com o tamanho do seu biláu. Por conta disso, padecia de um tremendo complexo de inferioridade. Belo dia, ele começou a sentir uma dorzinha, seguida de formigamento, no tal do pinto. Aí, correu para o consultório de um médico amigo, que, depois de examinar a pecinha percucientemente, foi peremptório:

– Tenho boas e más notícias pra você.

– Por favor, doutor, me dê primeiro a boa notícia.

– Seu pênis vai ficar enorme! Vai engrossar quase o dobro e vai aumentar uns dez centímetros.

O cara exultou:

– Uau! Demais, doutor! E qual é a notícia ruim?

– É um tumor malígno!

 

 

Bom conselho de amiga

 

Madame Crisóliga encontrou a amiga Marilda no supermercado, e não se acanhou em ser indiscrerta:

– Nossa! Como você está abatida, Marilda! O que está acontecendo?

– É o meu marido Osório…

– O que tem ele? Está doente?

– Não, não. O infeliz está me maltratando como se eu fosse uma prostituta!

E começou a chorar. Vendo o desespero da amiga, Crisóliga tentou consolá-la:

– Se eu fosse você resolveria rapidinho esse problema.

– De que jeito você faria?

– Começaria a cobrar!

 

 

Nem aos montes!

 

O Argobaldo exagerou na birita e esparramou-se na calçada.  Nisso, vai passando um sujeito todo cheio de moral, que olha pra ele e comenta:

– Se eu fosse o governador eu acabaria com a cachaça!

O bebão abriu um olho e respondeu:

– Escuta aqui, meu irmão… Nós, que somos muitos a beber, não conseguimos acabar, imagine você sozinho!

 

 

Queixa retardada

 

Delegacia de polícia, aí no interior. Boquinha da noite, final de expediente, uma velhota vai até o delegado:

– Quero fazer uma queixa, meu filho…

– Pois não, vovó… Do que se trata?

Ela lascou lá:

– Eu fui estuprada!

O delegado deu um pinote da cadeira:

– Meu Deus do céu! Isso é um crime inominável! Quando foi que ocorreu essa desgraça com a senhora?

– No dia 15 de novembro de 1901!

– 1901???!!! E somente agora a senhora vem dar queixa?

– É que somente agora o desgraçado me abandonou!

24 de Maio de 2018

Salvo pelo giz

O empresário Epifânio Astromar sempre se orgulhou de ser um sujeito certinho. Trabalhador, dono de admirável espírito de solidariedade, ele só andava na linha, feito trem. Um dia, tentado por uma diabinha, mijou fora do caco e passou a constituir mais um número na estatística dos maridos adúlteros. O barato é o seguinte: Tempo chuvoso, […]

23 de Maio de 2018

O SUBVERSIVO

O baixinho José Bernardo Escolástico é o tipo do cara que não pode beber. Quando bebe, nem que seja um golezinho de vinho de missa, ele muda de personalidade. Vira orador ortodoxo. Sábado desses, depois de dividir uma lata de cerveja com o primo Benedito Escolástico, o Biu do Leite, num barzinho da periferia de […]

22 de Maio de 2018

A TURMA DA BANDA NÃO COMUNGA!

Padre Herculano Eunápio Feitosa era um velhinho muito sensível, muito casto, muito compreensivo. Um santo vivo. Detestava palavrão. Na sua presença não se falava em sexo, abertamente. Por sua vontade, rapazes e moças de sua paróquia, situada no interior de Pernambuco, sempre davam uma “meia embreagem” nas confissões; evitavam contar os seus pecados sem riqueza […]

19 de Maio de 2018

Mulheres escorregadeiras

Reconheça-se como tarefa dificílima a mulher confessar o pecado da chifrança, mesmo diante de um padre infinitamente bondoso, compreensivo ao extremo e caridoso exemplar como era o padre Nildo. Determinadas madames de uma das paróquias que o saudoso reverendo comandou no interior de Pernambuco, estavam sempre omitindo essa parte “pecaminosa” de suas vidas. Mas o […]

18 de Maio de 2018

O segredo do reverendo

O Louribaldo Bezerra tinha um amigo, que considerava o maior e o melhor de todos. Não era um amigo comum, porque se tratava de um reverendo, por sinal respeitadíssimo na sua paróquia. Louribaldo e padre Ricardo Batista (Ricardão) – esportista de várias modalidades, inclusive da pesca -, eram, bem dizer, unha e carne. Os dois […]

17 de Maio de 2018

O “Don Juan” atrapalhado

Tímido de nascença, o distinto mancebo Aubergânio Tibiriçá caiu de amores pela donzela Zeronalda Reginalda, cujo corpo era de fechar comércio. Mas cadê coragem de se declarar à ela? Em razão disso, como sofria o coitado! Um dia, tomou um pileque e desabafou com o primo Melquizedéque, e ouviu deste um pragmático conselho: – É […]

16 de Maio de 2018

Aluno de circunstância

Professor de História chato pra cacete, Pitecantropo Clarivaldo Pinto não dava colher de chá pra aluno nenhum. Era durão, insensível. Por conta disso, detestado pela rapaziada. Certa manhã, ele entrou na sala de aula, que se achava abarrotada de alunos de duas turmas, e foi avisando, com certo ar nazista: – Hoje temos arguição, valendo […]

15 de Maio de 2018

O TRÁGICO FIM DE UM CASAMENTO

O Leopoldino Gastroso inventou de comemorar os 10 anos de seu casamento com a cara consorte Etelvina de uma maneira mais incrementada: – Meu amor, que tal a gente curtir as nossas bodas matrimoniais num motelzinho bem aconchegante? – Num motel, meu filho?! – espantou-se a madame. – Claro, claro! Numa boa! Precisamos sair da […]

12 de Maio de 2018

Mas que desconsideração!

Cabra velho quando se apaixona por menina nova ou cai no ridículo, ou em desgraça. Ou as duas coisas juntas. Pois o sexagenário Aristarco Guilhobel, viúvo, funcionário público federal aposentado, achou de gamar pela garotona Turmalina Pereira, 21 anos, bastante vividos para a idade. Aristarco Guilhobel andava abobalhado, de cara pra cima, sonhando acordado. Quando […]