Ailton Villanova

Ailton Villanova

18 de novembro de 2017

Mas, morreu sorrindo de felicidade!

 Sem ou alternativa para dar gasto nos mais de três mil livros que herdou de um tio que havia falecido em Garanhus, no estado de Pernambuco, o barbeiro Laurindo Brandão abdicou da profissão e abriu um alfarrábio na periferia da cidade.

      Brandão era gente fina, entretanto pra lá de desligado. Ainda por cima,  míope. Mais míope do que uma topeira.

      Nebuloso dia, já com o pensamento na aposentadoria, ele recebeu a “visita” de uma dupla de gatunos, sem a devida malícia e com a melhor das atenções, pensando que eles eram fregueses.

       À época em que Laurindo Brandão foi vitimado pela ação desses marginais, Maceió estava começando a experimentar a onda de violência que hoje nos angustia e amedronta.

      Pois bem, no fatídico dia referido linhas acima, o boa-fé Laurindo abrira sua lojinha de livros usados mais cedo e, enquanto aguardava a freguesia, passava uma vista de olhos numa revista popular. Como era míope, conforme já disse, ele se achava com a cara enfiada na página que mais lhe chamara a atenção, porque tinha uma dona muito boa, toda nua, naquela posição que Napoleão perdeu a guerra. Sorrateiramente, os meliantes entraram na lojinha, um deles portando uma faca, que disse:

        – Ô velhinho, o dinheiro ou a vida!

        Brandão franziu a testa, tirou os olhos da revista, apertou-os para melhor enxergar o suposto freguês e perguntou:

         – Qual é o autor da obra?

         Pensando que o pequeno comerciante estava de gozação, o bandido se sentiu ofendido e aplicou-lhe um certeiro golpe de faca no coração. Um golpe só, e o Brandão caiu no chão, esvaindo-se em sangue. Dizem que ele morreu com um sorriso de felicidade, apertando no peito a revista aberta na pagina onde se achava a foto da bendita mulher nua.

A foto do português

      Estabelecido, havia um bom tempo, no Rio de Janeiro, o português Manuel José estava procurando uma foto sua para enviar à família em Lisboa. Mas, como não a achava, resolveu se pentear no banheiro para sair e tirar o retrato.

      Ao olhar-se no espelho, percebeu que sua imagem refletida estava ótima. Então, pensou:

      – Ora, pois, vou enviar esse espelho que tem a minha imagem e pronto! Não preciso nem gastar dinheiro com foto!

      Quando o pacote chegou a Portugal, seu pai foi logo abrindo, curioso, para olhar o retrato do filho querido.

       Mal olhou no espelho, o velho gritou assustado:

       – Maria! Vem cá a correr, vê como nosso filho envelheceu! Até parece um velho de 80 anos! E ainda está com cara de pinguço!

       Ao se debruçar no ombro do marido, Maria exclamou decepcionada:

       – Também pudera! Com essa velha feia, com cara de puta ao seu lado, só podia mesmo virar alcoólatra!

Camisola histórica

      Depois de 30 anos de casamento, Maria Creolínea resolveu tentar resgatar o interesse do marido, vestindo a mesma camisola que usou na noite de núpcias.

      – Amo-ooor! – sussurrou, languidamente – Você se lembra dessa camisola?

      – Claro! É a camisola que você usou na nossa lua-de-mel! Por quê?

      – E você se lembra do que me disse naquela noite, quando me viu com essa camisola?

      – Lembro! Eu disse: “Você está maravilhosa nessa camisola, Creolínea! Quero transar com você até lhe deixar ACABADA!”

      – E agora, depois desses anos todos, o que você tem a dizer?

      O marido olhou Creolinea de cima a baixo e disse:

      – Missão cumprida!

Vingança a longo prazo

      Seu José Belarmino compareceu à delegacia de polícia do 3° Distrito da Capital ( Maceió) exibindo três vistosos calombos na cabeça. Ao delegado respectivo, Carlomano de Gusmão Miranda, ele contou houvera sido vítima de uma tentativa de homicídio praticado por uma antiga vizinha chamada Esterogênia.

      Denúncia devidamente registrada, o delegado Carlomano Miranda mandou chamar a denunciada e a inquiriu:

      – Dona Esterogênia, a senhora quer me explicar por que agrediu o cidadão aqui presente?

      Ela respondeu sem trastejar:

      – O canalha me destratou, seu delegado!

      Do seu canto o agredido defendeu-se:

      – Mentira! É mentira dela, doutor!

      O delegado assumiu o controle da situação:

      – Com quem está a verdade, afinal? A senhora foi ou não foi desacatada pelo queixoso?

      – Fui! Fui, sim, doutor! Ano retrasado ele me chamou de capivara!

      E doutor Carlomano segurando a barra para não rir:

      – Ele a chamou de capivara, foi?

      – Chamou!

      – Puxa vida! Passado esse tempo todo, por que só agora a senhora resolveu reagir?

      – Pois é, doutor. Até ontem eu não conhecia uma capivara…

      – E conheceu?

      – Conheci… numa visita que eu fiz a fazenda do doutor Zé Cordeiro de Lima, que fica perto de Marechal Deodoro!

Com Diego Villanova

17 de novembro de 2017

Bem na hora!

      Quando não está biritando, o auxiliar de garçom José Carlos Alves, mais conhecido como “Gudenaite”, é o mais comportado e o mais conveniente dos cidadãos. Basta dizer que sua vida pregressa é mais limpa do que ficha de madre superiora.       Além de trabalhador, Gudenaite é um cara bastante esperto.       Num domingo igual […]

15 de novembro de 2017

Cabra macho mija em pé!

Sertanejo macho pra entupir, seu Genésio Carneiro começou a desconfiar do jeitão do Betinho, seu filho mais novo, e desabafou com a esposa, dona Ermelinda: – Esse minino anda meio frozô, mulé! E a madame, meio confusa: – Tô intendendo nada, meu véio. Uquié mermo qui tem o nosso fio? Isprica aí! Genésio esclareceu melhor: […]

14 de novembro de 2017

O insignificante cachorro demolidor

Dona Virgulina Barbosa , digníssima consorte do ilustre Gastão Torquato Barbosa era uma madame equilibradíssima, além de muito tímida. Mas, depois que concluiu o curso de defesa pessoal, arrumado pelo próprio marido, transformou-se completamente! Mudou da água para o vinho, conforme o dito popular. Até andar armada, ela começou a andar. Tirou o rosário que […]

9 de agosto de 2017

Também com uma cara dessas…!

     Doutor Leobino Veiga foi um médico competente, que viveu no Farol. Falecido há mais de 50 anos, tinha um consultório no centro da cidade, destinado à chamada  “Classe A”, mas atendia a plebe no ambulatório da antiga “Saúde Pública” – atualmente 1° Centro de Saúde da Capital – que ainda hoje funciona na […]

8 de agosto de 2017

O poste que dá choque!

       Boquinha da noite, depois de ter participado de uma bruta farra na birosca do Laurindo, em Cruz das almas, o açougueiro Alcátrio Carneiro, mais conhecido como “Capitão”, deu início a “viagem” de regresso ao lar, localizado em Mangabeiras. Ele caminhava pelo calçadão da orla marítima quando, de repente, acometeu-lhe a irrefreável vontade […]

5 de agosto de 2017

Um japa de muita sorte

      O japa Thoshiro e o irmão Akira vieram a Maceió na condição de turistas. Toshiro gostou tanto das nossas lindas praias que resolveu fixar residência por aqui, enquanto o seu mano preferia voltar para Tóquio. Uma vez aboletado em Maceió, Toshiro decidiu ser comerciante no ramo de hortifrutigranjeiros, optando por instalar a […]

4 de agosto de 2017

Candidato bem burrinho!

Mané Besteirinha foi assentado no cartório de registro civil e batizado na igreja católica sob o nome de Manuel Felismino Leitão. Em que pese ter frequentado a escola, nunca aprender a escrever direito e quando abria a boca para dizer alguma coisa, só saía besteira. Daí, o apelido.       Pois bem, com tanta gente burra […]

2 de agosto de 2017

Um marido demais!

      A saudosa delegada Elza Dias era a titular de Defesa da Mulher de Arapiraca, quando, certa ocasião, ao dar por encerrado o expediente na repartição teve sua atenção requestada por uma de suas auxiliares:       – Doutora, será que daria para a senhora atender a uma queixosa? Ela está tão aflita, coitadinha…! […]

1 de agosto de 2017

Quem já viu relógio andar?

      O Astrágalo Xavier sempre foi considerado um sujeito tranquilo. Entretanto, depois que recebeu a notícia de que o governo havia anunciado que daria um aumento de 6,5%  ao funcionalismo público estadual, transformou-se numa verdadeira pilha de nervos, segundo sua esposa Aspásia, senhora muito distinta.       Astrágalo é servidor público estadual. Preciso dizer […]

29 de julho de 2017

Linda, a suicida

  Num dia de inverno tenebroso, nasceu no bairro do Bom Parto, lá pelos idos de 1935, Maria Lindináuria Paixão, simplesmente Linda. Apesar do cognome, Linda era um bocado feia e o corpo também não lhe beneficiava em nada. O destino foi muito cruel com a coitada.       Aos sessenta anos, solteira e virgem, Linda […]

28 de julho de 2017

O cão era mesmo manso!

  O protético José Lemos é um apreciador contumaz dos finais de tarde na orla marítima. Depois de umas carreirinhas na areia da praia, ele senta a bunda num banquinho da barraca do Bida, em Jatiúca, e manda pra dentro uma ou duas cervejinhas geladas, com tira-gosto de canelas de siri.       Outro dia, lá estava […]