Entre Freixo e Pessoa: um novo estilo de fazer campanha - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas

Blog | Carlos Martins

A campanha do professor de história Marcelo Freixo à prefeitura do Rio de Janeiro consolida definitivamente um novo formato de esquerda no Brasil pavimentado pelos governos de Lula e Dilma. Se no passado a esquerda brasileira se subdividia entre radicais bolcheviques prontos para cumprir o papel revolucionário alicerçados pela compreensão do antagonismo de classes passando pelos reformistas de centro esquerda até chegar aos moderados sociais democratas, hoje, esse campo político se firma nas lutas sociais marcadamente pautadas pelo que se convencionou chamar de um “direitos humanos” atual orientado por demandas sociais dos grupos qualitativamente minoritários.

Marcelo Freixo estabeleceu diálogos importantes e chamou para a roda de conversas não só os cariocas, mas toda a sociedade brasileira tornando seu pleito uma campanha nacional debatendo problemas que estão no cotidiano de todos os brasileiros.

Discutir uma política de direitos humanos para policiais convocando-os também para repensar o papel da polícia foi sem dúvida um dos momentos auges de sua campanha.

Utilizando um estilo totalmente inovador o diálogo foi sua marca registrada. Resumidamente pode-se dizer que a campanha de Freixo foi um bom bate papo, uma boa conversa construída com diversos movimentos sociais, diversas categorias trabalhistas, juventude, mulheres, negros, LGBT, religiosos de matriz africana e tantos outros segmentos marcados pelas formas nocivas da discriminação excludente.

O estilo de campanha de Freixo certamente pavimentou caminhos que se estenderão até 2018 e, sem dúvida, veremos em todo o Brasil diálogos construídos como vimos no Rio.

Em Maceió

Exemplo semelhando foi protagonizado pelo também professor de história Gustavo Pessoa que em Maceió criou canais de diálogos muito semelhantes aos do Marcelo. Com um estilo “professoral” mas simples Pessoa fez de sua candidatura à prefeitura de Maceió uma ferramenta didática de educação política. Da mesma forma estabeleceu diálogos importantes com os vários segmentos ligados aos diversos movimentos sociais.

Seu estilo dialogal e didático lhe possibilitou alcançar a quarta posição no pleito eleitoral. Considerando o perfil dos demais candidatos que gozavam de mandato de deputado federal e o atual prefeito (ex-deputado federal), Pessoa sai do anonimato e com apenas 14 segundos no guia eleitoral pontua à frente de um dos parlamentares.

Além de um tom de voz cativante e que transmite confiança a seus ouvintes as semelhanças entre Freixo e Pessoa também se confundem num fato importante: certamente veremos novamente esses personagens em 2018.

 

 

 

Fonte da imagem: http://www1.folha.uol.com.br/poder/eleicoes-2016/2016/10/1827655-freixo-foi-acusado-de-nao-querer-ganhar.shtml

Facebook