Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /var/www/html/wp-content/themes/tribuna-2017/header.php on line 34
Warning: implode(): Invalid arguments passed in /var/www/html/wp-content/themes/tribuna-2017/header.php on line 40
class="post-template-default single single-post postid-103076 single-format-standard">

Roberto Baia

25 de Maio de 2018

Aurélia voltou

Estrategicamente, o retorno de Aurélia Fernandes a Câmara Municipal foi bom para o prefeito Rogério Teófilo que não terá que se preocupar com a possibilidade da criação de uma CEI.

Aurélia deixou a Secretaria de Saúde e com isso enfraqueceu a oposição que com Sinielza Pessoa teria o sexto voto para formar, inclusive, uma Comissão Especial de Inquérito para investigar denúncias contra o gestor, dentre elas o suposto calote de R$ 600 mil a uma equipe que fez uma devassa nas contas dos ex-prefeitos Luciano Barbosa e Célia Rocha.

 

De olho na OSCIP 1

Por falar em Câmara Municipal, os cinco vereadores da oposição querem todas as informações sobre a OSCIP na administração do prefeito Rogério Teófilo. Para isso, querem aprovar um requerimento com uma série de indagações.

 

De Olho na OSCIP 2

“O que queremos é explicação do Executivo já que essa organização foi contratada para pagar, inclusive, a folha dos funcionários. Temos recebido inúmeras queixas e estas, apenas, exercendo o nosso papel”, disse o vereador Léo Saturnino.

 

 

Continua foragido

Luciano Aurélio, tio do ex-prefeito de Girau do Ponciano, Fabinho Aurélio, que está encarcerado no presídio Baldomero Cavalcante por crime de improbidade administrativa, se entregou a polícia ontem.  Ele e outro irmão, Valdemir Aurélio – que se encontra foragido, são acusados de desviar recursos que seriam utilizados para compra e distribuição de água, através de carros pipas, naquele município.

 

O “Cabeça”

Com a prisão de Luciano, a polícia acredita que o “cabeça” pensante de uma organização criminosa que agia na gestão anterior na Prefeitura de Girau do Ponciano também se entregue. Valdemir, inclusive, puxou para si, durante depoimento prestado a polícia, a responsabilidade pelos desvios de recursos milionários, mas conseguiu fugir durante uma operação desencadeada pelo Gecoc, que culminou com a primeira prisão de Fabinho Aurélio.

 

Foi preso

O ex-gestor girauense foi alvo de três operações do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas, acusado de desvios de verbas. Ele também é apontado por supostos desvios de recursos públicos destinados à compra de medicamentos. Na representação encaminhada à 17ª Vara Criminal da Capital, o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, e o Gecoc ainda solicitaram a indisponibilidade dos bens de todos os envolvidos.

 

O esquema

Nas irregularidades apuradas pelo Gecoc, ficou comprovado que José Jacob Gomes Brandão, Fábio Rangel Nunes de Oliveira e Márcia Coutinho Nogueira assinaram procedimentos licitatórios que beneficiaram a RR Distribuidora, autorizando pagamentos de verbas públicas em favor da referida empresa, sem que qualquer mercadoria tivesse sido fornecida ou serviço prestado.

 

Na oposição

Não está fácil para Rogério Teófilo (PSDB) sustentar a administração da cidade mais importante do Agreste de Alagoas. O gestor tem enfrentado uma enxurrada de denúncias, a debandada de aliados, o descontentamento da população e agora lida com uma oposição no legislativo municipal formada por ex-integrantes de sua base aliada.

 

Esteve no MP

Na manhã de quarta-feira (23), a vereadora Maria Sinielza Lira Pessoa, irmã do deputado estadual Severino Pessoa, deu entrada no Ministério Público Estadual com requerimento em que solicita acesso ao conteúdo da denúncia do empresário Luiz Augusto Lôbo, no caso que é conhecido na cidade como Lava Jato do Agreste. O advogado denunciou Teófilo de um calote de 90% do valor de um contrato totalizado em R$ 600 mil.

 

Quer o dossiê

Após a entrega de um dossiê com mais de 278 páginas, o MP verificou que os 10% pagos ao empresário para auditoria nas constas de gestões passadas tem origem de uma empreiteira, a Construir Construções, que tem como sócio Lenine Pereira, secretário municipal da gestão Teófilo. (Com 7Segundos).

 

 

 

… Com Henrique Romeiro, de Palmeira dos Índios:  Dever do articulador político, acompanhar a gestão na relação com a comunidade, com os vereadores e com as instituições públicas e executivas.

 

… Pedro Alberto Toledo foi escolhido e nomeado por Júlio Cezar para desempenhar este importante papel na interlocução com as demais secretarias, bem como com a sociedade. Em conflito ele é uma espécie de extintor que apaga incêndios.

 

… O diálogo é elemento primordial na compreensão dos compromissos e na credibilidade da gestão. Pedro terá que realizar negociações coletivas com sindicatos, participar de encontros e reuniões com a comunidade, formular pactos com a população que busca ser atendida em suas reivindicações. (HR).