Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /var/www/html/wp-content/themes/tribuna-2017/header.php on line 34
Warning: implode(): Invalid arguments passed in /var/www/html/wp-content/themes/tribuna-2017/header.php on line 40
class="post-template-default single single-post postid-91996 single-format-standard">

Sérgio Toledo

17 de Abril de 2018

Não interromper o tratamento.

A medicina hoje tem se tornado uma profissão que atrai muitas pessoas e muitos intermediários, os chamados planos de saúde.
Pacientes ficam sem ter uma orientação de quando devem parar ou continuar com os exames necessários e/ou quando devem manter ou não as medicações.
Os intermediários lucram muito, pois sugam os usuários e os prestadores de serviço. Planos de saúde que a dez anos atrás utilizavam uma pequena área numa residência alugada, hoje possui um prédio de vários andares. Claro, todos tem o direito de progredir e evoluir. Entretanto os usuários e os prestadores de serviço não evoluem na mesma proporção.
Recentemente li algo sobre uma criança que devido a desmaios com ausência usava medicação específica. Deixou de tomar os medicamentos porque os familiares perderam o contato com o profissional neurologista. A rotatividade dos profissionais especializados, no plano, fez com que perdessem o foco da orientação.
Atualmente a criança teve dois episódios de queda e em seguida gradativamente foi perdendo o controle dos membros inferiores.
Então. Mesmo perdendo o contato com o profissional que iniciou o tratamento e prescreveu os primeiros medicamentos, não deixar de procurar outro da mesma especialidade para dar sequencia. Em qualquer especialidade e mais ainda na de neurologia.