Edmilson Teixeira

8 de Fevereiro de 2018

Chã Preta

No início deste ano quem esteve na capital federal foi o secretário de Educação do município de Chã Preta, Marcos Lopes. Foi representando a prefeita Rita Tenório, onde lá esteve no MEC na busca de ações de projetos para o município. “Em Brasília tivemos reuniões no FNDE, sobretudo, tentando resolver as pendências que estão dificultando o planejamento do PAR e consequentemente os recursos do Programa, para Chã Preta” disse.

Jequiá da Praia

Com o tema “Tamo Junto e Misturado” a  folia de momo vai garantir a animação no litoral sul de Alagoas. é que a partir deste sábado até terça dia 13, Jequiá da Praia vai ferver com muito frevo, blocos de rua e orquestras. O ponto de folia é localizado no centro da cidade com as principais atrações e nos povoados haverá programação para quem quer curtir os dias de animação. No domingo  acontece o tradicional arrastão com o  bloco “Tamo Junto e Misturado” com a atração Guig Ghetto, às 14h.

Otimismo

Para a prefeita Jeannyne Beltrão o segundo ano do bloco reforça a tradição e consolida o município como uma das principais atrações do litoral sul. “ Vamos superar o sucesso do ano anterior e garantir mais um ano de folia com segurança” diz

Messias

A ousadia dos criminosos não tem limites, e nem a fé e os cultos são respeitados. Na noite do último domingo, no povoado onde funcionou a falida Usina Bititinga, município de Messias, uma igreja evangélica foi vítima de assalto por um grupo de “mascarados”. Eles invadiram o culto que estava acontecendo, e roubaram vários pertences dos fiéis.

 

Complemento

 

A ação não parou só por aí. Na saída tais bandidos mascarados ainda tomaram de assalto uma pick-up L200, de um dos fiéis que estavam na igreja; e para dificultar a localização deles, os pneus dos veículos que estavam estacionado em frente ao templo, foram perfurados.

 

Joaquim Gomes

Por conta de algumas escolas do município não oferecerem condições de funcionamento, visto que nelas existem goteiras, fiações comprometidas, estruturas de ferro expostas, paredes rachadas além da falta de manutenção do sistema de ventilação, o MPE/AL moveu uma ação civil pública. Nela o promotor Paulo Barbosa, pede ao juiz Erick Baracho, da Comarca de Joaquim Gomes, a penalização da Prefeitura, bem como o prefeito Adriano Barros, e da secretária de Educação, Fátima Rodrigues.

 

Prova do crime

 

Tais problemas são relatados na conclusão do promotor Paulo Barbosa, que possui mais de 23 páginas, incluindo um dossiê fotográfico. Por sinal as denúncias foram formalizadas ao MPE/AL através do sindicato dos servidores públicos, e de pais de alunos, que segundo o promotor, procuraram por diversas vezes, não só o gestor atual, como a antiga gestora, e que em todo este período, nada foi feito para melhorar a estrutura das escolas.

 

Bronca

 

Se for punida pelo juiz, a Prefeitura de Joaquim Gomes poderá ter a verba da Educação bloqueada no valor que se compare as despesas na reforma das Escolas, e uma multa pessoal também será estipulada, tanto em desfavor do prefeito, quanto de sua secretária.

 

Porto Calvo

Além de um efervescente Carnaval que acontece a partir desta sexta-feira, se estendendo até a terça dia 13, a cidade histórica de Porto Calvo também está se articulando para garantir uma grande festa na data de seu aniversário, 11 de abril. Tanto que já estão confirmados e tudo certo para aquele dia, os fenômenos Devinho Novais e Samyra Show.

Matriz de Camaragibe

A onda de violência que se apossou na cidade de Matriz de Camaragibe ao longo desses últimos anos, forçou a Prefeitura a investir em tecnologia. É que hoje já é possível ser monitorado por todos os ângulos da parte urbana. “Tenho certeza que estas câmeras vão ajudar na redução de crimes. Você está mais seguro com este sistema de vigilância. Já temos uma central com equipe que está de olho 24 horas todos os dias. Estou empenhado em cuidar bem da nossa cidade!” comentou o prefeito Anderson Bolevard

Agreste

 

Atuando junto a Casal, através de uma parceria público-privada, para assegurar melhorias nos sistemas de abastecimento de água no interior do estado, a Agreste Saneamento é uma das nossas representantes no seleto grupo de empresas certificadas com o selo Great Place to Work Brasil (GPTW), que reconhece as práticas de gestão de negócios e recursos humanos adotadas com o objetivo de promover a excelência no ambiente de trabalho.

Agreste II

 

A empresa faz parte da Iguá Saneamento, uma companhia de saneamento básico, que opera em cinco estados, (Alagoas, Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina e São Paulo), por meio de concessões e de parcerias público-privadas. Em Alagoas, os serviços prestados pela companhia beneficiam 400 mil alagoanos, moradores de Arapiraca e outros nove municípios: Campo Grande, Coité do Noia, Craíbas, Feira Grande, Girau do Ponciano, Igaci, Lagoa da Canoa, Olho D’água Grande e São Brás.

Terra

Na última segunda-feira, atendendo uma solicitação de trabalhadores rurais, foi que o Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral),  articulou uma reunião com representantes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra/AL). O evento ocorreu no Gabinete Civil e o Gerenciamento de Crises da Polícia Militar de Alagoas, a fim de discutir sobre ocupações rurais e conflitos agrários no Estado.

Motivo

A atividade foi agendada após a manifestação ocorrida no dia 1º de fevereiro, coordenada pelo Movimento Via do Trabalho (MVT), que obstruiu a BR-101 no município de São Miguel dos Campos e reivindicava vistorias e desapropriação de terras para a reforma agrária.

Apelo 

O movimento possui cerca de 3 mil acampados no Estado e, na ocasião, solicitaram uma atenção maior às 400 famílias instaladas nas terras da Usina Sinimbu, que reúne 12 propriedades. “O que a gente quer é uma solução para essas famílias, que são ex-canavieiros e estão morando há quatro meses em barracos nos dois lados da BR. A questão das cestas básicas e o repasse de rolo de lona é um paliativo para amenizar a situação”, citou o líder do movimento Marcos Antônio da Silva, o Marron.

Promessa

Os representantes do Incra destacaram que no ano de 2017 ocorreu um bloqueio nos recursos federais para a reforma agrária, o que comprometeu o trabalho de vistorias e a aquisição de imóveis rurais. Agora é que estão tentando retomar a agenda do setor de obtenção. Essas pautas serão aprofundadas em uma reunião específica com o superintendente estadual, César Lira, após o carnaval.