Roberto Baia

22 de dezembro de 2017

Bronca na Canoa

baia23 600x300 c - Bronca na Canoa

A prefeita de Lagoa da Canoa, Tainá do Dr. Lauro, está na bronca e com razão. Conseguiu por meio do senador Benedito de Lira e do deputado federal Arthur Lira a liberação de recursos na ordem de R$ 4,13 milhões, oriundos do Ministério da Integração, para o Denocs pavimentar 6,7 quilômetros da estrada que liga a área central da cidade ao populoso povoado de Mata Limpa.

 

Obra interditada

Um vereador da oposição, com aval do governador e do deputado Jairzinho Lira simplesmente entrou com Ação Popular e conseguiu na Justiça a interdição da obra, que deveria ter começado no mês de novembro último. A bronca da prefeita é porque Renan legou, em reunião, que queria cumprir uma promessa de campanha e impediu que o IMA desse o Licenciamento Ambiental para Denocs tocar a obra. Em resumo: Lagoa da Canoa pode perder os recursos federais e ficar sem a tão sonhada pavimentação da estrada de Mata Limpa.

“Pai da criança”

“Ele quer ser o pai da criança, mas como confiar se até agora não fez nada por Lagoa da Canoa. Além do mais o dinheiro já está disponível. Não trabalham e não querem que a gente trabalhe”, desabafou a prefeita.

 

Um crime premeditado

A explosão da agência do Banco do Brasil de Traipu , ocorrido na madrugada de quarta-feira, 20, levantou suspeita de que esse crime foi perpetrado com objetivo de desestabilizar a gestão do prefeito Eduardo Tavares por uma razão óbvia: a agência, que está para fechar as suas portas, estava sem dinheiro.

Objetivo claro

Indignado com a ação dos bandidos, Tavares foi claro ao afirmar que esse crime foi engendrado por bandidos travestidos de políticos, com a finalidade desestabilizar a gestão atual e consumar a saída do posto bancário.

Cidade segura

“Traipu é uma cidade segura”, disse o prefeito, ressaltando que, de janeiro para cá, nunca houve qualquer tipo de crime na localidade, graças à excelente atuação do aparato de segurança criado pelo coronel Marcos Pinheiro, atual secretário de Segurança Pública do município.

Célia sem Luciano…

Como será a política em 2018 com Célia Rocha sem Luciano Barbosa e Luciano Barbosa sem Célia Rocha? A pergunta procede, já que os dois políticos jamais estiveram em palanques diferentes. Hoje, no entanto, a realidade é outra: Já não possuem mais um vínculo pessoal e tampouco político. Estão de fato em lados opostos.

Luciano sem Célia…

Pelo jeito, Luciano tem folego de sobra pra encarar 2018. No cargo de vice-governador tem opções de escolha, já que o PMDB pode usar o seu cargo para fazer alianças políticas. Nesse caso, como está bem abonado, resta-lhe disputar uma cadeira na Câmara Federal ou na Assembleia Legislativa.

Nem pra tomar cafezinho

Quanto a Célia, que já superou problemas de saúde, deve mesmo ser candidata à deputada estadual longe, mais bem longe do convívio político de Barbosa. Dizem às boas línguas que os dois não sentam em uma mesma mesa nem pra tomar um simples cafezinho ou rezar um Pai Nosso.

É. Os tempos mudam. E como mudam.

 

Obra embargada

Com ASCOM MPF – Os órgãos ministeriais demonstraram a necessidade da concessão da liminar, alegando ser evidente o dano irreparável ou de difícil reparação ao meio ambiente, por meio de provas e relatórios produzidos no inquérito civil n 1.11.000.001045/2016-38, que tramita no MPF e instaurado para apurar irregularidades na construção de empreendimento imobiliário à beira-mar de Marceneiro, no município de Passo do Camaragibe, denominado Vila dos Pescadores, que a obra causa impactos ambientais à Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais.

Decisão favorável

 O Ministério Público Federal (MPF) em Alagoas obteve decisão favorável da Justiça Federal de Alagoas que concedeu liminar a fim de embargar a obra do Conjunto Habitacional Vila dos Pescadores Empreendimento Imobiliário SPE Ltda. até o julgamento definitivo da ação civil pública (ACP) proposta pelo MPF, juntamente com a Promotoria de Justiça de Passo do Camaragibe, contra o empreendimento e o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA).

… De autoria da procuradora da República Raquel Teixeira e do promotor de Justiça Thiago Chacon, a ação apresenta parecer do ICMBio alertando para a ausência de planejamento do empreendimento quanto aos impactos que sua instalação trará à região, notadamente quanto ao abastecimento de água e o esgotamento sanitário.

…A perícia técnica do MPF concluiu que o Relatório de Avaliação Ambiental apresenta omissões significativas quanto à avaliação de impactos ambientais.

… E mais, causou estranheza para os representantes do Ministério Público a rapidez com que o IMA concluiu o processo de licenciamento do Conjunto Habitacional.