Blog do Dresch

19 de dezembro de 2017

De uma cela de 12m² para uma mansão de 3.000 m²

tl19 600x300 c - De uma cela de 12m² para uma mansão de 3.000 m²

               O magnata da construção mundial e pivô do maior escândalo de corrupção da história do Brasil, Marcelo Odebrecht, deixa a cadeia no dia de hoje, passando a cumprir pena em prisão domiciliar. Ele já cumpriu dois anos e meio da sua pena de dez anos em uma cela de 12m2. Agora ficará recluso na sua mansão em São Paulo e 3 mil m2. Ele liderou a maior empreiteira da América Latina, com projetos em todo o mundo, do estádio da equipe de basquete do Miami Heat a uma barragem em Angola, na África. Sempre foi um dos homens mais poderosos do mundo, até que em 2015 foi preso acusado de pagar suborno a dezenas de líderes políticos de diversos países. A investigação acabou por revelar uma rede de corrupção inimaginável.

Odebrecht: prisão em casa 2

                   Hoje Marcelo volta para casa, no Morumbi, em seu jato particular. Vai ficar enclausurado em sua gaiola de ouro 24 horas por dia até 2020, quando poderá sair algumas vezes de casa. Sua empresa pagou uma multa astronômica de US$ 2,6 bilhões aos governos do Brasil, Suíça e Estados Unidos e em troca o empresário teve sua pena reduzida de 19 para 10 anos de prisão, sendo 7,5 anos em casa. O escândalo acabou dividindo a família. O pai, Emílio, o visitou apenas uma vez na cadeia. A mãe, a irmã e três tios praticamente romperam relações com Marcelo. Aa relações familiares se degradaram porque alguns queriam a delação premiada, outros não. Agora a empresa está em processo de reestruturação, mas Marcelo não pode reassumir a presidência do Grupo, pelo acordo feito com a Justiça.

Uma casta privilegiada

                Um levantamento feito pelo O Globo, junto ás folhas de pagamento dos Tribunais de Justiça mostrou que mais de 70% dos juízes de todo o país recebem acima (em alguns casos bem acima) do teto constitucional. Segundo o levantamento, nos últimos meses, 71,4% dos magistrados dos Tribunais de Justiça dos 26 estados e do Distrito Federal somaram rendimentos a mais do que os R$ 33.763 pagos aos ministros do Supremo Tribunal Federal, como determina a Constituição Federal. Em Alagoas o percentual chega a 55%. Dos mais de 16 mil juízes e desembargadores dos TJs, 11,6 mil ultrapassaram o teto. A remuneração média deste grupo de magistrados foi de R$ 42,5 mil. Nessa conta, auxílios, gratificações e pagamentos retroativos têm peso significativo e chegam a representar em alguns casos, um terço do rendimento mensal. E nestas contas, não foram incluídos os benefícios que todos os servidores dos Três Poderes têm direito: férias, abono permanência e 13º salário. Os dados foram coletados junto ás folhas encaminhadas ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Outro lixão desativado

             Alagoas chegou no último sábado ao 46º lixão a céu aberto desativado no Estado. Agora foi a vez do município de Poço das Trincheiras que encerrou as atividades do vazadouro. O secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Alexandre Ayres, acompanhou a desativação e reiterou o compromisso do Governo de Alagoas a dar a gestão adequada aos resíduos sólidos. A partir de agora, a Prefeitura de Poço das Trincheiras passa a destinar sua produção de resíduos para o aterro sanitário Cigres, localizado em Olho D’Água das Flores. Também foram doadas mil mudas de árvores nativas da região, para contribuir com a recuperação da área degradada do antigo lixão.

Imóvel com vista para o mar

                   Alguns poucos milionários, dispõem agora de um novo tipo de residencial, que está quase sempre em movimento. Trata-se do navio residencial de cruzeiros The World, com 165 apartamentos que flutuam pelos mares e oceanos do globo. Seus moradores, extremamente reservados, passam, em média, um terço do ano para os confins mais distantes do planeta, como atóis do Pacífico que não viam um navio há pelo menos duas décadas ou Ascensão, uma ilha vulcânica entre a África e o Brasil. Agora o navio está na costa dos Estados Unidos, e passará a noite de Ano Novo em Miami. Depois disso, o residencial não voltará a América do Norte até 2020.

Imóvel com vista para o mar 2

              Apenas aqueles com pelo menos US$ 10 milhões em ativos podem ser proprietários, e os compradores devem ter o apoio de dois residentes, passar por verificações de antecedentes e estar preparado para pagar US$ 900,000 por ano em taxas de manutenção anual. As residências têm no mínimo 27 m2 e no máximo 325 m2, e os preços variam de US$ 1,8 milhão a US$ 15 milhões. O preço do metro quadrado supera os mais caros do mundo, chegando a US$ 66, 712. Como morador, eles têm acesso a um clube exclusivo que joga golfe à meia-noite no Círculo Ártico, bebe champanhe entre as dunas de areia mais antigas do mundo na Namíbia, e sobe até a borda de um vulcão em erupção em Vanuatu. Precisa mais?

Preços da ceia natalina

          Para não ter de pagar preços exorbitantes em produtos da ceia de Natal, podendo encontra-los de forma mais acessível, o Procon de Alagoas disponibiliza em seu site, uma pesquisa com os itens mais procurados. Foram comparados 87 produtos em vários supermercados da capital. Ali estão preços de peru, chester, pernil, bacalhau, e também de chocolates, panetones, refrigerantes, vinhos e espumantes, além de outros requisitados no Natal como nozes, azeitonas, frutas cristalizadas e muita coisa mais. A pesquisa pode ser consultada no site www.procon,al.gov.br.

  • O verão que começa nesta quinta-feira (21) deverá ter um regime de chuva regular, inclusive no semiárido nordestino, segundo previsão do Instituto Nacional de Meteorologia.
  • Neste ano, o fenômeno conhecido com La Niña (quando ocorre o resfriamento das águas do Oceano Pacífico) será de pouca intensidade, o que deve proporcionar uma normalidade climática em todo o país, sem extremos como enchentes ou secas violentas.
  • Por causa do fenômeno é possível prever chuvas no semiárido, possivelmente no início de Janeiro. Em alguns estados nordestinos como o Maranhão e o Piauí, a chuva já chegou em Dezembro.
  • Esse é o prenúncio de que teremos um verão diferente dos últimos anos, quando prevaleceu a estiagem, segundo o Instituto der Meteorologia.