Blog do Dresch

5 de dezembro de 2017

Ex de Collor quer retroativo de pensão alimentícia

tl05 600x300 c - Ex de Collor quer retroativo de pensão alimentícia

 

Os advogados da ex-primeira dama, Rosane Malta, estão entrando com um pedido de prisão do senador Fernando Collor de Mello por problemas no pagamento da pensão alimentícia concedida a Rosane pela Justiça. Collor tem até o primeiro dia útil do mês para depositar o valor de cerca de R$ 28 mil, o que não aconteceu e ela reclamou: “Tenho meus compromissos e já vou ter de arcar com os juros este mês” disse ela. Segundo o jornal Extra, do Rio de Janeiro, a guerra pela pensão se arrasta há 12 anos, desde que aconteceu o divórcio. Tanto que o senador pode se ver obrigado a destinar metade de seu salário no Senado, para abater a dívida da pensão alimentícia que tem com a ex-mulher desde 2005. Assim, dos R$ 33,763 brutos que Collor recebe como salário mensalmente, R$ 16.881,50 seriam depositados na conta de Rosane. A dívida de Collor com a ex já chega a R$ 1 milhão, em termos retroativos.

Ex é pior que lava jato 2

A pensão de Rosane Malta, ex-Collor, foi estabelecida pela Justiça na época da separação em 30 salários mínimos mensais (cerca de R$ 28 mil) e que estão sendo pagos desde que ela entrou com recurso. “Ele me deve anos de pensão e se não pagar no prazo pode ir preso. E eu estou solicitando os retroativos com todas as correções e juros” assinala a ex, que diz ter direito ainda a imóveis e a dois carros. Formada em Administração de Empresas, Rosane diz que não exerce a profissão porque não consegue emprego. “Quem dá emprego para a ex-primeira dama do país?” questiona.

Calamidades e emergências

Entre 2003 e 2016 quase a metade dos 5.570 municípios do país, foi obrigada a decretar, pelo menos uma vez em sete anos diferentes, situação de calamidade ou emergência pública em virtude de secas de estiagens. Do total de cidades afetadas por longos períodos sem chuva, 1.794 são da Região Nordeste. A informação é do relatório pleno de Conjuntura dos Recursos Hídricos do Brasil 2017, divulgado ontem pela Agência Nacional de Águas (ANA). Ainda segundo o relatório, 48 milhões de pessoas foram afetadas por secas ou estiagens. Ao todo foram registrados 4.824 eventos de seca, com danos humanos. Somente em 2016, 18 milhões de brasileiros foram afetados por fenômenos climáticos que provocaram escassez hídrica. Desse total, 84% viviam no Nordeste. Ainda de acordo com o relatório, o Nordeste registrou 5.154 eventos de seca entre 2003 a 2016, que prejudicaram a oferta de água para abastecimento público, geração hidrelétrica, irrigação, produção industrial e navegação. Os dados são de mais de 50 instituições parceiras da ANA e que fazem uma radiografia da situação das águas do país.

904 mil cirurgias na espera

Pelo menos 904 mil cirurgias eletivas estão pendentes no Sistema Único de Saúde (SUS) em diferentes estados e municípios do país, de acordo com levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). As cirurgias eletivas não são de urgência ou emergência. Este estudo foi feito pela primeira vez pelo Conselho, e constatou ainda que pelo 746 procedimentos cirúrgicos estão na fila de espera há mais de dez anos, e 83% dos pedidos entraram na fila a partir de 2016. O Ministério da Saúde informou que desde Maio passou a adotar o sistema de fila única para organizar a demanda.

904 mil cirurgias na espera 2

A pesquisa traz dados enviados por Secretarias de Saúde de 16 estados e dez capitais, até Junho deste ano. Outros sete estados e oito capitais não enviaram as informações, alegando não tendo tê-las disponíveis ou por negativa de acesso aos dados. A pesquisa contabiliza o número de procedimentos agendados, e não o número de pacientes na fila. Na lista de espera, a maioria dos pedidos de cirurgias é de catarata, hérnia, vesícula, amigdalas e adenoide, além de cirurgias ortopédicas. De acordo com o CFM, o SUS realizou, em 2016, mais de 1,5 milhão de cirurgias eletivas, número inferior a 2015, com 1,7 milhão, e a 2014 com 1,8 milhão.

Doria copia Marisa

Os compositores Marisa Monte e Arnaldo Antunes repudiaram, o uso não autorizado da música “Ainda bem”, na voz de Marisa, pelo prefeito de São Paulo João Doria (PSDB). A música é ouvida em um vídeo promocional compartilhado pelo Prefeito, para apresentar obras no Parque Ibirapuera. Os autores da canção disseram que Doria se recusa a apagar o vídeo de contas no Twitter e Youtube. A música serve de ambientação pra o vídeo, que foi feito “para promover as atividades do prefeito, suas parcerias institucionais e comerciais, inclusive citando nominalmente uma marca de artigos esportivos”. Disseram já ter notificado Doria, há mais de dois meses, mas o vídeo continua sendo veiculado.

Doria copia Marisa 2

No texto assinado pelos dois artistas, eles assim se manifestaram: “nós nos sentimos ultrajados e lesados em nosso direito patrimonial e moral, uma vez que, além de não temos sido sequer consultados, nunca permitimos o uso de nenhuma das nossas canções para fins políticos. Queremos deixar claro que a nossa motivação jamais foi financeira, e sim educativa. Enquanto autores e artistas, esperamos respeito à Lei de Direitos Autorais” afirmam os compositores. O Facebook e o Instagran atenderam a solicitação dos compositores de remover o conteúdo, mas o vídeo permanece no Twitter e no Youtube.

 

  • Aberto ontem o prazo para a realização de pré-matrícula on-line para 50 escolas que vão ofertas o ensino integral em 2018. A rede pública vai ofertar 7.960 vagas nestas escolas.
  • Para efetuar a pré-matrícula, o interessado deve acessar o site matrículaonline.al.gov.br até o próximo dia 10, preencher os dados pessoais e escolher três opções de escola.
  • A s cidades com maior oferta são Maceió, com 18 escolas e 3.320 vagas; Arapiraca com três escolas e 560 vagas. Palmeira dos Índios com 2 escolas e 320 vagas; Rio largo com duas escolas e 320 vagas e Delmiro Gouveia com duas escolas e 280 vagas.
  • Para o ano letivo de 2018, também será ofertado o ensino integral para as turmas do Ensino Fundamental. Serão oferecidas 960 vagas, todas em Maceió.