Blog do Dresch

24 de novembro de 2017

Alagoas vai ganhar 15 novas escolas em 2018

 

                 Alagoas vai ganhar, no próximo anjo, 15 novas escolas para compor a rede pública estadual, e que deverão beneficiar mais de 18 mil estudantes, garantiu o secretário de Educação e vice-governador, Luciano Barbosa. As obras contemplam os municípios de Delmiro Gouveia, Poço das Trincheiras, Senador Rui Palmeira, Campo Alegre (distrito de Luziápolis), Maragogi, Junqueiro, São Sebastião, Marechal Deodoro, Pariconha, Traipu, Palmeira dos Índios e Rio Largo. As escolas de Senador Rui Palmeira e Poço das Trincheiras, cujas ordens de serviço já foram assinadas, terão uma nova licitação em virtude da falência da empresa vencedora.

O “Carniceiro dos Balcãs”

                 O ex-general sérvio Ratko Mladic foi condenado à prisão perpétua por genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, durante audiência esta semana, do Tribunal Penal Internacional, em Haia. Os crimes do militar aconteceram no conflito na Bósnia nos anos de 1992 e 1993. Segundo os magistrados, o massacre de Srebrenica, que culminou com a morte de 8 mil muçulmanos foi considerado um genocídio. Para eles, Mladic contribuiu de maneira significativa para as mortes. Ao todo ele foi condenado em 10 dos 11 crimes contra a humanidade a que ele respondia. Mladic era acusado ainda de ser o líder das “piores atrocidades” na guerra, como o assédio de 44 meses a cidade de Sarajevo e a perseguição de bósnios e croatas na Bósnia-Herzegovina em 1992. Durante o julgamento o ex-general teve de ser retirado da sala, porque ironizou as vítimas e os parentes dos mortos que acompanhavam o júri. O “Carniceiros dos Balcãs” está com 74 anos e jamais admitiu sua culpa pelos massacres que comandou.

Quinze novas escolas 2

                 De acordo com Luciano Barbosa, a construção das escolas é mais uma etapa importante, superada na busca por uma melhor qualidade de ensino em Alagoas. “Com estas novas unidades vamos corrigir carências de longa data, a exemplo de Rio Largo, onde os jovens que residem nos conjuntos Jarbas Oiticica e Antônio Lins precisam se deslocar para Maceió e outras localidades para poder estudar. Agora, terão suas próprias escolas” afirmou o secretário. Todas as escolas seguirão o padrão adotado pela Secretaria de Educação, com   toda a infraestrutura, que inclui 12 salas de aula, laboratórios, pátio coberto e unidades administrativas, além de ginásio poliesportivo.

Falhas mortais em hospitais

                 Falhas simples como erros de dosagem ou de medicamento, uso incorreto de equipamentos e infecção hospitalar, mataram 302.610 pessoas nos hospitais públicos e privados brasileiros em 2016. Em média, foram 829 mortes por dia, uma a cada minuto e meio. Dentre as instituições de saúde, as chamadas mortes por “eventos adversos” ficam atrás somente das provocadas por problemas do coração. A conclusão faz parte do Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar do Brasil produzido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Além das mortes, os eventos adversos impactam cerca de 1,4 milhão de pacientes por ano com sequelas que comprometem as atividades rotineiras e provocam sofrimento psíquico.

Falhas mortas em hospitais 2

                 O número diário de pessoas mortas por falhas hospitalares supera as 129 pessoas que morrem a cada dia em decorrência de acidentes de trânsito no país, as 164 mortes provocadas pela violência e cerca de 500 registros de mortes por câncer, ficando atrás somente das 950 vítimas de doenças cardiovasculares. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada ano morrem 42,7 milhões de pessoas em razão dos eventos adversos em todo mundo. Nos Estados Unidos, a situação não é muito diferente da brasileira. Com uma população de 325 milhões de pessoas, o país registra a morte de 400 mil mortes por eventos adversos por ano, ou 1096 a cada dia.

Fórum Mundial da Água

           Brasília será a capital mundial da água no próximo ano. Milhares de pessoas, sejam autoridades ou representantes da sociedade civil, vão discutir a questão da água sob o ponto de vista da sustentabilidade. São esperadas cerca de 40 mil pessoas no Estádio Manoel Garrincha e no Centro de Convenções Ulysses Guimarães entre os dias 17 a 23 de Março, quando acontece o 8º Fórum Mundial da Água. O Brasil, para sediar o evento, trabalhou bastante e obteve o credenciamento há três anos, quando aconteceu a sétima edição na Coréia do Sul.

Fórum Mundial da Água 2

          A geografia foi um dos fatores que levou a mobilização para a conquista do Brasil como sede do fórum mundial. Como as edições anteriores se concentraram em países localizados no Hemisfério Norte, as autoridades brasileiras deram ênfase ao fato de que o Brasil, sendo escolhido para sediar o evento, iria atrair o fórum para o Hemisfério Sul. Até agora 17 países já confirmaram o envio de delegações.  Na organização do evento estão 70 instituições que concentram esforços para o êxito do mesmo. Cada país presente poderá apresentar a todos as melhores práticas sobre o tema. No dia 8 de Dezembro haverá uma grande divulgação sobre o Fórum com a contagem regressiva dos cem dias para o evento.

  • Um homem que estava com queimaduras em 95% do corpo, foi salvo graças a um transplante de pele de seu irmão gêmeo. O feito médico foi considerado uma conquista sem precedentes pelos médicos franceses.
  • Essa foi a primeira vez que foi feito um transplante de pele entre gêmeos em 95% do corpo, disse o médico Maurice Mimoun, diretor da unidade de cirurgia plástica do hospital Saint-Louis, de Paris.
  • Até agora, em todo o mundo, haviam sido registrados dois casos de transplantes entre gêmeos de até 68% da superfície do corpo, segundo o cirurgião.
  • Em seu estado, a probabilidade de sobrevivência de Franck, de 33 anos, era quase nula. A vantagem dessa pele transplantada é que nunca será rejeitada pelo corpo, e assim não necessita de tratamento imunossupressor, uma vez que os gêmeos têm o mesmo capital genético, explicam os médicos.
  • Franck foi internado em 27 de Setembro de 2016, após sofrer um acidente trabalhista. Sua chance de sobrevivência era quase nula. Ele passou por uma dezena de operações antes dos médicos descobrirem que ele tinha um irmão gêmeo homozigoto (do mesmo óvulo).
  • Atualmente Franck já está em casa, caminhando, e seguindo um programa de reabilitação em uma clínica.