Blog do Dresch

27 de outubro de 2017

A informação como ferramenta de combate ao crime

a informacao como ferramenta de combate ao crime 600x300 c - A informação como ferramenta de combate ao crime

              A Secretaria de Segurança Pública lançou esta semana uma nova ferramenta de combate à criminalidade nas comunidades mais vulneráveis da capital. Segundo o secretário, Coronel Lima Júnior, o Sistema de Informação e Análise da Polícia Comunitária consiste na busca de informações da comunidade e a partir daí haverá um planejamento, controle, comunicação e tomada de decisões a favor dos moradores. A troca de informações permitirá uma aproximação entre as guarnições das Bases Comunitárias e os moradores da localidade beneficiada. O Sistema será implantado nos bairros do Jacintinho, Vergel, Benedito Bentes, Clima Bom e Eustáquio Gomes, onde estão localizadas as Bases Comunitárias.

 

Basta encostar a bicicleta amarela Alfabetização estagnou

               O Ministério da Educação apresentou o Plano Nacional de Alfabetização que dispõe de algumas medidas para tentar reverter a situação de estagnação da alfabetização. Mais da metade dos estudantes do 3º ano do ensino fundamental apresentaram nível insuficiente em leitura e em matemática para a idade, ou seja, dificuldade para interpretar um texto e fazer contas. O quadro se aprofundou no período entre 2014 e 2016. De acordo com a Avaliação Nacional de Alfabetização, 54,73% dos alunos tinham nível de leitura insuficiente em 2016. Em 2014 o percentual era um pouco maior, 56,17%. Os piores resultados foram detectados nas regiões Norte e Nordeste, com 70,21% e 69,15% respectivamente. Esses percentuais caem para 51,22% no Centro-Oeste, 44,92% no Sul e 43,69% no Sudeste. Na escrita, estudantes do Nordeste apresentaram resultado de 50,83% de insuficiência. Em matemática o índice chegou a 69,46%.


Prosperidade movida a bike   

             Na cidade de Pequim, na China, com a ascensão de uma próspera classe média e o rápido desenvolvimento da indústria automotiva, milhões de pessoas estão voltando ao velho, e sempre salutar, hábito de pedalar. E ao mesmo tempo compartilhando a bike. em um poste ou parede, deixar o equipamento no local e sair andando. Chega outra pessoa, passa o celular sobre um código digital afixado abaixo do guidão e vai embora na mesma bike. A Ofo, maior empresa de bicicletas compartilhadas do mundo, nasceu em 2014 e já oferece seus serviços em 15 países, e existem planos de chegar a América Latina.

Prosperidade movida a bike 2

           A sede da empresa está próxima da Universidade de Pequim. Foi ali que o jovem Dai Wai “pensou” no sistema de compartilhar o transporte de duas rodas. Com alguns amigos comprou algumas bicicletas e montou a empresa para rodar no campus universitário. Hoje ele é considerado pela revista “Fortune” como um dos maiores empresários da Ásia e o valor de mercado da sua companhia já ultrapassa US$ 2 bilhões. Um milhão de bikes da Ofo circulam em Pequim. Cada meia hora de uso custa um yuan, o equivalente a R$ 0,48. Um aplicativo no celular mapeia as unidades disponíveis nas proximidades. Basta aproximar o celular do “QR Code” e a trava das rodas é solta automaticamente. Ao final da viagem, em qualquer lugar da cidade, o sistema eletrônico debita o valor da conta corrente ou lança na fatura do cartão de crédito.

Prosperidade movida a bike 3

                A praticidade do serviço fez a Ofo crescer em altíssima velocidade, e hoje ela está presente em 180 cidades, com uma frota de 10 milhões de unidades, atendendo a 25 milhões de pedidos por dia. No final do ano passado a empresa iniciou operações em Seattle (Estados Unidos), Melbourne (Austrália) e Praga (República Tcheca) e agora as bicicletas amarelas estão chegando à Rússia, antes da Copa do Mundo. A empresa oferece 15 modelos diferentes, de acordo com o mercado. A lista inclui até bicicletas elétricas usadas em cidades com ladeiras, e com rodas mais grossas para reforçar estabilidade do ciclista em praias e regiões desérticas, de solo arenoso.

Violência doméstica em pauta

                 Um levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) denominado “O poder do Judiciário na aplicação da lei Maria da Penha” mostrou que em 2016, 184 novos inquéritos sobre violência doméstica e familiar contra a mulher foram instaurados em Alagoas. Apesar do número ser alto, o Estado foi um dos que teve a menor quantidade de novos inquéritos, juntamente com Amapá e Roraima. Neste mesmo ano, transitaram pela Justiça de todo o país, mais de um milhão de processos sobre violência doméstica contra a mulher, correspondente, em média, a 1 processo para cada 100 mulheres brasileiras.

Violência doméstica em pauta 2

                 Segundo ainda o levantamento, o Judiciário foi capaz de decidir um número de processos superior à demanda de casos novos neste assunto. Ingressaram nos Tribunais de Justiça mais de 300 mil casos criminais novos em violência contra a mulher e baixados 368.763 processos em 2016. O CNJ considera que o índice de resposta do Judiciário nestes casos foi positivo. Em uma década de vigência da Lei Maria da Penha, o número de varas e juizados exclusivos de violência contra a mulher passou de 5 para 111. Também foram instalados setores psicossociais especializados no atendimento a vítima em 17 tribunais. Ao todo, há 411 profissionais atuando nas varas e juizados especializados em violência contra a mulher.

 

 

  • Com a finalidade de promover o Destino Alagoas e atrair um número ainda maior de turistas argentinos para o Estado, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis desenvolve uma série de atividades no vizinho país.
  • Tendo como base as cidades de Buenos Ayres e Córdoba, o roteiro técnico envolve a capacitação de agentes de viagens e a participação de feiras internacionais na Argentina.
  • A agenda teve início em Córdoba com a Feira Internacional do Turismo, promovida pela ACAV (Associación Cordobesa de Agencia de Viaje).
  • Também está sendo promovida uma capacitação que envolve cerca de 400 agentes de viagens sobre o Destino Alagoas e seus produtos turísticos.
  • Para o secretário Rafael Brito, as ações desenvolvidas na Argentina são estratégicas para a consolidação de Alagoas no mercado internacional, especialmente pelo fato de que a Argentina é o maior mercado emissor para Alagoas.
  • O nosso Estado participa ainda, a partir do próximo Sábado (28) da feira Internacional do Turismo de Buenos Ayres, que deve ter a participação de mais de 400 expositores de todo o mundo. No ano passado a Feira recebeu mais de 90mil pessoas.