Blog do Dresch

26 de outubro de 2017

PAA estadual é enviado à Assembleia Legislativa

              O governador em exercício, Luciano Barbosa, encaminhou à Assembleia Legislativa o Projeto de Lei que cria o Programa Estadual de Aquisição de Alimentos, o PAA. “Este programa foi criado para minimizar as perdas registradas pelos pequenos produtores rurais, com a drástica redução das compras feitas pelo Governo Federal, através da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)” disse Barbosa. Segundo ele, o Governo vai investir R$ 15 milhões, de recursos próprios, oriundos do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep). “Assim, mais de 2,500 famílias de pequenos agricultores serão beneficiadas, além de milhares de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza” assinalou o governador.

PAA local chega a Assembleia 2

              Ainda de acordo com Luciano Barbosa “esse é um projeto construído em conjunto com os agricultores familiares, ouvindo suas necessidades. O PAA de Alagoas destina-se a beneficiar dois públicos distintos. De um lado fortalece a agricultura familiar como atividade econômica, garantindo a comercialização da produção dos pequenos agricultores ligados a associações rurais e cooperativas em todo o Estado. Isso possibilita a permanência do homem no campo e a dinamização da produção. Do outro, atende milhares de família em situação de vulnerabilidade, que vão receber esses alimentos em instituições de assistência à criança, ao idoso, entre outras” explicou.

 

CPI pede indiciamento

              A CPI da Previdência, que apresentou o seu relatório no início da semana, concluindo que o governo falta com a verdade em relação aos números da Previdência no país, pediu ainda o indiciamento dos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Fazenda, Henrique Meirelles, por crime de responsabilidade. Eles são acusados de usarem a máquina pública para fazer campanha para aprovação da PEC 287. Segundo o relator da Comissão, Senador Hélio José (Pros-DF) “Padilha usou a Secretaria de Comunicação para mentir ao povo brasileiro que há uma situação que não é real, enquanto Meirelles usa contas comprovadamente irreais para forçar um déficit que não existe”. A CPI recomendou ainda uma mudança na legislação, mais rigor para os inadimplentes, da necessidade de mais servidores para o INSS e para a Procuradoria da Fazenda, com a finalidade de aumentar a fiscalização.

 

Cartéis dominam tráfico

             No relatório anual sobre narcotráfico, a agência anti-drogas dos EUA (DEA) assinalou que os cartéis mexicanos são os principais provedores de drogas para o território norte-americano. Segundo a agência, os mexicanos controlam as lucrativas rotas do narcotráfico, em especial as da fronteira do sudoeste do país, que lhes permite introduzir “quantidades significativas” de heroína, cocaína, metanfetaminas, maconha a fentanil, um potente narcótico sintético. As organizações mexicanas também controlam as rotas de transporte e distribuição nos Estados Unidos.

Cartéis dominam tráfico 2

             O DEA assinala ainda em seu relatório, que seis cartéis mexicanos dominam o mercado nos EUA:  o Cartel Sinaloa, o de maior presença; Cartel Nova Geração de Jalisco; o Cartel de Juárez; o Cartel do Golfo; O Los Zetas e a organização dos Beltrán-Leyva. Estes mesmos grupos controlam grandes regiões no México em termos de cultivo e produção. A vendas de drogas nos Estados Unidos está mapeada, seguindo informações obtidas pela Agência Anti-Drogas. Assim as cidades são dominadas da seguinte forma: Phoenix, Los Angeles, Denver e Chicago (Sinaloa); Nova York e Atlanta (nova geração de Jalisco); El Paso, Denver, Oklahoma City (Cartel de Jalisco) e assim por diante.

Governo quer cortar abono

            Caso o Congresso Nacional não aprove da reforma da Previdência, o governo poderá, como uma das primeiras medidas alternativas, acabar com o abono salarial, que custa à União cerca de R$ 20 bilhões por ano. O abono confere ao trabalhador privado e público, que ganha até dois salários mínimos por mês, um salário mínimo a mais por ano. O Governo reconhece que a reforma tem duas medidas de difícil aprovação: uma é o endurecimento das regras de acesso à Lei Orgânica de Assistência Social (Loas) que é um benefício contínuo. Outra mudança combatida pela bancada ruralista é a contribuição dos trabalhadores rurais à Previdência.

Papa prega união do clero

             Em um encontro com religiosos brasileiros, o papa Francisco salientou a importância da união do clero no Brasil, diante da “escandalosa corrupção” registrada no país. “Neste momento difícil da sua história nacional, quando tantas pessoas parecem ter perdido a esperança em um futuro melhor pelos enormes problemas sociais e pela corrupção, o Brasil precisa que suas curas sejam sinais de esperança” afirmou Francisco. Segundo ele “os brasileiros precisam ver um clero unido, fraterno e solidário, e os sacerdotes precisam enfrentar lado a lado os obstáculos, sem cair nas tentações do protagonismo ou de fazer carreira” alertou o Pontífice.

 

 

  • Analistas tributários da Receita Federal em todo o país colocaram em prática a ameaça que fizeram ao Governo e ontem paralisaram as atividades por 24 horas.
  • Eles protestam pela demora no cumprimento de acordos salariais com a categoria.
  • A paralisação foi de 24 horas mas afetou tanto o atendimento nas delegacias regionais do Fisco, quanto a liberação de mercadorias nos portos e aeroportos.
  • Também não houve trabalho nos postos da fronteira, na inspeção e liberação de mercadorias, nas operações especiais de vigilância e repressão, e nem na verificação física das bagagens.
  • De acordo com o Sindicato Nacional dos Analistas Tributários da Receita Federal (Sindireceita), o acordo salarial assinado em Março de 2016 não foi cumprido pelo governo até o momento.
  • A entidade alega que a falta de definição prejudica o funcionamento do Fisco. A Receita Federal informa que não comenta mobilizações de servidores do órgão.