Blog do Dresch

5 de outubro de 2017

Pesquisa orienta sobre presentes no Dia das Crianças

pesquisa orienta sobre presentes no dia das criancas 600x300 c - Pesquisa orienta sobre presentes no Dia das Crianças

                 O comércio já começa a sentir um crescimento nas vendas de presentes para o Dia das Crianças, e por isso mesmo que o Procon de Alagoas, disponibilizou, em seu site, uma pesquisa de preços para auxiliar o consumidor na escolha. Segundo o Superintendente do Procon de Alagoas, João Neto “a pesquisa é fundamental para que o cliente possa escolher a melhor opção de compra”. Além da orientação, o órgão também seleciona os problemas mais comuns e que devem ser solucionados posteriormente. A pesquisa, divulgada anualmente, traz os preços de 45 itens, como brinquedos, bonecos, jogos de tabuleiro etc. O levantamento foi feito em quatro grandes estabelecimentos do ramo.

 

Demissão no serviço público

                 A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou na última quarta-feira algumas regras para a demissão do servidor público estável por “insuficiência de desempenho”. As regras seriam aplicadas a todos os Poderes, nos níveis federal, estadual e municipal. A matéria ainda será apreciada em três comissões, a começar pela Comissão de Assuntos Sociais. Pelo texto, o desempenho funcional dos servidores deverá ser apurado anualmente por uma comissão avaliadora que deverá levar em conta, entre outros fatores, a produtividade e a qualidade do serviço. Deve ser garantido também o direito ao contraditório e a ampla defesa. O relator do projeto Lasier Martins (PSD-RS) a produtividade e a qualidade serão os fatores avaliativos fixos associados a outros cinco fatores variáveis, escolhidos em função das principais atividades exercidas pelo servidor no período. Estão listados, entre outros, “inovação, responsabilidade, capacidade de iniciativa, foco no usuário/cidadão”.


A irrigação no Brasil

             O Brasil está entre os dez países com maior área irrigada do planeta, segundo estudo divulgado esta semana pela Agência Nacional de Águas (ANA). Segundo o Atlas Irrigação: uso da água na agricultura irrigada, o país tem hoje 6,95 milhões de hectares que produzem alimentos com diferentes técnicas. A pesquisa mostra que o montante é apenas 20% da área potencial para a atividade. Segundo o levantamento, a Região Sudeste apresenta 2.709,342 hectares irrigados; a Região Sul, 1.696,233 ha; a Região Norte, 194.002 ha; a Região Nordeste, 1.171,159 ha; e a Centro-Oeste 1.183,974 ha. O estudo da ANA destaca quatro métodos de irrigação como os principais do país: por superfície, subterrânea, por aspersão e localizada, especialmente utilizadas no agronegócio. 

A irrigação no Brasil 2

               Segundo o Atlas, entre os principais cultivos irrigados do país, como arroz e cana-de-açúcar, culturas em pivôs centrais (método no qual a água é aspergida por cima da plantação utilizando uma tubulação suspensa) a exemplo do feijão, milho e soja. Segundo a agência reguladora, a irrigação contribui para a estabilidade e o aumento da oferta de alimentos “e o consequente aumento da segurança alimentar e nutricional da população brasileira. Tomate, arroz, pimentão, cebola, batata, algo, frutas e verduras são exemplos de alimentos produzidos sob alto percentual de irrigação”, diz o Atlas.

A irrigação no Brasil 3

              O estudo ressalta ainda que, embora o crescimento da irrigação resulte, em geral, no aumento do uso da água, a atividade contribui para “o aumento da produtividade, a redução dos custos unitários, a atenuação dos riscos climáticos/meteorológicos e a otimização de insumos e equipamentos”. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) os líderes mundiais em irrigação são China e Índia com 70 milhões de ha, seguidos pelos EUA (26,7 milhões de ha), Paquistão (20 milhões de ha) e Irã (8,7 milhões de ha). O Brasil está no grupo de países com área irrigada entre 4 e 7 milhões de há, e inclui a Tailândia, México, Indonésia, Turquia, Bangladesh, Vietnã, Uzbequistão, Itália e a Espanha.

 

 

Livre da aftosa sem vacina

O Brasil pretende implantar o Plano Estratégico do programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (Pnefa), para que o país possa ser considerado pela Organização Mundial de Saúde Animal, como livre da doença sem vacinação a partir de 2023. Para atingir o status sanitário de área livre da aftosa sem vacinação, é preciso que sejam adotados critérios técnicos, geográficos e estruturais. Para que seja implementado, as unidades da federação foram agrupadas em cinco blocos, o que permitirá transpor com mais facilidade as zonas livres de febre aftosa com vacinação, para livre sem vacinação de forma regionalizada.

Livre da aftosa sem vacina 2

           O bloco 1 é formado por Acre e Rondônia, sendo que a primeira reunião acontecerá dias 23 e 24 deste mês com a presença de representantes da Bolívia e do Peru. O grupo 2 é composto por Amazonas, Amapá, Pará e Rondônia. Já o 3 inclui Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Ceará, Pernambuco, Paraíba e Alagoas com reunião agendada para 21 e 22 de Novembro. O bloco 4 conta com São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Goiás e Tocantins. Já o grupo 5 é formado por Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

 

  • Uma caravana liderada pelo governador Renan Filho e formada por secretários de estado, servidores, autoridades e convidados, esteve na cidade de Porto Calvo, como parte da comemoração pelo bicentenário de emancipação política de Alagoas.
  • “Na Rota dos 200 anos” é um projeto que estabelece quatro viagens pela história do Estado. A primeira em defesa e pela revitalização do Rio São Francisco, realizada recentemente de barco entre a cidade de Piranhas até Penedo.
  • A segunda passa por um acompanhamento do trabalho de inclusão social nas grotas de Maceió, no trabalho que é de feito conjuntamente entre o Governo de Alagoas e a Organização das Nações Unidas.
  • Outra viagem passa pelas origens alagoanas. Nessa está incluída a visita aos locais históricos de Porto Calvo e terá sequência com a ida a Marechal Deodoro, primeira capital.
  • Finalizando, será feito um ato em defesa da liberdade e da igualdade racial, na Serra da Barriga, em União dos Palmares completando o ciclo.
  • Em Porto Calvo a caravana visitou o Memorial Calabar, erguido no Alto da Forca, local em que Calabar foi morto e esquartejado, por se aliar ás tropas holandesas, contra o jugo português.