Blog do Dresch

23 de setembro de 2017

O Mutum está de volta ao seu habitat natural

o mutum esta de volta ao seu habitat natural 600x300 c - O Mutum está de volta ao seu habitat natural

                 Com a inauguração do Centro de Educação Ambiental Pedro Nardelli, em área da Usina Utinga, em Rio Largo, a política ambiental de Alagoas consolida um passo importante em defesa da fauna da Mata Atlântica. A reintegração do Mutum-de-Alagoas (Pauxi mitu) no seu habitat natural, após 30 de extinção, é um trabalho reconhecido por ambientalistas de todo o mundo. Idealizador do projeto, estudioso do assunto e presidente do Instituto para Preservação da Mata Atlântica (IPMA), Fernando Pinto divide as honras com o próprio Pedro Nardelli, que se dedicou, através da sua ONG de Minas Gerais a realizar o trabalho de monitoramento genético da ave, criando em cativeiro a espécie que agora retorna a Alagoas.

A natureza agradece 2

                 O Mutum-de-Alagoas é a ave de maior porte encontrada em toda a Mata Atlântica do Nordeste. É considerado um bioindicador importante, assim como é um eficiente dispersor de sementes. Sua ausência na natureza afeta toda a biodiversidade, principalmente de árvores como a Mirindiba, que produz um dos principais frutos apreciados pelo mutum, e depende dele para sua disseminação. “Receber o Mutum-de-Alagoas de volta, estabelece um modelo de cooperação entre pessoas e instituições imbuídas de um sentimento nobre, que possibilitará que outras espécies ameaçadas possam ter a mesma chance que o mutum está tendo “assinala Fernando Pinto.

 

Temer tenta se explicar

                 O presidente Michel Temer resolveu dar explicações sobre as denúncias, cada vez mais sérias e consistentes do doleiro Lúcio Funaro, que parece ser mais íntimo do presidente do que se acreditava. Lúcio orbitava entre o quadrilhão do PMDB na Câmara, principalmente fazia a ponte entre o então vice-presidente Temer com o deputado Eduardo Cunha, presidente da Casa. Funaro, na sua delação relacionou imóveis diversos pertencentes a Temer e adquiridos, segundo o delator, com recursos ilícitos. O presidente confirmou que é dono de um andar inteiro “na Brigadeiro Faria Lima, no centro de São Paulo”, mas disse que comprou os imóveis com dinheiro oriundo de aplicações e dos ganhos com seu escritório de advocacia. Ontem o advogado Antônio Mariz pediu desligamento da defesa de Temer, porque ele também é advogado de Funaro. Para provar a inocência de um, teria de comprovar a culpabilidade do outro.

 

Oito meses em “Marte”

                         Seis pessoas deixaram esta semana uma cúpula isolada no Havaí, após terem passado os últimos oito meses em uma missão simulada para Marte, vivendo em instalações mínimas, comendo alimentos secos e tentando se relacionar bem. O experimento, realizado pela Universidade do Havaí, foi o quinto deste tipo destinado a ajudar os cientistas a resolverem os conflitos interpessoais que podem surgir entre os astronautas que embarcam em uma viagem longa no espaço profundo. Os voluntários, quatro homens e duas mulheres deixaram a cúpula ansiosos para saborear comida fresca e respirar ar puro. O programa é financiado pela NASA, que espera poder enviar os primeiros astronautas ao Planeta Vermelho na década de 2030.

Oito meses em “Marte” 2

                    Para os cientistas que monitoram a cúpula e seus integrantes, embora os conflitos sejam inevitáveis a última equipe se saiu muito bem em suas tarefas fundamentais. Os cientistas monitoram as interações da equipe para detectar sinais de conflitos emocionais, e lhes deram dispositivos de realidade virtual para ajudar a lidar com o estresse. Para tornar a situação mais próxima da realidade os membros da tripulação tinham que utilizar trajes espaciais sempre que saíam da cúpula, localizada em um lugar ermo de Mauna Loa. Está previsto que outra missão de oito meses comece em Janeiro de 2018.

Crianças escravas no mundo

                     Estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado na Assembleia das Nações Unidas, estima que 152 milhões de crianças foram submetidas a trabalho infantil em 2016, sendo 88 milhões do masculino e 64 milhões do feminino. Isso representa que uma em cada dez crianças de 5 a 7 anos foi explorada dessa forma em todo o mundo. Quase a metade, 73 milhões, exerciam o que a OIT considera trabalho perigoso, que colocam em risco sua saúde, segurança e desenvolvimento moral, como acontece na mineração e na construção civil.

Crianças escravas no mundo 2

                      Os ramos que mais exploram o trabalho infantil no mundo são agricultura (70,9%), serviços (17,1%) e indústria em geral (11,9%). O estudo mostrou ainda que meninas e mulheres são os principais alvos da escravidão moderna, chegando a quase 29 milhões. Na indústria do sexo, as mulheres representam 99% da mão de obra explorada. As mulheres também são submetidas a casamentos obrigatórios, que foram contabilizados na pesquisa por envolverem relações de submissão. Nesse caso o percentual chega a 84%. De acordo com a OIT, mais de um terço de todas estas vítimas eram crianças no momento que se casaram e quase todas eram meninas.

 

  • No primeiro Boletim Epidemiológico de Tentativas e Óbitos por Suicídio no Brasil, o país teve 11.736 suicídios reportados no ano de 2015. Isso faz com que a taxa no país seja de 5,7 casos a cada 100 mil habitantes.
  • A taxa ainda é maior entre os idosos e crescente de acordo com a idade do grupo analisado. Entre pessoas com 70 anos ou mais, a mortalidade autoinfligida é de 8.9 a cada 100 mil habitantes. Depois vem as pessoas com idade de 50 a 59 anos com 8 óbitos.
  • As taxas vão caindo com a redução da idade, sendo a menor média sendo de crianças de 5 anos a jovens de 19 anos que chega a 1,7 mortes por 100 mil habitantes.
  • Outro dado constante no Boletim é a alta prevalência de suicídio na população indígena. Entre eles a taxa chega a 15,2 a cada 100 mil habitantes. Entre os negros a taxa é de 4,7 e entre os asiáticos, de 2,4.
  • Os dados servirão para balizar as ações do Brasil para cumprir a meta acordada com a Organização Mundial da Saúde (OMS), de reduzir em 10% a taxa de mortalidade por suicídio. O levantamento agora será feito anualmente.