Sérgio Toledo

20 de setembro de 2017

Os pardais, a política e outras coisas.

Estive recentemente na capital do Rio Grande do Norte para um Congresso Brasileiro do estudo da dor.

A cidade é muito acolhedora. Natal com suas dunas e falésias, seu cajueiro gigante – o maior do mundo – sua culinária e seu clima agradável.

Bem. Já o centro de convenções onde o congresso teve lugar deixa muito a desejar. Não existe faixa de pedestre ou sinal de pedestre para uso. Uma ladeira enorme para se chegar ao mesmo.

Aqueles que falam que Maceió é a capital dos Pardais estão muito enganados.

Fui de automóvel. Passei por Recife, João Pessoa até chegar a Natal. Senhores e senhoras. Cuidado ao transitarem por essas capitais e seus entornos. Ai sim os pardais fazem seus ninhos e tem sua turma em bando. As pessoas em geral e os políticos em particular deveriam antes de falarem sobre algo checarem suas informações.

Aqui entre nós a regulamentação de velocidade e a disciplina no trânsito tem tido bom resultado. Quem trafega pelas avenidas Fernandes Lima e Durval de Góes Monteiro percebe que o fluxo está mais ágil e os acidentes, principalmente com motociclistas tem diminuído muito.

É interessante como os brasileiros e os alagoanos em particular só olham para o seu nariz e umbigo. Não costumam verificar que a coletividade deve estar em primeiro lugar.