Blog do Dresch

29 de agosto de 2017

O Mutum-de-Alagoas está de volta ao seu habitat

o mutum de alagoas esta de volta ao seu habitat 600x300 c - O Mutum-de-Alagoas está de volta ao seu habitat

                  Após ser considerado extinto da nossa Mata Atlântica, o Mutum está voltando. Ele deve começar a ser reintroduzido neste mês de Setembro, segundo garantia dada pelo presidente do Instituto Mata Atlântica, Fernando Pinto. Primeiramente serão dois casais que ficarão em um cativeiro para adaptação. Depois, outros cinco casais se juntarão e aos poucos vão voltar a habitar o seu local de origem, explicou Fernando Pinto que trabalha há mais de duas décadas por esta ação. “O viveiro de imersão está em fase final de construção, e é chamado desta forma, porque as pessoas poderão visitar e conhecer de perto o Mutum” explicou.

 

Violência contra mulher

                   A violência doméstica praticada contra a mulher causa um prejuízo de cerca de R$ 1 bilhão a economia brasileira devido às consequências da agressão sofrida pelas trabalhadoras dentro de suas casas. O dado foi apresentado em um relatório elaborado pela Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar, que acompanhou a vida de dez mil mulheres em nove capitais nordestinas desde 2016. As 250 pesquisadoras identificaram e quantificaram o peso dos diferentes tipos de violência na vida laboral feminina. O estudo foi feito em parceria com o Instituto Maria da Penha. As três capitais onde o impacto é mais sentido é em Teresina (48%), Aracaju (42%) e Natal com 40%. A pesquisa revelou que, em média, as mulheres agredidas centro de casa, faltam ao trabalho 18 dias por ano. Também permanecem menos tempo empregadas, cerca de 58 meses em média, contra 78 meses que uma mulher que não sofre violência mantém seu emprego.

 

O Mutum está chegando 2

                   O Mutum-de-Alagoas é considerada uma das aves mais raras do mundo. Ela é endêmica do território alagoano e por aqui foi extinta. Um pesquisador do sudeste, Pedro Nardelli, conseguiu manter a espécie com seis exemplares em cativeiro e hoje existem 151 sendo criados por ele, sendo 54 puros. No mundo, só existem 230 exemplares. O Instituto trabalha em parceria com o Ibama e com o IMA, que estão elaborando toda a documentação e autorizações legais para a recepção das aves. Os cinco casais que serão a base do povoamento nas áreas ainda existentes de Mata Atlântica devem começar a chegar nos próximos dias.

Uma juventude obesa

            Nos últimos dez anos, a obesidade avançou em todas as faixas etárias no país, mas quase dobrou entre jovens de 18 a 24 anos, de 4,4% para 8,5%. E embora a doença é mais frequente entre aqueles com menos escolaridade, ela tem avançado também entre os de nível médio e superior. A avaliação é do Ministério da Saúde que realizou uma pesquisa sobre hábitos de vida e risco de doenças crônicas. Hoje, mais da metade da população adulta está acima do peso ideal e um em cada cinco são obesos. Segundo especialistas, a mudança nos hábitos alimentares é a grande responsável pelo aumento dos casos de obesidade. Além disso, a falta de atividades físicas e o stress também contribuem.

Uma juventude obesa 2

             A preocupação é maior diante do risco de doenças crônicas, uma vez que os jovens (15 a 25 anos) estão tomando remédios para diabetes, colesterol e pressão alta. Doenças que apareciam antes, lá pelos 40 anos, agora chegam bem mais cedo. Alguns estados estão até criando centros especializados para tratamento da obesidade, hipertensão e diabetes. Alguns profissionais defendem a necessidade da mudança na abordagem dos pacientes ao verificar a evolução do peso e ao mesmo tempo deve-se pressionar o governo por políticas mais efetivas de prevenção, o mais cedo possível.

Greenpeace critica Temer

                   A entrega de uma área de 40 mil km2 quadrados, no coração da floresta amazônica, para mineração, é, na opinião de Nilo D’Ávila, diretor do Greenpeace “apenas uma pequena mostra dos projetos do governo Temer para o meio ambiente do país”. Ele disse, em uma manifestação ocorrida no último Domingo, sobre a liberação para exploração da Renca (Reserva Natural de Cobre e Associados). Segundo ele, “a gente tem um desmonte articulado a ser feito a partir da legislação que regula o licenciamento ambiental no Brasil. Agora enfrentamos a vontade do governo de liberar todo o capital mineral brasileiro para especulação internacional. Estes movimentos, que estão conectados, vão causar uma grande destruição na Amazônia” disse Nilo.

Greenpeace critica Temer 2

                   O diretor da ONG de proteção ao meio ambiente, afirmou ainda que os que fazem o Greenpeace estão muito preocupados com o futuro da Amazônia. “Para onde a pessoa olha, vê um problema diferente e são tantas coisas: tem a questão da reforma trabalhista à aposentadoria, a Amazônia, a reativação nuclear, a perfuração de corais. Uma quantidade tão grande de questões e escândalos que as pessoas não sabem o que fazer, como reagir. Neste momento ambientalista, estamos convocando as pessoas a reagir contra este plano do governo que vai levar a destruição da Amazônia. É uma pena para o Brasil que tinha uma agenda climática, tinha uma posição bastante progressista e cumpria o Acordo de Paris, agora se distancia dos compromissos ambientais” concluiu Nilo D’Ávila.

 

  • Governador Renan Filho assinou ontem a Ordem de Serviço para a construção do 1º Centro de Telepresença do Brasil, fruto de uma parceria entre o Executivo estadual e o Poder Judiciário.
  • O Governo pretende com o Centro, promover a justiça e a dignidade no cárcere, atuar com mais modernidade e agilidade processual.
  • A obra será edificada com recursos próprios do Estado e disponibilizará seis salas para audiências, todas devidamente equipadas e que vão possibilitar a realização de até 48 audiências por dia.
  • As salas e as teleaudiências vão proporcionar ainda mais segurança para os agentes penitenciários, sobretudo na parte operacional, além de uma grande economia para o Estado.
  • As salas serão equipadas com painéis acústicos, microfones, câmeras e demais equipamentos televisivos necessários para as transmissões.
  • Atualmente o sistema prisional conta com sete salas para realização de audiências telepresenciais, sendo quatro no Complexo Penitenciário e outras três no Presídio do Agreste.