Sérgio Toledo

23 de agosto de 2017

A perda de amigos.

O mês de agosto é tido como o mês do desgosto. Qual a razão?

Diz a lenda que os portugueses quando saiam a navegar em alto mar para conquistas sempre faziam em agosto. Assim não havia casamento, pois as moçoilas não teriam lua de mel ou ficariam viúvas.

Para nós médicos o mês de agosto de 2017 tem trazido algumas surpresas com as notícias tristes de falecimento de vários colegas.

Uma pediatra, um anestesista e um urologista nos deixaram nas semanas que passaram. Já o amigo Pádua, na segunda-feira próxima passada.

Todos tiveram passagem importante na vida médica clínica, como também associativa. Cumpriram a missão de minorar o sofrimento dos clientes/pacientes e proporcionaram melhor qualidade de vida aos mesmos.

Deixaram exemplos a seguir. Infelizmente um deles é que o seguidor de Hipócrates necessita olhar também para si como ser humano e ter o mesmo cuidado que dedica aos outros.

Explicando melhor: o médico é um ser humano igual a qualquer outro e necessita também os cuidados de médicos para a sua saúde. Esquecem-se disso e não dão valor aos sinais e sintomas que teimam em aparecer. A melhor forma de ter saúde e qualidade de vida é fazendo prevenção. Não só a prevenção com idas aos médicos e fazendo exames, como também com uma alimentação regrada, comendo a metade. Atividade física, andando o dobro. E fazendo algo tão simples: sorrindo o triplo!