Blog do Dresch

25 de julho de 2017

Joesley: “Multa de R$ 10 bi é mais do que suficiente”

joesley e2809cmulta de r 10 bi e mais do que suficientee2809d 600x300 c - Joesley: “Multa de R$ 10 bi é mais do que suficiente”

                   Para o empresário Joesley Batista, dono do Grupo J&F, a multa de R$ 10,3 bilhões que pagará ao país, como resultado do acordo de leniência assinado com o Ministério Público Federal “pagará com sobras possíveis danos à sociedade brasileira”. A afirmação do empresário está em um artigo publicado no último Domingo, no jornal Folha de São Paulo. Joesley fechou o acordo com o MPF ao entregar gravações de conversa com o Presidente da República, Michel Temer (PMDB). No artigo, Batista assegura que resolveu escrever o texto para acabar de vez com “mentiras e folclores” a respeito da sua delação.

Multa de R$ 10 bi é justa? 2

                   Através do artigo, o dono do Grupo J&F aponta uma lista de fatos que ele afirma serem “mentiras” como a de que estaria protegendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e que ele seria o responsável pelo vazamento do áudio para a imprensa, no intuito de ganhar milhões com especulações financeiras. Joesley garante que agora está focado na segurança da família e na saúde financeira das suas empresas, para garantir os 270 mil empregos que elas geram. E que poucos mencionam a multa bilionária que pagarão. “Essa obrigação servirá para que nossas próximas gerações jamais se esqueçam dessa lição do que não fazer” diz o texto.

O Etanol sempre sai perdendo

                   O aumento da alíquota do PIS e Cofins para os combustíveis, foi o maior dos últimos 13 anos e revoltou consumidores em geral. As entidades de classe que ajudaram no golpe que colocou Michel Temer no Planalto, também chiaram. A União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica) disse que as recentes alterações de tributos vão prejudicar a competitividade do etanol em relação à gasolina. “Essa decisão mostra que no governo não existe uma política pública voltada para viabilizar o consumo de combustíveis renováveis, Se houvesse, o etanol teria ficado de fora do aumento de tributos” avalia a Unica. Para a entidade, o aumento de tributos deveria preservar a relação de 70% do preço do etanol em relação à gasolina, o que faz com que o álcool combustível seja mais vantajoso para a utilização em carros flex. O governo reajustou a alíquota do etanol de R$ 0,12 para R$ 0,1309 para o produtor. Para o distribuidor, a alíquota, antes zerada, aumentou para R$ 0,1964.

 

Bolsa-Família desliga 18 mil

                   Nos sete primeiros meses deste ano, 18.356 famílias alagoanas foram desligadas do Programa Bolsa-Família. A informação é da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social, através da coordenação do Programa. Segundo a coordenadora, Maria José Cardoso, a saída dessas famílias do programa, é resultado do “pente-fino” no recadastramento praticado pelo governo federal. E a ação também abre novas oportunidades para as famílias que aguardam a inclusão no Programa. “São abertas novas oportunidades, que beneficiarão a população em situação de vulnerabilidade” esclarece Maria José.

Bolsa-Família desliga 18 mil 2

                   O monitoramento e controle do Bolsa-Família é realizado tanto no processo de Revisão Cadastral, que define que as famílias devem comparecer às prefeituras e atualizar seus dados a cada dois anos, como no processo de Averiguação Cadastral, que cruza os dados dos beneficiários com os de outros bancos de dados administrativos. Em todo o país, 11 milhões de famílias foram convocadas para atualização dos dados no Cadastro Único que envolve os programas sociais como Minha Casa, Minha Vida, Bolsa Verde, Carteira do Idoso, Tarifa Social de Energia Elétrica, Isenção de Taxas em Concursos Públicos, Telefone Popular e o Benefício da Prestação Continuada.

Larvicida contra o Aedes

             Um larvicida utilizado contra o mosquito Aedes aegypti, foi um dos seis trabalhos agraciados no 14ª Prêmio Destaque de Iniciação Científica, entregue recentemente pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Buscando um produto eficaz no combate ao vetor da dengue, zika e chikungunya, o pesquisador Ítalo Sarquis, da Universidade Federal do Amapá, apostou no óleo da semente da Sucupira, uma árvore do cerrado que atinge entre 8 e16 metros de altura. O efeito do óleo na larva do mosquito já era conhecido pela ciência, contudo seu uso era inviável, uma vez que o produto não é solúvel em água. Foi exatamente este o diferencial encontrado pelo pesquisador.

Larvicida contra o Aedes 2

            Sarquis conseguiu isolar uma substância do óleo e a partir dela desenvolveu um produto nanoestruturado, ou seja composto por pequenas partículas. “O tamanho destas partículas faz toda a diferença, porque faz com que o efeito seja maior e que a substância permaneça mais tempo seja na água, em óleo, em medicamento etc.” explica Sarquis. Além de ser natural e sustentável, o produto tem como vantagem a liberação da substância de forma controlada, e isso o difere de outros larvicidas cuja ação dura pouco. O produto já está patenteado e agora busca encontrar parceiros na indústria que queiram colocar o mesmo no mercado.

 

 

  •  Derivado do filme com o mesmo nome, a série “Sob Pressão” dirigida por Andrucha Waddington, estreia hoje na Rede Globo de Televisão.
  • O roteiro é de Jorge Furtado, Antônio Prata, Lucas Paraizo e Marcos Alemão com base no livro homônimo do médico Marcio Maranhão. O seriado pretende expor a realidade da saúde pública brasileira, através dos dilemas vividos pelo cirurgião Evandro e outros médicos e também dos pacientes.
  • Algo semelhante ao que foi mostrado no programa Fantástico, com a rotina do médico alagoano Paulo Valões, que há 40 anos trabalha no Hospital Geral do Estado, dedicando sua vida a salvar a dos outros.
  • Voltando ao seriado da Globo, o médico Evandro tem no improviso e na criatividade a forma de suprir a falta de quase tudo. No capítulo de estreia, faltam drenos para um paciente. O médico sai correndo e volta com um pedaço de mangueira. Corta em pedaços, desinfeta o material e tem os drenos que necessita.
  • A história dos hospitais públicos brasileiros é conhecida por todos, por isso o seriado explora a visão dos pacientes diante do drama dos médicos em encontrar formas de salvar vidas.