Blog do Dresch

15 de julho de 2017

As propinas do ex-ministro Geddel

                   Após deixar o Presídio da Papuda e ganhar graciosamente a prisão domiciliar, o ex-Ministro Geddel Vieira Lima, vai ter que se explicar muito, para não retornar ao xadrez. Esta semana, o corretor de valores Lúcio Funaro, em depoimento à Polícia Federal, afirmou que fez várias viagens a Salvador, onde entregou malas de dinheiro diretamente a Geddel. As entregas aconteciam na sala VIP do hangar Aerostar, no aeroporto da capital baiana. Funaro disse ainda que em outras duas viagens á praias do Nordeste, parou rapidamente em Salvador para entregar outras malas ou sacolas de dinheiro ao ex-ministro. Em uma dessas paradas apresentou Geddel a sua esposa, Raquel.

Enrolado como poucos 2

                   O corretor disse ainda em seu depoimento, que os vários telefonemas de Geddel para sua esposa despertaram um receio de que poderia haver algum tipo de retaliação caso viesse a fazer um acordo de delação premiada, uma vez que “Geddel era integrante do primeiro escalão do governo, além de amigo íntimo do presidente Temer”. Funaro explicou que considerava possível que o ex-ministro e outras pessoas ligadas a ele, poderiam exercer influências políticas sobre algum órgão, ou mesmo sobre o Poder Judiciário, caso ele resolvesse fazer a delação premiada.

“CLT já cumpriu seu papel”

                   O Ministro do Trabalho, Ricardo Nogueira, disse que a reforma trabalhista, promulgada esta semana, afetará todos os contratos vigentes no país. A lei vai entrar em vigor em 120 dias. Para o ministro, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) “já cumpriu o seu papel, e era necessária uma atualização para resolver os problemas do século 21”. A lei traz várias modificações nos direitos e deveres dos trabalhadores e patrões nas relações de trabalho. Também dificulta e encarece o acesso à Justiça do Trabalho, com a finalidade de reduzir o número de processos trabalhistas, e altera procedimentos como a rescisão contratual, que deixa de ter como obrigatória a presença dos sindicatos. Também foi extinta a obrigatoriedade do imposto sindical, que vai afetar duramente a saúde dos sindicatos. O governo jura de pés juntos que a reforma dará mais segurança nas relações de trabalho e ajudará na redução do desemprego. Só acredito vendo!

É muito feijão de corda

               Agricultores familiares do município de Campo Alegre, deram início esta semana a colheita da safra 2017 de feijão de corda. São 917 famílias de pequenos produtores que estimam colher 35 mil sacas do produto, obtidas em 1.700 tarefas de terra. As áreas de plantio foram cedidas pelas Usinas Porto Rico e Sinimbu, dentro do Programa Barriga Cheia, que utiliza terras disponíveis antes do plantio da cana-de-açúcar. A Secretaria de Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura fez a doação das sementes de feijão.

É muito feijão de corda 2

              Para o secretário de Agricultura, Álvaro Vasconcelos, o Programa Barriga Cheia é uma das prioridades do Governo de Alagoas, já que contempla milhares de famílias. E além da garantia do alimento, também permite uma renda extra aos agricultores familiares. No ano passado, nessa mesma área, a safra de feijão de corda chegou a 15 mil sacas, bem abaixo das 35 mil previstas para agora. Campo Alegre foi o primeiro município a ser contemplado com o Programa, que já foi estendido a outros locais onde foi feita a parceria com as usinas.

J&F vende Alpargatas

             A J&F Investimentos, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, repassaram a Alpargatas para a Itaúsa, ligadas ao Itaú Unibanco, em sociedade com a Brasil Warrant e a gestora Cambuhy. O valor da aquisição girou em torno de R$ 3,5 bilhões e envolve a participação de 54,24% que a J&F detinha na companhia de vestuário. O negócio envolve 85,78% das ações ordinárias da empresa. Os três novos sócios farão a gestão compartilhada da dona das Havaianas, após celebrar um acordo. O fechamento da operação depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Que tipo de sangue é o seu?

             Segundo uma pesquisa do Instituto Datafolha, cerca de 40% dos brasileiros não sabem responder qual o seu tipo sanguíneo. Este é o percentual de pessoas que admitiram não saber, mas muitas têm vergonha de dizer que não conhecem seu próprio tipo. Por isso mesmo é difícil conseguir convencer a população da importância da doação de sangue, se grande parte desconhece a quem possa doar. Segundo a pesquisa o desconhecimento diminui conforme aumenta o grau de instrução, e também mais mulheres sabem esse dado do que os homens. O desconhecimento reflete a realidade do nosso país, diz Roberta Fachini, diretora médica do Banco de Sangue do Hospital Sírio Líbanês.

 

  • Apenas nos primeiros seis meses deste ano, o órgão controlador do trânsito em Maceió, a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) aplicou 130.451 multas aos motoristas que trafegam nas ruas e avenidas da capital alagoana.
  • A quantidade absurda de multas foi divulgada pelo próprio órgão municipal e impressiona ainda mais, quando comparado com as 52.087 multas aplicadas em igual período do ano passado.
  • Ainda de acordo com o órgão “multador”, os locais com maior registro de infrações são as ruas centrais, a orla marítima, nas avenidas Durval de Góis Monteiro e Fernandes Lima, e as ruas do bairro da Jatiúca.
  • A infração por excesso de velocidade chega a 71,4% do total de multas, seguida do estacionamento irregular, com 12,2%. Outra irregularidade frequente é o uso, por veículos particulares, da faixa exclusiva para ônibus, (a chamada faixa azul).
  • As equipes da SMTT recolheram também no primeiro semestre 933 veículos por desrespeito ás normas do Código de Trânsito Brasileiro.