Blog do Dresch

6 de julho de 2017

Governo ameaça cortar o Pis/Pasep

governo ameaca cortar o pispasep 600x300 c - Governo ameaça cortar o Pis/Pasep

                   O governo Temer continua decidido a acabar com as conquistas dos trabalhadores e do povo brasileiro. Agora, o Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ameaça cortar o abono Pis/Pasep, caso o Congresso não aprove as propostas de reforma trabalhista e Previdenciária. As entidades representativas dos trabalhadores sabem que o momento é delicado. “Estamos vivendo sob pressão. A mercê de um congresso submisso ao governo” reage a presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Rilda Maria Alves. Para ela a reforma trabalhista é tão cruel quando a previdenciária.

Governo ameaça conquistas 2

                   Para discutir a situação e as ameaças do governo federal, a CUT reúne seus sindicatos filiados hoje e amanhã, no auditório da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag). Segundo Rilda, se o governo cumprir sua ameaça de cortar o PIS/Pasep, atingirá diretamente 22 milhões de trabalhadores no país, que ganham um salário mínimo e estão inscritos nos últimos cinco anos. “Esse governo já deixou claro que não tem interesse em gerar novos empregos no país, e somente trabalha para beneficiar os empresários e a elite brasileira” lembrou a presidente da CUT.

 

Recuperação de rodovias

                   O Pró-Estrada, programa do governo de Alagoas destinado a elevar o padrão das rodovias estaduais e vias urbanas nos municípios, há atingiu 252,6 quilômetros. O serviço proporciona segurança e agilidade no transporte de pessoas e produtos. Na região sertaneja o programa já alcançou quase 100 quilômetros, abrangendo onze municípios. No Agreste, as obras beneficiam vias urbanas em Igaci (3,94 km), Arapiraca (2,2 km) e Teotônio Vilela (4,7km). E ainda Lagoa da Canoa (2,7 km), Jaramataia (1,1 km), Coité do Noia (6,4 km), Feira Grande (14 km), Batalha (16 km) e São Sebastião (3 km). A rodovia AL-450 que liga Marimbondo a Anadia, no Vale do Paraíba, teve 15,3 km recuperados. Na região Norte do Estado foram beneficiados Joaquim Gomes, Campestre, Flexeiras, São Luiz do Quitunde e Matriz de Camaragibe. A AL-105 teve 28 km recuperados Na região sul, a rodovia AL-225 recebeu melhorias em 20km, além de 7,9km de vias em Penedo. No Vale do Mundaú, Ibateguara, Murici e Colônia de Leopoldina tiveram vias recuperadas. Na região metropolitana, foi recuperado o acesso a Marechal Deodoro, Pilar e está em andamento a Avenida Cachoeira do Meirim, em Maceió.

 

Confiança na imprensa

               O brasileiro é um dos povos que mais confiam em conteúdos veiculados pelas empresas de comunicação. Este é o resultado de uma pesquisa feita pelo Instituto Reuters, para o Estudo do Jornalismo, da Universidade de Oxford, na Inglaterra. No Brasil, 60% das pessoas entrevistadas disseram confiar nos meios de comunicação para se informar, índice somente superado em todo mundo, pela Finlândia, com 62%. O Relatório de Jornalismo Digital 2017 aponta ainda que as redes sociais vêm sentindo os reflexos negativos da proliferação de notícias falsas (“fake news”). Por isso o Facebook, por exemplo, vem perdendo espaço em vários países, inclusive no Brasil.

Confiança na imprensa 2

           Um dos principais fatores que elevam a credibilidade do jornalismo, segundo a pesquisa, é o trabalho da imprensa em separar fatos de boatos, tendo um cuidado maior ao veicular a informação. As redes sociais, neste aspecto, contam com apoio de somente 24% dos entrevistados. Ainda segundo o estudo britânico, os aplicativos de mensagens, como o WhatsApp tem crescido, exatamente por permitirem uma comunicação mais privada e não filtrarem seu conteúdo através de algoritmos, como o Face. O estudo apontou também mudanças em consumir notícias via internet. Os celulares ultrapassaram os computadores como principal dispositivo para acessar notícias.

Embargo à carne brasileira

           A suspensão da compra de carne fresca do Brasil, pelos Estados Unidos, terá um impacto mínimo nas exportações brasileiras, segundo o diretor do Departamento de Estatística e Apoio à Exportação do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Herlon Brandão. Segundo ele, os americanos formam um pequeno mercado consumidor de carne “in natura”, e a liderança do Brasil no mercado global do produto não deve ser ameaçada num cenário de oferta restrita em todo o planeta.

Embargo à carne brasileira 2

          Segundo Brandão, a venda de carne fresca para os EUA representa apenas 2% do total das exportações brasileiras. Tradicionalmente o país vende carne industrializada para o mercado norte-americano e esta venda não foi afetada. “O Brasil é o maior exportador mundial de carne, abastecendo 160 países. A carne fresca começou a ser vendida somente este ano para os EUA. No primeiro semestre, o Brasil embarcou 14 mil toneladas de carne fresca, para os Estados Unidos, que totalizaram US$ 59 milhões. No total o Brasil exportou, no primeiro semestre, 3,1 milhões de toneladas, entre carne fresca e industrializada, que renderam US$ 6,9 bilhões.

 

 

  • A situação financeira da Universidade Federal de Alagoas é bastante preocupante em todos os sentidos e afeta diretamente setores como a extensão e principalmente a pesquisa, que não ganham (mas precisam) de novos investimentos.
  • O alerta foi feito pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas (Sintufal), Davi Menezes que considera que a situação ainda pode piorar, depois da emenda do teto de gastos.
  • Ele explicou que o orçamento da Ufal para 2017 é de R$ 758 milhões, já com o contingenciamento de 17%, o que significa uma perda de R$ 23 milhões.
  • “A situação é grave aqui em Alagoas e em outras universidades. Os recursos que foram cortados afetam diretamente as universidades federais. Faltam recursos para o funcionamento adequado dos laboratórios, e para coisas básicas necessárias no dia a dia” garante o presidente do Sintufal.
  • Além do contingenciamento de 17%, a Ufal ainda sofreu um outro corte, de R$ 14 milhões, considerado “bloqueio orçamentário” por parte do Ministério da Educação.