Blog do Dresch

21 de junho de 2017

O estúdio de alta tecnologia do JN

                   Chamou a atenção (quase mais do que a notícia) o novo estúdio do Jornal Nacional, da Rede Globo, inaugurado na noite de segunda feira. William Bonner e Renata Vasconcellos comandaram a apresentação, em um estúdio no centro da redação, com 1.370 metros2, ocupados por 189 pontos de trabalho, 18 ilhas de edição, três de pós-produção, duas cabines de locução e salas de reunião. Atrás da bancada, foi instalado um vidro de 15 metros, em curva, que garante a visão da Redação em atividade, e está revestido com uma película PDLC, sincronizada a nove projetores a laser para garantir mais qualidade às imagens.

Um estúdio futurista 2

                   No fundo da redação, foi instalada uma tela de LED retrátil de grandes proporções (16 metros de largura, três de altura e cerca de 3 toneladas) que fazem os recursos gráficos ganharem efeito 3D e as artes projetadas possam ser vistas por diferentes perspectivas, de acordo com a movimentação das câmeras. Dois braços robóticos, utilizados pela indústria automotiva. Foram adaptados para receber duas câmeras que se movimentam em nove eixos, em trajetórias pré-fixadas ou guiadas por sensores, que captam o movimento dos apresentadores. O novo prédio tem ainda soluções sustentáveis, como a fachada revestida com tela de propriedades térmicas, que reduz a incidência solar, telhado verde e iluminação a LED.

 

Muito além dos limites

                   O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, disse em palestra no Recife, que a operação Lava Jato “expandiu as investigações para além dos limites”. Segundo ele, algumas vezes abriu-se inquérito para investigar o que já está explicado, e os procuradores e promotores ampliaram as investigações por situações de “mera irregularidade”. Mendes afirmou também que “o objetivo é colocar medo nas pessoas, desacreditá-las. Aí as investigações precisam ser questionadas. Precisamos de limites. Não podemos despencar para modelo de estado policial de investigações na calada da noite, arranjos, ações controladas que tenham como alvo qualquer autoridade e até o Presidente da República. Investigação sim, abuso não. Não se combate crime cometendo crime”. Ele chegou a citar o inquérito aberto contra o deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) “um homem decente” segundo Mendes. Coincidência ou não, Jarbas estava presente ao evento e foi ele quem convidou o Ministro para proferir a palestra.

 

Livros criptografados

             Antes de desaparecer misteriosamente em 27 de Março, o estudante de psicologia Bruno Borges, 25 anos, deixou 14 livros criptografados nas paredes do seu quarto, em Rio Branco no Acre. Agora uma editora fechou um acordo com a família do jovem para publicar estes livros. O primeiro a ser publicado é “Teoria de Absorção de Conhecimentos (TAC)” conforme pedido deixado por Bruno. A data de lançamento e o nome da editora não foram divulgados pelo pai do estudante, empresário Athos Borges.

Livros criptografados 2

            A última vez que Bruno Borges teve algum contato com familiares foi em 27 de Março. No quarto do jovem, além dos livros criptografados no chão, nas paredes e no teto, também foi deixada uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600). Os móveis e objetos pessoais não estavam no quarto. Os escritos, a retirada dos móveis e a chegada da estátua aconteceram em um prazo de 20 dias, quando os pais estavam de férias. A polícia permanece sem qualquer pista sobre o paradeiro do estudante de psicologia.

Morre fundador da Marcopolo

           Um dos fundadores da empresa Marcopolo, presidente emérito e principal acionista da fabricante de carrocerias de ônibus, Paulo Bellini faleceu aos 90 anos de idade. Filho de descendentes italianos e formado em contabilidade, Bellini nasceu em 1927, em Caxias do Sul (RS) e montou o seu império ao longo de 67 anos, participando de diversas funções na empresa. A Marcopolo é uma das maiores fabricantes mundiais de carrocerias de ônibus com fábricas no Brasil, Colômbia, Argentina, México, Índia, Egito e África do Sul.

Morre fundador da Marcopolo 2

         No ano passado, a Marcopolo teve uma receita de R$ 2,57 bilhões. Foi Paulo Bellini que deu início ao processo de internacionalização da empresa em 1961, com a primeira exportação para o Uruguai. O processo se consolidou nos anos 90, dando origem a uma multinacional que tem operações na África do Sul, Austrália, Argentina, Brasil, China, Colômbia, Egito, Índia e México. A empresa ainda tem uma fatia de 10% na New Flyer Industries (NFI), que tem unidades nos Estados Unidos e Canadá.

 

 

  • O Plano de Investimentos da Casal, que atenderá os 77 municípios que contam com os serviços da companhia foi definido pela equipe técnica, de acordo com as demandas previamente apresentadas.
  • Ao todo serão investidos R$ 100 milhões, sendo a metade recursos do Governo do Estado e a outra metade da própria Casal.
  • O Plano prevê a utilização de R$ 19,5 milhões no Sertão, R$ 8 milhões na Bacia Leiteira, R$ 23,7 milhões no Agreste, R$ 18,8 milhões no Leste alagoano. R$ 14 milhões na região Serrana e R$ 16 milhões em Maceió.
  • Os recursos serão aplicados em implantação, melhorias e recuperação de sistemas de abastecimento d’água, adutoras, redes de distribuição, reservatórios, estações elevatórias, captações, reformas e estações de tratamento.
  • E ainda na construção de poços, interligação a reservatórios; implantação de Distritos de Medição e Controle; aquisição de conjuntos de motobombas; ampliação e melhoria do laboratório de água e esgoto; implantação de redes coletoras de esgoto; aumento dos sistemas de esgotamento sanitário e melhoras no Emissário Submarino da capital.