Roberto Baia

7 de junho de 2017

Turismo em Traipu

turismo em traipu 600x300 c - Turismo em Traipu

Com Ascom/Elisana Tenório – O Centro Cultural de Traipu está na contagem regressiva para se tornar realidade. O prefeito Eduardo Tavares confirmou a liberação de verba, por parte do Ministério do Turismo, para construção do lugar, que também abrigará a Biblioteca Pública, um auditório para 250 pessoas e o Memorial à Traipu. Os recursos, na ordem de R$ 731.250,00, serão liberados através das emendas do senador Renan Calheiros e do deputado João Henrique Caldas.

 

Comemorou

“Essa conquista é importantíssima para Traipu. O Centro Cultural ficará encarregado de manter o Museu Imperial (local onde Dom Pedro II se hospedou). Estamos aguardando, agora, a liberação de recursos para a construção do terminal turístico”, comemora o prefeito Eduardo Tavares.

 

Cultura e história

O Memorial à Traipu terá como principal atribuição divulgar a cultura e a história do município ribeirinho, além de homenagear conterrâneos considerados ilustres, como os políticos Medeiros Neto e Luiz Tavares; músicos famosos, a exemplo do maestro Antônio Florentino Dias – regente da Orquestra Filarmônica do Rio de Janeiro; escritores, como Rui Medeiros; e artesãos, como os mestres Camilo e Pitonho.

 

Casa da Cultura

O auditório terá a finalidade de apresentar espetáculos, peças teatrais, conclaves. Já a Casa da Cultura abrigará o primeiro museu da região, o “Passo Imperial” – um dos mais antigos e belos prédios da cidade onde Dom Pedro II dormiu e passou o dia escrevendo,  conversando com as pessoas e dando nomes aos acidentes geográficos situados ao longo do baixo São Francisco.                       

 O prédio será construído em um terreno pertencente ao município, situado ao lado do Fórum da cidade.

 

Radialista

O radialista Wendell Milano, conhecido como “Locutor do Povão”, recebeu alta hospitalar na terça-feira (6), após ficar internado durante 10 dias, cinco deles na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), do Complexo Hospitalar Manoel André (Chama), em Arapiraca.

Em suas redes sociais, Wendell, agradeceu na tarde desta terça-feira, pelo carinho dos familiares, amigos e também dos profissionais do Chama. Na mesma mensagem, ele relatou a motivação que o levou à internação.

 

Agradecimento

“Obrigado. Eu estou em casa, após dez dias internado, 5 deles na UTI do hospital Chama, ao qual quero dar os parabéns pelo trabalho de atendimento, um pré-coma uma glicose de 630, tudo escurecendo, um medo, muito medo… aos amigos o obrigado pelas orações imediatas e tão precisas”, frisou.

 

Experiência ruim

Por fim, Wendell externou o medo pelo qual passou em decorrências das taxas elevadas da diabetes. “A UTI é solitária, é fria, é incerta. A hora não passa, você só sente medo de dormir e não voltar, nunca vivi algo parecido”, disse.

MP e as chuvas

O procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, e os promotores de Justiça que integram a Comissão de Apoio Institucional às Vítimas das Enchentes expediram uma recomendação aos prefeitos e coordenadores da defesa civil dos municípios em estado de emergência. O procedimento publicado no Diário Oficial do Estado na terça-feira (6) define medidas para enfrentamento e prevenção dos danos causados pelas fortes chuvas das últimas semanas, bem como as que poderão ocorrer no futuro.

 

Segurança

“Consideramos na edição dessa recomendação a imperiosa necessidade, gerada pelas circunstâncias extraordinárias atualmente vividas em parte do Estado de Alagoas, de priorização de determinados interesses públicos, com o objetivo de garantir, na medida do possível, o bem-estar social e a segurança coletiva e individual da população atingida”, disse o chefe do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL), que considerou ainda a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil e a Instrução Normativa nº 02/2016, do Ministério da Integração Nacional.

 

Recomendação

Para os gestores municipais, o MPE/AL recomenda que sejam implantados, urgentemente, órgãos municipais de Defesa Civil e nos municípios em que ainda não tenham sido devidamente criados. Eles também devem elaborar Plano de Contingência de Proteção e Defesa Civil, caso ocorra à ausência da estratégia.

 

 

… As prefeituras devem impedir a reocupação, recuperação ou reconstrução de edificações residenciais ou comerciais e prédios públicos, exceto equipamentos de lazer e esporte, nas áreas de risco devidamente atestado pelas autoridades competentes.

 

… Em relação àquelas que não foram atingidas pelas chuvas, os gestores públicos devem adotar providências para a desocupação e demolição das edificações porventura existentes nessas áreas, como medidas de prevenção de novas calamidades.

 

… O Ministério Público Estadual recomenda a implantação do cadastro único dos beneficiários dos donativos, mediante critérios técnicos previamente definidos pelo Estado de Alagoas e pelos Municípios.

 

… O objetivo do órgão ministerial é manter as doações sob controle e coordenação das defesas civis municipais para assegurar a distribuição isonômica dos bens. Os dados do cadastramento devem ser encaminhados à Promotoria de Justiça do Município em até dez dias.