Sérgio Toledo

7 de junho de 2017

O avanço da tecnologia na área médica.

Como já citei a medicina é uma ciência inexata e viva. O que representa dizer que uma afirmação de hoje pode não ser a verdade de amanhã.

Explicando: ciência viva e inexata pode ser modificada, aprimorada ou mesmo mudada. Claro sem prejuízo, pois as tecnologias irão avançando e fazendo aprimoramentos e melhoramentos para os usuários.

Vi uma reportagem sobre a termografia. Que é o gráfico da temperatura da superfície da pele. Tem a capacidade de identificar a origem da dor sendo importante para o diagnóstico e tratamento.

Claro que todas as novas tecnologias levam algum ou longo tempo para serem aceitas pelos próprios médicos e pela sociedade que irá utiliza-la.

Então esta tecnologia já é usada há muito tempo no Brasil e no Mundo.

Agora é que a imprensa descobre sua existência e principalmente a entidade esportiva que dirige a ginastica artística.

Temos muitas outras. Entre elas posso destacar a litotripsia. Inicialmente usada para a fragmentação dos cálculos renais – litotripsia renal – sendo depois utilizada em ortopedia com o nome inicial de litotripsia em ortopedia.

Passou depois a ser chamada terapia por ondas de choque extracorpóreas em ortopedia e atualmente tratamento por ondas de choque extracorpóreas. Em inglês, Shockwave treatment. No mundo sendo usada desde a década de setenta. No Brasil mais de vinte anos.

Realizo o tratamento por ondas de choque há bastante tempo desde abril de 2004. Os resultados são excelentes a bons perfazendo uma porcentagem de 70 a 80%. Na maioria todos os pacientes melhoram.

A indicação maior é na entidade chamada de entesite. Usada em retardo de consolidação óssea ou mesmo em pseudoartrose de ossos superficiais os resultados também são bons. Acontece que alguns colegas ortopedistas teimam em não aceita-la e mais em não indica-la.