Blog do Dresch

3 de junho de 2017

Lula aciona a Veja por afronta

lula aciona a veja por afronta 600x300 c - Lula aciona a Veja por afronta

                   Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, acionaram a editora Abril, que edita a revista Veja, pela capa de Maio que estampou a foto da sua falecida mulher, D. Marisa, com o título: “A morte dupla”. A revista insinua que Lula atribuiu as decisões sobre o tríplex de Guarujá, à ex-primeira dama, falecida há três meses. “Chocam tanto a capa da publicação (edição nº 2.530) e o teor da reportagem que a acompanha, quanto o despudor da insinuação de que Lula seria o responsável pela “morte dupla” da sua falecida esposa e incriminá-la em seu depoimento” diz a nota divulgada pelos advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins. Segundo eles os repórteres não poderiam ignorar a verdade, a não ser com o claro objetivo de atacar a honra e a reputação do ex-presidente, conclui o comunicado.

 

A batalha da vaquejada

                   Quem achou que a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) em segundo turno, que legaliza a prática da vaquejada resolveu a questão está enganado. Isso porque começa agora uma nova batalha até o Supremo Tribunal Federal, como asseguram os defensores das entidades de defesa animal. A PEC será alvo de ações de inconstitucionalidade junto à Procuradoria Geral da República. Por um lado a vaquejada é vista como um patrimônio cultural que movimenta milhões de reais. De outro, entidades de defesa dos animais afirmam que ela se configura numa prática de maus-tratos aos animais. Atualmente são realizados cerca de 4.000 eventos no país, segundo a Associação Brasileira de Vaquejada, quase todos acompanhados por shows de bandas de forró, atraindo um grande número de pessoas e movimentando muito dinheiro. Em Outubro do ano passado, o STF julgou inconstitucional uma lei que regulamentava a vaquejada no Ceará. “O Congresso quis eliminar com um decreto a crueldade dessa prática. Foi dado um passo atrás do nosso marco civilizatório” disse a presidente do Fórum Nacional de Defesa Animal, Vânia Plaza Nunes.


O estrago dos cibercrimes

        O prejuízo causado pelos ataques cibernéticos globais, como o ocorrido no mês passado em 150 países, será cada vez mais frequente, alertam técnicos em segurança de Organizações não Governamentais. E somente com muita pesquisa e mais investimentos – para estar um passo à frente dos invasores –  é possível garantir a proteção da informação. Segundo cálculos, os danos causados por hackers em 2016 em todo o mundo, chegaram a US$ 5 bilhões e a previsão é de que alcancem US$ 6 trilhões até 2021.

O estrago dos cibercrimes 2

           Um levantamento mostrou que, nos Estados Unidos, 72% das empresas com mais de 250 empregados sofreram ao menos um ataque cibernético em 2016, e 60% das empresas menores também foram alvos. Segundo uma empresa russa de segurança, o Brasil é um dos países mais vulneráveis, e mais da metade dos computadores brasileiros analisados (49%) foram alvos de ameaças. Ainda segundo a empresa, não só no Brasil, mas em todo mundo ainda prevalece a estratégia de corrigir os danos, em vez de preveni-los. A prevenção só aparece quando os ataques se tornam mais frequentes.

Roubo de carga onera preços

               Todo mundo sabe que o roubo de cargas provoca custos que são repassados para os produtos vendidos em supermercados. O preço aumenta em cerca de 20% na venda ao consumidor. A informação foi repassada durante o 1º Fórum de Prevenção de Perdas, pelo presidente da Associação de Supermercados do Rio de Janeiro, Fábio Queiroz. Os estabelecimentos gastam mais também com o frete, com o seguro, com segurança armada e até com operações de logística. Tudo é repassado para o preço final, disse ele.

Roubo de carga onera preços 2

                Uma pesquisa também foi apresentada no evento, mostrando que houve 97.786 roubos de cargas no Brasil entre 2011 e 2016, que geraram uma perda de R$ 6,1 bilhões. Em 2016 foi registrado o maior aumento no número de roubos de cargas, principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo. “Hoje rouba-se de tudo. Até carretas de arroz, de feijão, de biscoito, produtos que antes era inimaginável que seriam roubados. A gente perde tudo. Só recupera o caminhão” afirmou o presidente da Associação.

O cinema engajado

                A 11ª Mostra Cinema e Direitos Humanos, que acontece a partir desta segunda, dia 05, no Museu da Imagem e do Som (MISA), em Jaraguá, terá como aspecto central nesta edição a discussão sobre o gênero, dentro da temática dos Direitos Humanos no país. Serão apresentadas a Mostra Panorama, com temas e abordagens sobre Direitos Humanos; a Mostra Temática, sobre a questão do gênero; a Mostra Homenagem, que nesta edição reverencia a cineasta e roteirista brasileira Laís Bodansky e a Mostrinha voltada ao público infanto-juvenil. As sessões são diárias e gratuitas, e vão até o dia 09.

 

 

  • A Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal) prorrogou a campanha de vacinação contra a febre aftosa, por mais 15 dias.
  • A decisão foi tomada em função da estiagem prolongada e posteriormente pelo excesso de chuvas que caíram em Alagoas. Dessa forma, a vacinação foi estendida até o dia 15 de Junho.
  • Segundo o presidente da Adeal, Rui Alves, “a seca comprometeu o estado nutricional do rebanho, ocasionando inclusive mortes de animais por desnutrição, e a perda de pastagens, o que limitou ainda mais a recuperação dos animais em um período relativamente curto” explicou.
  • A prorrogação desta etapa de vacinação foi então necessária, para não comprometer os altos índices de imunização, sempre alcançados pelos criadores alagoanos.
  • Além disso, o período estipulado, vai garantir uma melhoria nutricional do rebanho e a adequação das pastagens e das instalações, facilitando o trabalho de vacinação.