Edmilson Teixeira

30 de maio de 2017

Palmeira dos Índios, serra em perigo!

palmeira dos indios serra em perigo 600x300 c - Palmeira dos Índios, serra em perigo!

“Ainda estamos sofrendo as consequências da estiagem e agora vem um fenômeno inverso do que estávamos vivenciando; sobretudo, provocando uma série de problemas” disse o prefeito de Palmeira, Júlio Cezar. Ele pede providências ao Estado, para que averigue uma parte da Serra do Muro, que está preste a qualquer momento provocar uma tragédia, devido forte infiltração que sofreu durante esses dias de chuvas na região. A Serra fica num trecho da rodovia estadual que liga Palmeira a Quebrangulo.


Palmeira – alerta

“Está havendo deslizamento  e  perigo  iminente” alertou Cezar as autoridades presentes  na manhã desta segunda-feira, no Palácio do Governo, durante reunião do governador  Renan Filho com os gestores municipais que enfrentam problemas das fortes chuvas.

Igaci

No município de Igaci, localizado a 136 km de Maceió, as cachoeiras vêm encantando os igacienses e visitantes de outras localidades. O aumento das chuvas na região faz com que o volume de água deixe a paisagem ainda mais bela, trazendo à tona as belezas naturais escondidas no período da estiagem, como é o caso da cachoeira da Jangada.

A cachoeira, distante 1,4 km do centro da cidade, revela uma paisagem exuberante, onde paredões de pedras formam quedas d’água que dão origem a cachoeira.

 

Igaci – convite

 

A cachoeira revela os espetáculos naturais de Igaci, ainda não modificada pelo homem: a cachoeira da Jangada, banhada pelas águas do Jacuípe. Os riachos da Toca e Jangada com suas águas também fazem parte das belezas naturais do município. “Nosso município é rico em belezas naturais, seja nossas cachoeiras ou o rio Jacuípe. E nesse período chuvoso ficam ainda mais atrativas. Por isso, convidamos a todos que venham conhecer essas belezas”, diz o prefeito Oliveiro Torres.

 

Capela  

Diz o prefeito Adelminho Calheiros que em Capela a parte mais atingida com o fenômeno das fortes chuvas, foi o distrito de Santa Efigênia. No município 67 famílias, num total de 307 pessoas estão desabrigadas. “Santa Efigênia ficou ilhada, sem comunicação, onde seis postes de energia caíram agravando ainda mais a situação; estradas foram danificadas e bueiros destruídos”, comentou o prefeito, que ainda não contabilizou o prejuízo financeiro.

Defesa Civil

Quem estar em Alagoas no aguardo de todo levantamento do prejuízo causado pelas chuvas é o coordenador nacional da Defesa Civil, César Santana. Ele participou nesta segunda-feira da reunião no Palácio, com os prefeitos, oportunidade em que solicitou para que todos os gestores relacionem o mais rápido possível por meio de um documento, os estragos das águas. “O governo federal está com pressa para liberar recursos para os municípios, mas é preciso um laudo  técnico com todos os detalhes da coisa”, disse.

 

 

Satuba

Paulo Acioli prefeito de Satuba relata que as chuvas deixaram o povoado de Santa Polônia ilhado, onde lá uma ponte desabou assim como quatro casas. “As estradas vicinais ficaram danificadas, mas no transcorrer desta semana é possível que todas essas questões sejam resolvidas, sobretudo com o apoio do Estado, de quem recebemos o aval do governador Renan Filho”, disse.

Rio Largo  deslizar

Depois do forte temporal de uma semana seguido, Rio Largo contabiliza hoje um saldo de 500 desalojados e 523 desabrigados. E todo o município, 860 casas foram atingidas pelo alagamento. O prefeito Gilberto Gonçalves  está montando uma força-tarefa numa parceria com o Estado, a fim de deixar a região dentro da sua normalidade. Apela o prefeito, para que a Caixa Econômica viabilize sem tanta burocracia, as condições viáveis para conclusão de 800 casas.

Liberação

Por falar em Caixa Econômica, o superintendente regional do órgão em Alagoas, garantiu ontem durante reunião do governador com os prefeitos, que vai liberar até seis mil reais para quem tem direito ao FGTS. A ação vai beneficiar apenas o trabalhador que teve sua casa danificada pelas chuvas desses últimos dias.

Paripueira

Em Paripueira, as chuvas causaram desabamento de casas, arrancaram calçamento de ruas e colocaram a Defesa Civil municipal em alerta permanente, sobretudo em áreas consideradas de maior vulnerabilidade. Segundo o prefeito Haroldo Nascimento, os desabrigados estão tendo total assistência. “A prioridade é garantir abrigo e apoio a essas famílias”, disse ele, afirmando que o município bancará o aluguel social para quem não tem onde ficar.

Marechal

Prefeito Cacau resolveu tomar uma medida desesperada para atender uma infinidade de moradores que vêm sofrendo com as consequências das chuvas. É que após as fortes chuvas ele selou parceria com os MPF e MPE/AL, como forma de garantir  a entrega das casas do Residencial Maria Gislene Matheus a todas as famílias beneficiárias, incluindo as vítimas das chuvas. As entregas começaram a ser feitas logo no domingo pela manhã. Ressaltando que as casas são unicamente para as famílias beneficiadas e já sorteadas pelo município.

Coruripe

Prefeito Joaquim Beltrão, disse que Coruripe não sofreu muito com as chuvas. Na reunião com o governador e a Defesa Civil nesta segunda-feira no Palácio, Beltrão pediu apoio, a fim de encontrar um meio, que possa retirar diversas famílias  que residem  em áreas de riscos.  

São Luiz de Quitunde

As chuvas frequentes da última semana deixaram um saldo negativo de 10 casas destruídas e 50 condenadas pela Defesa Civil Municipal. A informação é da prefeita Fernanda Cavalcante. A gestora enfrenta um sério problema social na cidade, onde é alarmante o número de famílias que vivem em extrema situação de miséria. Planeja a gestora, ampliar os programas sociais, sobretudo em parcerias com o Estado e a União, a fim de amenizar parte do problema.