Ailton Villanova

18 de março de 2017

Como fazer pra voltar?

como fazer pra voltar 600x300 c - Como fazer pra voltar?

  Hospedado num daqueles hotéis bacanas da Jatiúca, o turista pegou o carrão, com uma loura ao lado, e saiu para conhecer a bonita Maceió. Adiante, parou para pedir orientação a um camarada que escorava um poste:

      – Boa noite, meu amigo…

      – Boa noitche! – respondeu o sujeito com sotaque de bêbado e o maior bafo de cana.

      – Por favor, como é que eu faço para chegar ao Pontal da Barra?

      E o cara:

      – O senhorrr fax o seguintche… burp! Xiga uns trintcha quarteirõex a frente, certo? Depoix, entre a direitcha no primeiro xinal luminoso e continue em frentche. Quando chegar na décima exquina, vire de novo à direitcha e depois à esquerdja, tá entendendo?

      – Mas…

      – Quando dobrar à esquerda, repare que tem uma ladeirinha e uma igrejinha. Não pare. Siga defagar, atravesse uma rua, faça o balão e pegue a praia. Cuidado, hein? Essa praia é poluidja… hic! Antes de tchegar numa numa pontche bem grande, dobre à direita e vai bater no Pontal! Hic!

      O turista coçou a cabeça, embatucado:

      – É mesmo? E agora o amigo pode me explicar como eu faço pra voltar de lá?

      – Simples. É só dar marcha à ré!

 

Funcionário exemplar    

      Gomes, o eficiente gerente de vendas de determinada empresa recebeu um fax de um dos seus novos vendedores, vazado nos seguintes termos:

       “Seu Gômis, o criente de Atalaia pidiu mais de cuatrocenta péssa”.

       Uma hora depois, o mesmíssimo gerente Gomes recebeu outro fax: 

        “Seu Gômis, tô fexando uma venda de trêis míu péssa”.

        No dia seguinte, bem cedinho, olha mais um fax:

        “Seu Gômis, num cheguei purcausa de que vendi maiz déis míu em Maribondo”.

        No outro, menos de cinco horas depois:

         “Seu Gômis, Viçosa fexô 20 míu. Vô pra Murici e de lá pra São Jusé da Lage”.

          E assim foi o mês inteiro. De posse de todas as mensagens que recebeu do vendedor, o gerente Gomes as levou ao presidente da empresa. O presidente leu todas elas, abriu um sorriso de satisfação, pediu papel e caneta e escreveu um aviso, que mandou fixar no mural, juntamente com as mensagens do vendedor.

          O aviso do presidente, estava escrito nos seguintes termos:

          “A partí de ôje nóis tudo vâmo fazê feito o Nirso… se preocupa menos em iscrevê serto, mode vende mais. Acinado, o Prezidenti”.

 

Cem reais bem pagos

      Vestindo uma minissaia bem “mini”, a lourinha Florita andava pela rua quando foi abordada por um malandro:

       – Quero te possuir agora mesmo, gata! Eu deixo cair 100 reais no chão e o tempo que você demorar para apanhá-los, eu despacho o serviço por trás. Topa?

       A lourinha pensou um pouco e decidiu ligar à sua melhor amiga, para lhe pedir opinião. E a amiga:

       – Escuta, quando ele deixar cair a nota, com certeza você vai conseguir apanhá-la e vai correr antes que ele lhe pegue para fazer alguma coisa. Depois me ligue e me conte o resultado.

       Meia hora depois, Florita ligou para a amiga e esta perguntou, cheia de curiosidade:

        – E então, como é que foi?

        E Florita:

         – O filho da puta jogou 100 reais no chão… em moedas de 10 centavos! Ele já vai pra terceira!

 

O presidente se lascou!

      Um avião ia de Brasília para o Rio de Janeiro quando apresentou uma falha mecânica. No meio do corre-corre, apareceu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso gritando desesperado. De repente, ouviu-se a voz de uma aeromoça pelo telefone:

       – Senhores passageiros, nós sabemos que o avião vai cair, mas devemos manter a calma! Por favor, organizem-se em fila. Só um detalhe… por falha técnica, nós temos um paraquedas a menos!

        Os passageiros, que estavam desesperados, ficaram histéricos e o ex-presidente FHC começou a fazer o seu discurso de defesa:

        – Eu sou o responsável pelo Plano Real, pela diminuição da dívida externa… Eu não posso morrer! Sou o presidente mais competente e mais inteligente que este país já teve!

        Então, o comissário-chefe fez questão de entregar o primeiro pacote para o presidente, que nem agradeceu e saltou sob protestos:

        – Não é possível! Tanta gente neste avião e você dá o primeiro paraquedas justamente pro FHC? Agora, um de nós vai morrer!

        Todos os passageiros gritaram apavorados até que o comissário conseguiu se defender:

        – Fiquem calmos! Todos nós vamos sobreviver! O presidente mais inteligente que o Brasil já teve saltou com a mochila de primeiros socorros!

 

Ela mesma pediu!

      O português Francisco Prata arrumou uma namorada maravilhosa, gostosa, lindíssima. Logo no primeiro dia, ela levou uma queda desastrada, jogando tênis, e quebrou os dois braços. Uma semana depois, eles foram passear de barco, no rio São Francisco. Lá estavam eles muito felizes, quando a garota pediu:

      – Chiquinho, meu amor, tire a minha blusa.

      Ele tirou.

      – Chiquinho, tire a minha calça.

      Ele tirou.

      – Chiquinho, agora tire a minha calcinha.

      Ele tirou.

      – Chiquinho, agora realize o seu sonho de felicidade!

      Francisco José pegou a garota e jogou no rio.