Blog do Dresch

13 de Fevereiro de 2017

Governo do Estado estabelece metas para melhorar o Ideb

O governador Renan Filho reúne prefeitos e secretários municipais nesta segunda-feira (13) para apresentar um programa que vai envolver todas as cidades alagoanas e que tem como meta ampliar a qualidade da educação, com foco no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). O encontro acontece a partir das 9h, no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, em Jaraguá. O novo programa tem como foco o ensino fundamental I e II. As ações serão voltadas para a melhoria de indicadores, como taxa de aprovação, distorção entre idade e série e condição de trabalho dos servidores da Educação. Para o secretário de Educação e vice-governador do Estado, Luciano Barbosa, esse primeiro encontro é fundamental para integrar gestores municipais e Governo na missão de dar um salto no ensino em Alagoas.  Barbosa destaca que os municípios detêm 95% das matrículas dos anos iniciais e 75% dos anos finais.

Energia limpa em Alagoas
A empresa Ipanema Construções, de Maceió  teve um projeto aprovado pelo FNE Sol. A empresa de materiais de construção é a primeira em Alagoas a ser contemplada com essa linha de crédito. O programa de financiamento do Banco do Nordeste (BNB) é voltado para implantação de sistemas de energia fotovoltaica em empresas nordestinas. A empresa investiu em torno R$ 100 mil para implantar o sistema, instalado pela empresa Energia Plena e Inove Consultoria, que rendeu 65 placas e 16,9 kWp de potência. A energia gerada pela fonte renovável é injetada na rede da distribuidora para que possa ser consumida em seguida. Antes da regulamentação, um imposto tornava inviável o custo e benefício na implantação. A iniciativa conta com o apoio do Governo do Estado, através da Sedetur, que diz que a regulamentação do Convênio 16 (firmado em setembro do ano passado, com objetivo é isentar o imposto sobre ICMS cobrado sobre a geração distribuída de fontes renováveis) traz importante contribuição no desenvolvimento dos setores empresariais, comerciais e residenciais ao reduzir custos na isenção de impostos. 

 
Chico Buarque e o fazendeiro
Alvo de queixa-crime feita pelo compositor Chico Buarque, o fazendeiro paulista Guilherme Gaion Junqueira Motta Luiz pagou R$ 2 mil de multa para não ser processado por ele após publicar ofensas no Facebook. O fazendeiro aceitou o acordo proposto pelo Ministério Público e ficou livre da ação penal. Ele afirmou na rede social que Chico se beneficiava na Lei Rouanet e, por isso, se posicionara favoravelmente ao governo Dilma Rousseff. Com o acordo, o juiz Marco Couto extinguiu o processo distribuído para o 4.º Juizado Criminal do Leblon. Motta Luiz, porém, ainda é réu em outra ação, na 44.ª Vara Cível do Rio, em que o cantor cobra indenização por danos morais.
Chico Buarque e o fazendeiro 2
O fazendeiro fez a afirmação no Facebook após um incidente ocorrido em dezembro de 2015. Chico estava saindo de um restaurante no Leblon e foi hostilizado por um grupo, que o interpelou agressivamente por seu posicionamento político. Motta Luiz estava no grupo e ironizou Chico, dizendo “para quem mora em Paris é fácil” – o compositor reside no Rio, mas tem um apartamento na capital francesa. E ainda disse: “Você é um merda.”
Se a moda pega
Os episódios envolvendo policiais militares no Espírito Santo já começam a fazer coro em outros Estados.  A capitã Ana Paula Moutinho, de 37 anos, lotada no 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes), no Rio de Janeiro, foi presa administrativamente, ontem, por incitar a greve da Polícia Militar do Rio de Janeiro por meio de seu perfil em uma rede social. De acordo com informações da assessoria de imprensa da corporação, a agente postou “mensagens agressivas à sociedade”. A decisão da prisão da policial foi tomada pelo comando de seu batalhão, seguindo o regulamento de disciplina da corporação. Ana Paula ficará detida por 72 horas, até este domingo, no 20º BPM (Mesquita), na Baixada Fluminense.
Se a moda pega 2
Em sua publicação no Facebook, a capitã mostra fotos de comentários de internautas pedindo que agentes da Polícia Militar não abandonassem a população durante a greve. Em resposta, Ana Paula declarou: “Só cuidaremos dos nossos! Fujam pras colinas”. A capitã  ficou conhecida do público em outubro do ano passado quando amamentou um bebê durante uma ocorrência, na comunidade do Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. Na época, a policial havia acabado de se tornar mãe. Ao chegar no local, ela encontrou a mulher, que aparentava cerca de 30 anos e estava visivelmente transtornada. Ela dizia que pretendia dar o bebê ou abandoná-lo. Ana Paula tentou convencê-la a buscar um familiar que pudesse ficar com a guarda. Nesse meio tempo, ela amamentou o recém-nascido. O caso foi publicado em uma rede social, onde fez sucesso.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
*** As penas previstas para Eike Batista  e Sérgio Cabral juntas somam quase 100 anos. A denúncia oferecida na sexta-feira pelo Ministério Público Federal (MPF) contra Eike no âmbito da Operação Eficiência, um desdobramento da Lava-Jato no Rio, prevê pena de até 44 anos para o empresário pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. 
*** Já Cabral foi denunciado duas vezes por corrupção passiva, duas por lavagem de dinheiro e uma por evasão de divisas. Assim, poderia pegar entre 12 e 50 anos de prisão, caso seja condenado por todos os crimes. 
*** Segundo o MPF, Eike é acusado de pagar vantagem indevida ao ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) de US$ 16,5 milhões para que ele atuasse em suas funções de modo a favorecer os interesse privados no Estado do Rio das empresas administradas por ele. 
*** O MPF conclui ainda que Eike efetivou o pagamento por meio de operadores indicados pelo peemedebista. Este é o dinheiro envolvido na falsa venda de uma mina de ouro envolvendo o Grupo X e as empresas Venta Gold Corp, Arcadia e Centennial Asset Mining. De acordo com a denúncia, Eike atuou em conjunto com Godinho e Cabral, com a colaboração de sua mulher, Adriana, cujo escritório teria recebido R$ 1 milhão.