Blog do Dresch

16 de dezembro de 2016

A obra de Sebastião Salgado no Misa

             O cotidiano dos trabalhadores rurais, o respeito ao uso do solo de forma consciente e a cumplicidade do homem com a terra. Tudo isso visto sob as lentes do fotógrafo Sebastião Salgado, que traz a Exposição Terra, a partir desta sexta feira (16) no Museu da Imagem e do Som (Misa) em Jaraguá. A mostra reúne 30 cenas em preto e branco, captadas entre 1980 e 1996, em comunidades localizadas em pontos diversos do país, como no sul da Bahia, norte do Pará ou no Sul do Brasil, e a situação de vulnerabilidade social. Segundo sua assessoria “Nelas, Sebastião Salgado funde elementos documentais do fotojornalismo à emoção da pesquisa que reflete a condição humana e sua inter-relação com a política e com a economia”.

Exposição Terra em Maceió 2

             A Secretária de Cultura de Alagoas, Melina Freitas, registra a importância de trazer a exposição para Maceió: “Abrir as portas do nosso museu para receber obras tão relevantes de um fotógrafo reconhecido e premiado internacionalmente como Sebastião Salgado é motivo de muito orgulho. Salgado se destaca por seu olhar atento e diferenciado às questões do dia a dia do trabalhador rural”. O artista está radicado em Paris há 40 anos, e já passou pelas principais agências de imagens do mundo. Desenvolve há alguns anos um programa voltado à recuperação de nascentes e reflorestamento de áreas degradadas, através do Instituto Terra, criado junto com sua esposa, a arquiteta Lélia Salgado.

 

O drama da prisão provisória

             Um relatório elaborado pelo Conselho Nacional do Ministério Público concluiu que a quantidade de presos provisórios tem agravado a superlotação nas cadeias de todo o país. O relatório foi elaborado em 1,4 mil instituições, por promotores de justiça e procuradores da República em 2014 e 2015. Nas cadeias públicas visitadas em 2015, a capacidade total era de mais de 83 mil, mas a ocupação total chegava a 137 mil presos, sendo 40% de provisórios, Nas 523 penitenciárias inspecionadas em todo o país, juntas, tinham uma capacidade para receberem cerca de 225 mil internos em 2015, mas abrigavam então cerca de 365 mil detentos. Das 1.438 unidades inspecionadas em 2015 no país inteiro, 490 tinham camas para todos os presos, 516 forneciam roupas de cama e 494 disponibilizavam toalhas de banho aos internos. A publicação também traz dados sobre a integridade física dos presos. Em 2014, somando as unidades de todas as regiões, houve 137 homicídios e 2.786 presos apresentaram ferimentos. No relatório é possível ver dados sobre o perfil dos presos, assistência à saúde, medidas de segurança, visitas, assistência jurídica, entre outras.

 

Renan rebate Jô Soares

             O presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) rebateu o apresentador e humorista Jô Soares, usando como argumento o fato de Jô o ter criticado em seu programa por supostamente defender a anistia ao caixa dois eleitoral. A matéria foi publicada pelo jornal Valor Econômico. Em Novembro, algumas lideranças tentaram embutir a anistia ao caixa dois em um projeto contra a corrupção, mas desistiram diante da pressão da opinião pública. Segundo algumas fontes Renan teria se comprometido a votar o projeto assim que fosse aprovado pelos deputados.

Renan rebate Jô Soares 2

             O senador alagoano garantiu que na verdade estavam terminando de votar a anistia da repatriação, beneficiando inclusive o Jô. “E ele dizendo, junto com as meninas (jornalistas) que nós estávamos querendo anistiar o caixa 2. Estávamos entregando para ele uma anistia, pelas acusações de ter ativos no exterior, e ele nos acusando de outra coisa. Só de evasão de divisas, ele recebeu naquele dia uma renúncia de 12 anos de prisão” desabafou Calheiros. Ele sugeriu que as “meninas do Jô” perguntassem ao apresentador: “É verdade que você tem dinheiro no exterior? É verdade que você recebeu a primeira repatriação e agora a segunda? É verdade que você não sabe o que é caixa 2? Você contunde tudo isso deliberadamente para criar uma grande confusão na cabeça das pessoas?”.

Empresas perderão incentivos

             Na última reunião do Conselho Estadual do Desenvolvimento Econômico (Conedes), a Secretaria do Estado da Fazenda apresentou aos conselheiros uma lista com 36 empresas que pediram e ganharam isenção de impostos em Alagoas, mas não cumpriram com a sua parte. Algumas delas nem mesmo chegaram a se instalar por aqui. Elas poderão ter agora seus benefícios fiscais cancelados por descumprirem as normas exigidas para ter acesso a programas como o Prodesin (Programa de Desenvolvimento Industrial). “Empresas que devem ao Estado não podem continuar recebendo incentivos fiscais. Algumas dessas empresas não foram sequer encontradas” disse o secretário George Santoro, da Fazenda.

Empresas perderão incentivos 2

             O secretário Santoro, afirmou aos conselheiros que o cancelamento dos benefícios a estas empresas é essencial para garantir a credibilidade do programa, uma vez que elas descumpriram a contrapartida com o Estado. “Como o Prodesin é uma lei de incentivos fiscais, as empresas que não cumprem sua parte no acordo estão descumprindo a lei” defendeu o Secretário. Ele reconheceu também que é necessário aperfeiçoar os critérios de avaliação de cada empresa que solicita a concessão dos incentivos fiscais para se instalar no Estado, mas a concessão do benefício requer uma análise ampla, para saber qual será o impacto no mercado com a chegada desta nova indústria.

 

 

  • Ainda é bastante complicada a situação da cantora alagoana Milane Hora como vocalista da Timbalada. No primeiro ensaio, ela foi vaiada pelos fãs da banda, apesar do apoio do fundador Carlinhos Brown e dos demais músicos.
  • Agora, os fãs estão se organizando através das redes sociais e sugerindo até um boicote à temporada de ensaios, que acontece no Museu du Ritmo, em Salvador.
  • Já foram criados os motes “Devolva a Minha Timbalada” e “Público Zero” e pretendem criar um varal para registrar a insatisfação dos fãs com os destinos da banda.
  • A intenção principal é reivindicar melhorias na banda fundada por Brown há 25 anos e criticar as acusações de racismo às avessas direcionadas aos fãs que contestam a presença de Milane como vocalista do grupo.
  • O próprio Brown e integrantes da Timbalada defendem o nome de Milane e esperam reverter a posição dos fãs em relação à nova vocalista.